Glenn Hughes: "o espírito de John Bonham estava conosco"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma nova entrevista com GLENN HUGHES, feita pelo Nightwatcher's House Of Rock, o lendário ex-DEEP PURPLE/BLACK SABBATH discute sua recente apresentação como líder do BLACK COUNTRY COMMUNION, que também traz o guitarrista JOE BONAMASSA, o baterista Jason Bonham (UFO, FOREIGNER, LED ZEPPELIN) e o tecladista Derek Sherinian (DREAM THEATER, ALICE COOPER, BILLY IDOL). Segue abaixo um pequeno trecho da conversa.

Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Nirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nightwatcher's House Of Rock: Falando em termos de letra, quais músicas no álbum te deixam mais orgulhoso?

Glenn Hughes: "The Great Divide". Eu poderia te falar que é o disco inteiro. Vamos só falar disso. "Black Country", simplesmente porque eu digo que "Eu sou o mensageiro, essa é minha profecia... Estou voltando ao País Negro". Quando eu canto isso significa que estou indo ao cerne do meu ser, aonde eu nasci, no País Negro. O País Negro, para todos objetivos e propósitos, significa a terra natal do hard rock. PURPLE, ZEPPELIN, JUDAS PRIEST, todas essas bandas nasceram lá. Então eu estou realmente... "Eu falo com milhões, de cidade a lugarejo... viemos da terra do coração... nós caminhamos pelo fogo... nós chegamos à medida... uma linha na areia... é frio na montanha... e essa é nossa terra..." Eu tenho arrepios, porque eu realmente estou de pé e fincando a bandeira de uma banda de rock n' roll. Eu nunca escrevi uma letra tão forjada em granito. Isso é Rock. "One Last Soul" é uma música vencedora. É para vencedores. Sabe, "Você é a última alma, você pode vencer." Basicamente e uma música para vencedores. É algo que eu realmente não escrevo muito a respeito. O Rock'n'Roll deve ser negro, e rígido. Mas também é um raio de luz para as pessoas que querem vencer. "The Great Divide" para mim é provavelmente a música mais espiritual no disco porque eu estou dizendo às pessoas que eu estou de volta. Que eu encontrei meu caminho de volta àquele topo da montanha e que estou na grande encruzilhada. Estou procurando pela América, estou vendo algo que é belo. Estou aqui. Estou de volta e é bom. Estou aqui com meus amigos. Estou dizendo que não acredito em superstições e que vou deixar minha consciência ser meu guia. Basicamente é uma música de momento. É uma grande música. É tudo o que eu queria que fosse.

Nightwatcher's House Of Rock: Muita atenção tem sido dada até então aos seus vocais, nas faixas que foram vistas até então, e são muito precisos, são extremamente bem feitos. Mas seu baixo está incrivelmente bem tocado. Você se acerta muito com o Jason nesse álbum, e tem um embalo forte que move as músicas de uma maneira muito orgânica, que não é forçado, parece muito natural. Como é trabalhar com o Jason nesse álbum, depois de conhecê-lo por praticamente a vida toda dele.

Glenn Hughes: Aí é que está. Eu toquei com todos os grandes bateristas do rock. Eu toquei com o pai do Jason. Então aqui estou eu, 40 anos depois, tocando com o filho dele. Eu conheço o Jason antes mesmo de ele se lembrar de mim. Eu fui o "Tio Glenn" desde sempre. Agora eu tenho a chance de cuidar do filho do John. Sou muito protetor com relação ao Jason. Temos um laço de família muito forte por causa do pai dele. Ligar-me ao Jason... A primeira música que gravamos "Stand (At The Burning Tree)" logo no primeiro dia. Quando vimos, e ele veio tocando em ½, foi tipo, "Ok, deve ser assim". Ele é um garoto muito musical. Ele te desafia absolutamente. E eu adoro um bom desafio. Eu também adoro o fato de que podemos concordar em discordar (risos). Por exemplo, tem uma música no disco chamada "No Time". Eu escrevi ela na metade da marcação que você a escuta. No fim da sessão o Jason simplesmente começou a tocar, pegou o ritmo e passou para 40 bps acima do que eu fiz. Eu fiquei furioso a princípio. Eu fiquei tipo "Como você pode fazer isso?" Mas quando você escuta do modo que ele toca, é como, "Ok, você tem razão". Essa é uma banda onde desafiamos uns aos outros. Não é só chá com biscoitos. Nós somos quatro pessoas impetuosas. Então isso também aparece.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nightwatcher's House Of Rock: Com o estilo dele de tocar bateria sendo tão semelhante as vezes com o do pai dele, alguma vez pareceu que o espírito de John estava olhando a gravação?

Glenn Hughes: Eu disse que o pai dele estava lá. Não se esqueça, eu acredito nas mãos do destino, e carma, e os aspectos budistas das coisas, sobre não haver erros no mundo. Tudo que aconteceu deveria acontecer. Eu acredito que o espírito de John estava conosco. Eu tenho de acreditar nisso, nessas coisas boas. Sabe, eu conheci um John Bonham diferente do que a maioria das pessoas lê a respeito, o John maluco. Eu conhecia a família do John. Eu conheci o cara que cavava o chão da casa dele e coisas assim. Então é esse de quem falamos. O pai do Jason estava conosco nessa gravação. Ele está conosco todos os dias. O John está conosco o tempo todo, e é assim que gostamos de pensar. Jason e eu passamos muitos momentos falando sobre isso. É uma coisa muito bonita e eu sou muito protetor com relação a ele.

Leia a entrevista completa no Nightwatcher's House Of Rock.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Black Country Communion"Todas as matérias sobre "Led Zeppelin"Todas as matérias sobre "Deep Purple"Todas as matérias sobre "Glenn Hughes"Todas as matérias sobre "John Bonham"


Geddy Lee: Jimi Hendrix e Led Zeppelin são intocáveisGeddy Lee
"Jimi Hendrix e Led Zeppelin são intocáveis"

Top 6: Reggaes feitos por roqueirosTop 6
Reggaes feitos por roqueiros


Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Classic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80

Nirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivoNirvana
Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivo


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280