Matérias Mais Lidas

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemAndreas Kisser pede doação de sangue para sua esposa Patricia

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemDave Mustaine quis tirar foto com moça que usava vestido do Megadeth, mas...

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers

imagem"Ninguém imaginava que o Metallica seria maior que o Iron Maiden", diz Scott Ian

imagemDave Mustaine diz que perdoa Ellefson, mas nunca mais fará música com o baixista

imagemNoel Gallagher sobre sua preferida do Pink Floyd: "Adoraria conhecer Roger Waters"

imagemRaimundos: Digão acusa Instagram de censura após poucas curtidas em post

imagemAC/DC: Angus Young comenta a capa de "Highway to Hell" e a morte de Bon Scott

imagemRafael Bittencourt, do Angra, explica por quê está usando unhas postiças


In-Edit

Rhestus: entrevista com o vocalista e guitarrista Alex

Por Ben Ami Scopinho
Em 11/08/10

Rhestus: "... música intensa e cabeças batendo, como os mestres ensinaram..."

Alex
Alex

Marcos
Marcos

Richard
Richard

Thiago
Thiago

A fúria de sua música, a energia sobre os palcos e a simpatia de seus integrantes faz do Rhestus um dos primeiros nomes lembrados quando se fala em Thrash Metal catarinense. E os últimos tempos não foram fáceis, pois, mesmo com seu segundo álbum, "Games Of Joy… Games Of War!", pronto para ser lançado, somente o vocalista e guitarrista Alex Fantasma topou seguir adiante com a banda.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Assim, a nova encarnação do Rhestus agora conta também com Tiago (guitarra), Richard (baixo) e Marcos (bateria), e o Whiplash! conversou com o dedicado Alex acerca de todas as mudanças, novo disco, cenário musical e muito mais, na entrevista a seguir.

Whiplash!: Olá Alex, é um prazer falar contigo. O Rhestus passou por grandes mudanças nos últimos tempos, com três integrantes, inclusive um fundador, deixando seus postos depois de anos atuando no grupo. Afinal, o que ocasionou esta debandada generalizada?

Alex: Olá Ben, agradeço também o seu contato e disponibilidade. Sim, estamos ficando craques em mudanças, hehehe. A debandada generalizada foi gerada por vários motivos, não entrarei em detalhes maiores, mas cito o desgaste pelos anos que viajamos para ensaiar, reuniões, etc, a vida pessoal de cada um tomando outros rumos e prioridades, e a questão financeira sempre bem delicada, visto que nossos trabalhos até o momento foram independentes. Com tudo isso reunido, o pessoal, mesmo com o álbum novo, começou a desanimar e daí foi fácil acontecer.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Whiplash!: Alex Fantasma é o que 'restou' do Rhestus. Não seria equivocado dizer que você praticamente está começando do zero... Como você está se adaptando a esta nova fase, divulgando um novo disco, novos membros e tendo a cidade de Indaial como base?

Alex: Sim, sou o restus do Rhestus, hehehe. Não é equivocado pensar assim, analisando todas essas mudanças, mas eu estou aqui por causa da Rhestus antiga e a banda não existiria sem essa galera que passou por ela, outros membros, mas é a mesma banda. Quanto a minha adaptação, eu realmente vi o fim da banda, mais frustrante ainda por possuir um álbum pronto para ser lançado.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Alex: Mas hoje vejo a banda fortalecida novamente, pois antes da saída coletiva vínhamos decaindo com vários problemas paralelos interferindo na banda, como cancelamento de ensaios, etc. Hoje é diferente, além de eliminarmos quase por completo o problema da longa distância entre os integrantes, o compromisso tem sido uniforme. Ainda estou me adaptando, mas estou no pique deles, e hoje toda essa mudança drástica foi benéfica, pois um novo sangue e energia foram inseridos. Indaial foi conseqüência, eu moro lá.

Whiplash!: O repertório de "Games Of Joy… Games Of War!" já estava gravado e mixado desde o final de 2008, certo? Como você definiria este disco, há diferenças significantes se comparado com o que o Rhestus soltou no passado?

Alex: Sim e não! Na concepção geral ele está mais amarrado, consistente, e isso eu atribuo a formação ter permanecido intacta por, pelo menos, cinco anos. Outra questão é a experiência adquirida pelos trabalhos anteriores, os novos recursos disponíveis de gravação e uma evolução musical, tanto geral como particular. Só que, se ouvir uma música antiga e nova seqüencialmente, verás que é a mesma banda, estamos mais maduros.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Whiplash!: Sabe, achei muito bacana você levar adiante a bandeira do Rhestus, mesmo não sendo o fundador, assim como manter no encarte do CD a foto dos velhos companheiros. É bom saber que todos permanecem como bons amigos...

Alex: Sim, somos bons amigos, ainda nos vemos e bebemos algumas quando possível. Levar a bandeira da Rhestus adiante foi uma questão de honra, queria pelo menos lançar o álbum. Não me conformava em morrer na praia desta forma. Tínhamos que continuar de alguma forma. Mas minha luta não foi isolada, tive apoio dos ex-integrantes, do pessoal que estava aos poucos entrando, alguns amigos, alguns apreciadores da banda e principalmente de minha noiva, ela foi responsável por 80% da minha motivação em continuar. Hoje vejo que valeu a pena.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Whiplash!: Não é segredo que alguns dos antigos membros do Rhestus não aprovaram totalmente o áudio de "Embryo Of The Endless Sands" (03). E como avaliam a gravação de Deny Bonfante (Perpetual Dreams), além da mixagem e masterização de Alexei Leão (Stormental)? O som do novo álbum correspondeu às expectativas?

Alex: Sim, ouvi-lo hoje é diferente do que na época. Mas para mim ele é ótimo, fucking metal, está bem tocado, ouve-se todos os instrumentos e os timbres também soam bons. Mas sabemos que ele tem suas limitações, é algo natural, visto nossos recursos para concretizá-lo na época. O trabalho atual soa melhor no contexto geral, pois o processo melhorou, nós evoluímos, temos acesso a ótimos estúdios e técnicos de som. A gravação, como um todo, avaliamos como excelente, assim também o trabalho feito pelo Deny e Xei. Eles nos ajudaram bastante e sabiam que queríamos o melhor, não importasse o tempo que levaria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash!: A ilustração da capa de "Games Of Joy… Games Of War!" ficou aos cuidados de Jobert Mello (Shadowside, Soulriver). Trabalho ultra-realista! Até onde o Rhestus se envolveu em sua concepção?

Alex: A idéia toda partiu da letra que é a faixa-título. Não queríamos algo desenhado como no Embryo, queríamos algo mais realista e direto. O Jobert captou bem a idéia central da letra e praticamente na primeira mostra já gostamos e daí foi tranqüilo sugerir mudanças e outros detalhes até chegar ao oficial.

Whiplash!: Como o Rhestus encara o atual cenário metálico nacional, e que esforços estão sendo feitos para conseguirem competir com a grande quantidade de boas bandas que estão aparecendo por aí?

Alex: Encaro o cenário bem maior e forte do que anos atrás, há mais estrutura, divulgação e público. Existem inúmeras bandas, inúmeras vertentes, e o profissionalismo e reconhecimento melhorou. Mesmo assim, ainda temos alguns problemas antigos como o radicalismo, desunião e dinheiro; e outros novos como os MP3 da vida e o ‘Metal Plastificado’, feito somente para fins comerciais. A competição tem o lado positivo, pois te força a não se acomodar, mas por outro lado é injusta, pois como toda competição, há mentiras, favorecimentos, políticas sujas, etc.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Alex: A Rhestus têm um limite, pois não vivemos da banda, mas tentamos acompanhar as tendências tecnológicas e lutamos pelas necessidades básicas que uma banda necessite. Atualmente contratamos uma assessoria para nos ajudar e tem sido ótimo, tentar produzir materiais com mais qualidade e se concentrar na qualidade das músicas, tanto antigas como as novas. Buscamos por parceiros como a GSHOST que gerencia nosso site e a Brutal Wear que nos confeccionou a camisa oficial, entre outros, os ensaios são atualmente feitos em estúdio profissional, entre outros itens. Temos conseguido atingir os objetivos. Fazemos também algumas reuniões regadas com torresmo e cerveja e dividimos as atividades da banda. Mesmo com isso tudo, falta mais tempo e outras coisas a fazer, hehehe.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Whiplash!: Como está a agenda de shows e a recepção por parte do público?

Alex: A agenda iniciou bem, de repente tudo começou a não acontecer. Agora para o 2º semestre temos melhores expectativas, sempre funciona melhor que o primeiro, já temos algumas datas confirmadas e outros convites. O importante no momento e tocar em cidades que nunca tocamos ou fomos poucas vezes. Curtimos muito tocar ao vivo, para nós é uma festa! Temos boas audiências nos locais por onde passamos e a receptividade também é ótima. Encaramos um show de metal como deve ser, música intensa e cabeças batendo, como os mestres nos ensinaram. Não podemos reclamar, mas temos que ir além, para outros cantos do país e fora dele se possível.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Whiplash!: Sua linha musical segue claramente as raízes do Thrash Metal, estilo que se desenvolveu e deu origem a outros subgêneros ao longo dos anos. Como você vê o Thrash atual e o que esperar do Thrash no futuro?

Alex: Sim, o Thrash é nossa principal fonte de inspiração, desde a formação antiga, como a atual. Temos também outros gostos dentro do Metal e na música, isso tudo misturado resulta na Rhestus. O Thrash atualmente vive um grande momento, mas não é o mesmo dos anos 80. Primeiro que são períodos diferentes, outra época, outra razão para se expressar. Hoje tudo é mais comercial, e o Thrash não fugiu disso, claro, ele sempre vai ser forte e existir, mas passará sempre por novas transformações e terá sempre os barrigudos como eu, gritando "Kill The Posers", hehehe. Ele vai enfraquecer novamente, e quando o Metal em geral se cansar de alguma moda nova, ele surgirá novamente. É um ciclo, assim como a vida e a morte.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Whiplash!: Pode ser meio cedo, mas já deu para sacar de que forma a nova formação influenciará na sonoridade do Rhestus a partir de agora?

Alex: Sim, ainda estamos caminhando para isso. Mas já temos trabalhado juntos no que será o próximo álbum. O importante é que a nova formação está consciente da banda que entraram e que lhe servirá de rumo. Como eu participo ativamente nas composições, desde a segunda demo até hoje, não será totalmente radical a mudança, mas também não será igual ao "Embryo" ou "Games", até porque trabalhamos sempre em ir um pouco mais além, independente da galera que está tocando. Mas vamos aguardar, só o tempo dirá.

Whiplash!: Beleza, Alex. O Whiplash! agradece pela entrevista, desejando boa sorte nessa nova fase do Rhestus. Fique a vontade para os comentários finais...

Rhestus: Agradeço a você, Ben, pela disponibilidade e a toda equipe do Whiplash! que tem se mostrado parceira do Metal Nacional e do público brasileiro, pois tem trazido em primeira mão notícias frescas do Universo Metálico. Quero também agradecer a todos os parceiros de longa data que acompanham a Rhestus ao longo dos anos. Obrigado!

Contato:
http://www.rhestus.com.br
http://www.myspace.com/rhestus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.