Halford: pessoas de 15 a 50 anos batendo cabeça no Ozzfest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Paccelly, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O líder da banda HALFORD e ex-JUDAS PRIEST, Rob Halford, foi entrevistado recentemente pelo Metal Exiles. Parte da conversa pode ser lida abaixo.

Pink Floyd: o maior concerto de rock já produzidoLGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal Exiles: Como está sendo o Ozzfest para você? Você está se divertindo?

Halford: Sem dúvidas. Eu acredito que o Ozzfest ainda é um evento significativo. Como você sabe, toda a idéia por trás do Ozzfest é que Sharon e Ozzy perceberam que Ozzy é um cara famoso, e como muitos de nós foi sortudo por ter conquistado uma carreira longa e bem sucedida, e isso não é uma coisa simples de conquistar. Não é fácil. Existem várias pessoas envolvidas nessa jornada. Pessoas como você, os jornalistas de música, televisão, e sem mencionar os maravilhosos fãs que nos permitem continuar fazendo isso. Foi com isso em mente que eles elaboraram o festival. É apenas uma forma de retribuir um pouco para a comunidade do metal, como eu sempre chamo, e eu estou contente por ver que a integridade não foi perdida. Ozzy ainda se mantém fiel ao seu coração e ao que ele queria que o Ozzfest fosse. Existem tantas bandas bem sucedidas, é claro, mas existem algumas bandas jovens no palco principal como NONPOINT e FIVE FINGER, DEATH PUNCH. Esses caras estão apenas começando suas carreiras, apesar de estarem na estrada há algum tempo. Então há talentos tremendos no segundo palco também. Bandas como SKELETONWITCH, GOATWHORE e EXODUS, que são algumas das bandas na turnê. Todos, aliás, tem sido simplesmente incríveis. Tem sido uma turnê fantástica até o momento.

Metal Exiles: Sabe, o que eu gosto do Ozzfest é que você não precisa se encaixar em nenhum cenário particular para estar lá. Há uma boa mistura de estilos diferentes com o fator de peso em comum, e não há velho e novo, todos se divertindo juntos, como deveria ser.

Halford: É esse tipo de união que o Ozzfest estimula. É como ver um jogo de basquete de times como Orlando ou Miami, e ver todas aquelas gerações diferentes de fãs, jovens e velhos, apenas torcendo, não só para a sua equipe favorita, mas também apenas pela emoção e experiência. Esse é bem o caso do Ozzfest. Como eu disse, é uma comunidade do metal, onde você tem pessoas com histórias de vida diferentes. Alguns recebem salário mínimo; outros podem ser presidentes do conselho, mas quando você está em um show de metal, especialmente como o Ozzfest, tudo isso não importa. Essas diferenças são diluídas porque vocês estão lá por uma experiência comum. É maravilhoso que caras como Ozzy, eu e os caras do CRUE (MOTLEY CRÜE), que puderam estar no ramo por todas essas décadas e vê-los crescer como cresceram. É perfeitamente aceitável ser um jovem de 15 anos do Metal e estar lá batendo cabeça fazendo hang loose ao lado de um roqueiro de cinqüenta anos de idade ao seu lado.

A entrevista completa (em inglês) está disponível no site:
http://www.metalexiles.com/int14.html




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Rob Halford"Todas as matérias sobre "Judas Priest"Todas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"


Ozzy Osbourne: Madman revela pacto de suicídio com esposa SharonOzzy Osbourne
Madman revela pacto de suicídio com esposa Sharon

Orange.co.uk: site lista os rockstars mais controversosOrange.co.uk
Site lista os rockstars mais controversos


Pink Floyd: o maior concerto de rock já produzidoPink Floyd
O maior concerto de rock já produzido

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuaisLGBT
Confira alguns músicos que não são heterossexuais


Sobre Nathália Paccelly

Nathália Paccelly é brasiliense e jornalista. Nascida em 1989, foi apresentada ao Rock ainda no colégio por intermédio dos colegas que formavam bandas. Isso a estimulou a aprofundar seu conhecimento a respeito da música, possibilitando que adquirisse um gosto próprio. "Metal, Power Metal, Hard Rock, Heavy Metal, Trash Metal, Progressive Metal... gosto de todos, aprendi a ser eclética dentro do rock!" Ainda adolescente, escrevia sobre bandas iniciantes e divulgava em seu fotolog. A prática da escrita motivada pela música a ajudou a escolher sua profissão, e é agregando as duas paixões que decidiu colaborar com o site. "A ideia de ter minhas matérias publicadas neste veículo, para este público, é incrivelmente gratificante". A autora também está no twitter: @NatchyPaccelly.

Mais matérias de Nathália Paccelly no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor