Tracii Guns: por que sua banda com Nikki Sixx acabou?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site Big Music Geek, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

TODD NEWTON, do site BIG MUSIC GEEK [EUA], entrevistou o decano da cena hard rock angelena TRACII GUNS [L.A. GUNS, BRIDES OF DESTRUCTION], e não teve pudor algum ao abordar todos os melindres e tretas que acabaram por marcar a carreira de Tracii. Seguem abaixo alguns trechos da [longa] entrevista, disponível na íntegra no site original.

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookSaúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Todd: Pra quando os fanáticos por L.A. Guns podem esperar ouvir o álbum que o grupo gravou com Marty Casey (do programa rock Star: INXS, Lovehammers)? Os rumores têm sido muito persistentes desde que o processo de gravação começou.

Tracii: "Aquele disco é inacreditavelmente fudido, mas o problema era o cara que nos levou lá [a gravadora Alexus Records, sediada em Toronto, no Canadá]. Esse cara tem um coração de ouro e uma carteira ainda maior que seu coração. Ele nos levou pra lá e construiu um estúdio state-of-the-art, mas tinha muito drama com esse cara. Ele era meio que aquele cara no ginásio que trazia uma pizza todo dia. Tinha cinco pedaços de pizza e se você não aguentasse tudo que ele fizesse, ele comia a pizza inteira. Ele era um bebezão rabugento. Ele não sabia de nada sobre a indústria musical e achava que ele podia simplesmente comprar tudo que ele precisasse pra lançar o disco. Eu tentei explicar a ele que é um pouco mais complicado que isso, entende? Eu disse a ele que ele deveria dar ouvido a algumas pessoas e ter alguns conselhos ao invés de tacar todo esse dinheiro num poço. Mas ele não me ouviu. Ele não queria conselho algum e eventualmente terminamos o disco e saímos em turnê. Enquanto isso, o disco tá lá parado, entende?

Quando o verão seguinte chegou e eu precisava sair em turnê, eu conversei com Marty e disse, 'olhe, nós precisamos dar um jeito nisso porque nós não estamos promovendo um disco esse ano'. Naquela altura, tudo já tinha sido deixado em banho maria e eu tive que andar pra frente com o L.A. Guns. Eu coloquei o Jizzy de volta na banda e o lance da [gravadora de Steve Vai] Favored Nations apareceu em minha vida. No fim das contas, se aquele disco fosse lançado algum dia, não seria nem um disco do L.A. Guns porque não é um disco do L.A. Guns de maneira alguma. Eu realmente espero que algum dia possamos lançar aquele disco porque é realmente bom, é realmente diferente pra mim. Ele soa mais moderno por motivos óbvios. É bom mas eu tenho um pressentimento de que ninguém vai ouvi-lo (risos)."

Todd: Vendo do lado de dentro, a situação com [o ex-vocalista] PAUL BLACK é tão louca como parecia?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tracii: "Pra mim não. Ele fez algo errado e eu o despedi. Ele é um chorão e é isso, entende? [risos] Não havia loucura, apenas estupidez. É o que aconteceu da primeira vez, então eu devo ser louco porque a definição de insanidade é fazer a mesma coisa duas vezes, esperando resultados diferentes... e eu fiz duas vezes, com os mesmos resultados (risos). Uma das coisas mais estranhas, boas e degradantes que aconteceram a ele foi quando fizemos o primeiro [festival de rock] Rocklahoma. Conseguimos cobertura pesada na Rolling Stone e na Spin, assim como muitas outras bandas, e ele levou aquelas coisas a sério onde ele começou a acreditar que ele era esse personagem tipo Mick Jagger. Eu acho que é normal para um frontman ter esse tipo de autoconfiança, mas as expectativas de megalomania e visões de grandeza... Ele era realmente um candidato pra ala psiquiátrica com aquele lance. Ele acha que o mundo gira por causa da música que ele contribuiu, mas a propósito, ele na verdade não fez tanta música assim que eu saiba (risos). Ele acredita nisso, mas hey, se funciona pra você, beleza. Eu simplesmente não tenho mais que lidar com ele, o que é bom. Ele contribuiu um pouco no começo e há um CD demo que ele lançou chamado "The Blacklist". Há algumas canções [do disco L.A. Guns] ali, mas não as mesmas músicas, entende? Talvez hajam algumas melodias. "One Way Ticket" eu acho que copiamos inteira, mas todas essas são coisas que ele teve chance de escrever em cima de músicas que eu já tinha feito... Na cabeça dele, ele escreveu Led Zeppelin com Robert Plant (risos)."

Todd: Já faz mais de cinco anos que o primeiro disco do BRIDES OF DESTRUCTION foi lançado. Mesmo sem o envolvimento ou o apoio de Nikki [SIXX, baixista do MÖTLEY CRÜE], sob as circunstâncias certas, você consideraria reformar o BRIDES OF DESTRUCTION?

Tracii: "Se fosse pra acontecer, provavelmente só haveria a minha participação (risos). E algumas vezes eu penso nisso porque eu realmente curto [o vocalista] London Legrand e [o baterista do ADEMA] Scott Coogan e eu gosto do Nikki. Eu acho que Nikki jamais faria aquilo de novo. Foi meio duro pro Nikki. Eu acho que ele tinha essa ideia romantizada de 'essa é a banda de punk rock legalzona que eu sempre quis', entende? Uma das coisas que ele realmente queria fazer quando o disco saísse era tocar no [lendária casa noturna dedicada ao rock em Nova Iorque] CBGB porque ele nunca tinha conseguido fazer aquilo antes. Eu ficava dizendo pra ele 'Hey, eu não quero estragar sua viagem, mas quando chegarmos lá, você vai ficar bem desapontado e decepcionado' e ele dizia 'Não, você não me conhece muito bem' e eu disse 'Sim, eu te conheço muito bem'. Eu acho que foi o dia mais miserável da vida dele quando tocamos no CBGB. Primeiro, é em Nova Iorque, então quando chegamos lá, ficamos com o cara da gravadora nos arrastando pra toda aquela coisa típica de TV, como [o programa] Fuse, e daí mais umas sessões de fotos, entende? Apenas um dia comum de relações públicas e ainda tínhamos que passar o som no CBGB. Ele já estava de mau humor na hora que chegamos ao CBGB para passar o som e ele ficou numas de 'eu preciso de menos voz no meu monitor' e nosso técnico de som dizia 'só tem um mix de linha. Se baixarmos a voz, daí então o London não vai conseguir se ouvir'. Daí ele dizia 'Oh, saquei. Mas você não consegue separar em dois?' e o cara da técnica dizia 'Não, é um mix em mono'.

Então Nikki não estava muito animado com isso e outra coisa era que não havia coxia alguma lá e Donna [D'Erico], sua esposa na época, estava lá e tudo no qual ele conseguia pensar era 'Oh meu deus! As pessoas vão ficar pegando nela', então eu acho que aquilo ficou na mente dele o tempo todo enquanto estávamos tocando. E estava ridiculamente lotado lá, então da frente do palco até metade do bloco da porta de entrada estava lotado, entende? E Donna estava ali de pé, ao lado do palco, e eu só lembro de ao longo de todo o show Nikki ficar olhando pra ela tipo 'Oh merda! Você está bem?'. Então foi um show pesado pro Nikki, claro. Ele não está acostumado a ralar em bares e ter as pessoas sendo tão acessíveis a ele. Eu não consigo enxergar ele fazendo algo assim nunca mais. Essa é a diferença entre o Brides e o Sixx:AM. O Sixx:AM não toca ao vivo a menos que seja um festival ou algo do tipo, porque eu não acho que ele curta isso nem um pouco."

Para ler a entrevista complete [em inglês], visite:
http://www.bigmusicgeek.com/LAGuns1.html




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "L.A. Guns"Todas as matérias sobre "Brides Of Destruction"Todas as matérias sobre "Nikki Sixx"


Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy LeeMotley Crue
As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy Lee

Nikki Sixx: Scott morreu no meu ônibus e estava dormindo na mesma cama que euNikki Sixx
Scott morreu no "meu ônibus e estava dormindo na mesma cama que eu"


Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook

Saúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentaisSaúde
Mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline