Matérias Mais Lidas

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemA história da capa de "Christ Illusion", que fez o Slayer ter problemas

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemO álbum de David Bowie que Mick Jagger disse que achou "horrível"

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemSem ter o que fazer, guitarrista do Journey comprou 150 guitarras durante a pandemia

imagem"Ninguém imaginava que o Metallica seria maior que o Iron Maiden", diz Scott Ian

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers


Stamp

Doug Aldrich: Quando Ronnie Dio encarou um grandão no bar

Por Nathália Plá
Fonte: Blabbermouth.net
Em 10/04/11

Jeb Wright, do Classic Rock Revisited, entrevistou em abril de 2011 o guitarrista Doug Aldrich, WHITESNAKE/ex-DIO. Seguem trechos da conversa.

Classic Rock Revisited: Você se sente confortável quando dizem que é um dos melhores [guitarristas] por aí hoje em dia?

Doug: Jimmy Page e Jeff Beck ainda estão aí tocando pra caramba; eles são os grandes. O Eric Clapton ainda está tocando. Acabamos de perder Gary Moore, que era um dos melhores. E daí você tem o Michael Schenker e o Uli Roth… todos esses daí são mestres da guitarra. Eu agradeço muito o que você está dizendo mas eu na realidade não me sinto à vontade com elogios. Eu sei que há certas coisas que eu faço bem e apenas tento fazê-las no melhor das minhas habilidades. Eu estava trabalhando em uma música com meu camarada Derek Sherinian, que é o tecladista do BLACK COUNTRY COMMUNION. Em dado momento ele vai fazer outro disco solo. O Derek é um músico loucamente talentoso. Nós fizemos essa música e ele a criou e me mandou de volta. Ele veio e estava tentando me fazer tocar uma parte com ele e eu fiquei tipo, "Cara, isso é difícil. Eu não consigo. Eu posso fingir e fazer isso do meu jeito mas eu não consigo fazer como você". Ele não se importou com isso mas isso só mostra que eu tenho de fazer as coisas do meu próprio jeito. Quando eu faço as coisas assim eu consigo segurar as pontas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited: O que você tem a dizer sobre a intensidade do David Coverdale?

Doug: Para mim, honestamente, não estou dizendo isso porque eu trabalho com ele, a primeira vez que ouvi o David Coverdale cantar eu soube que era o tipo de voz que eu queria em um vocalista. Ele tem a maior voz e um tom gigantesco. É tipo como o som do Eddie Van Halen na guitarra, vocalmente – o David é tão especial assim. Na última turnê, nos até cancelamos algumas datas, mas a voz do David está novamente a 100%. Você nunca sabe realmente como alguém é até estar trabalhando com essa pessoa. Tentar captar a voz do David em um microfone pequeno é algo que não dá para acontecer. Eu nunca disse isso antes, mas você pode botar um microfone próximo a um amplificador e conseguir um som do que está se passando, mas você não consegue o som real todo. Quando você ouve o David Coverdale cantar no estúdio, em um microfone, você percebe que voz gigantesca ele tem. O Ronnie James Dio também tinha uma voz gigantesca.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited: Tenho de te perguntar sobre o Ronnie James Dio. Ele foi fundamental em sua carreira quando te contratou para estar na banda dele. Diga-me como foi perder o Ronnie.

Doug: Eu vi que o HEAVEN & HELL tinha shows marcados para 2010 e pensei que ele estivesse melhor – foi isso que tornou a coisa tão difícil. Eu mantinha contato com o Ronnie mais para falar sobre esportes do que sobre música. Ele amava o New York Giants. Era temporada de jogos quando ele adoeceu. Ele me pediu para fazer uma turnê no final de 2009. Eu disse que se ele pedisse ao David e ele concordasse seria um prazer. Quando ele adoeceu, eu tentava conversar com ele sobre coisas divertidas, como futebol e tal, ao invés de sobrecarregá-lo com perguntas sobre a saúde dele. Eu só perguntava como ele estava e ele dizia, "Essa coisa é um pé no saco mas estou melhor". Eu recebi uma mensagem quando estava fora me dizendo que ele estava muito doente e eu liguei para a Wendy [Dio] na mesma hora e ela me disse que ele não ia agüentar. Eu disse "Estou voltando amanhã. Você acha que ele agüenta até amanhã?" Ela disse "Ele definitivamente quer te ver mas você tem de vir." Eu estava tão preocupado que falei para minha esposa para pegar o bebê e fui ver o Ronnie. Eu agradeço tanto por ter feito isso. Ela disse a ele que nós o amávamos e ele piscou para ela e então sabíamos que ele tinha entendido. Eu não cheguei a dizer adeus pois ele faleceu antes que eu conseguisse chegar lá. Foi uma enorme perda para o metal. Eu tenho muita sorte de tê-lo conhecido e passar um tempo com ele, além de tocar música com ele. Uma vez nós fomos a um bar próximo porque eu queria ver um jogo dos Eagles. O Ronnie foi comigo. Um colega dele de longa data chamado Willie se juntou a nós e tinha um cara grandão que era algum tipo de ator, e ele torcia para o outro time e ele não me deu sossego. Ele ficava fazendo comentários rudes e o Ronnie ficou puto. Daí o Ronnie se levantou e ficou cara a cara com esse grandalhão. Eu fiquei tipo, "Puta merda". Nós fomos expulsos do lugar, mas olha só que legal, o Ronnie veio e me defendeu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Leia a entrevista na íntegra no Classic Rock Revisited.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Hard Rock: as bandas que deram origem aos heróis do gênero



Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá.