Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemSummer Breeze Open Air Brasil acontece em abril de 2023 em São Paulo

imagemLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Stamp

Don Dokken: anos 80, groupies e vida em família

Por Ligia Fonseca
Fonte: Knac.com
Em 18/09/08

Charlie Steffens, do site KNAC.COM, entrevistou Don Dokken em setembro de 2008.

KNAC.COM: Vocês tinham mulheres lindas à sua disposição todas as noites nos anos oitenta, não é mesmo?

Dokken: "É verdade, tínhamos. E eu tinha muitas mulheres porque era o vocalista meio andrógino com cara de bebê e as garotas diziam 'Nossa, trepo com você agora'. Eu pensava: 'Você nem sabe quem sou, só conhece o cara do videoclipe. Você não sabe como sou, quem sou, que tipo de pessoa sou'. Não importava. Em algum momento você pensa que elas só são vadias e pu**s, acorda um dia e diz 'Não, eu sou a vadia, eu sou a p**a'. Você acorda e percebe que a vida é mais do que isso. Virou um tédio. Antes era uma brincadeira para o ego. Meus filhos nasceram depois da turnê 'Monsters of Rock'. Tenho um menino e uma menina, e tudo mudou. Todo o mundo parecia diferente. Eles são inocentes e você enxerga através dos olhos deles. É a história comum: você quer ir ao 'The Rainbow' sexta-feira à noite quando eles têm sete anos ou à reunião de escoteiros? Parece brega, clichê e doméstico, mas essa é a vida real. Meu filho chega na próxima semana para passar um tempo comigo na estrada e estou totalmente empolgado com isso. Estou empolgado em conhecer mulheres fáceis no backstage? Não. Estou empolgado em ter meu filho comigo por uma semana. Ele acabou de fazer 20 anos e tirou brevê ontem. Então, vamos comemorar. Depois que ele voltar pra casa, minha filha vem por uma semana. Assim é a vida".

KNAC.COM: Foi devastador, para você, para dizer o mínimo, ver sua banda se despedaçar. Como você lidou com isso?

Dokken: "Fiquei com raiva quando o DOKKEN se desfez. É a história da minha vida e fui fazer terapia. Eu dizia: 'Minha vida está f***da agora'. O Nirvana surgiu e pensei 'Bem, foi uma boa trajetória. 10 anos. Acabou'. Descansei por três anos, coloquei minha cabeça no lugar e disse: 'Bom, vou seguir em frente, vou continuar lutando e gravando álbuns. É o que faço. Não vou viver com raiva, pois isso te deixa velho, pálido, cansado e amargo. Nada bom resulta disso".

KNAC.COM: Como é o público típico na sua turnê atual com o POISON?

Dokken: "Estou rindo, porque notei que há muitas pessoas no show que parecem não conhecer as músicas do POISON. Eles não são super fãs do gênero. Muitos deles vêm porque querem ver o [vocalista do POISON] Bret Michaels do Reality Show 'Rock of Love'. Todas essas mães gostosas, quarentonas, gritando 'Bret Michaels, Bret Michaels!' E usando um chapéu de cowboy. Você não consegue ver se elas estão se divertindo, gostando do show e do DOKKEN. Tem havido um público muito estranho e interessante de mulheres. Estou acostumado a subir ao palco e ouvir o rugido, e agora subo e escuto esse grito agudo. É impressionante. É como estar em turnê com David Cassidy. Deus abençoe o Bret, estou contente que ele tenha encontrado todo esse sucesso. Realmente estou feliz por ele, mas você tem que rir neste ponto de nossa carreira e dizer 'Garotas, vocês não entendem, não é?' Elas só querem ver o David Cassidy lá em cima. Bret se reinventou como estrela de Reality Show e está compensando para ele e para o POISON. É uma curiosidade... não sei o que é. Esse programa fez uma geração de pessoas que nunca tinham ouvido falar do POISON prestarem atenção na banda".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guitarra: dez canções mais difíceis pra quem tem mãos pequenas

Ozzy Osbourne: George Lynch chorou após ser dispensado da banda



Sobre Ligia Fonseca

Tradutora, formada em Jornalismo pela PUC-SP, resolveu mudar de carreira quando percebeu que gostava mais de traduzir do que de escrever textos. Descobriu o rock aos 5 anos, ao assistir o clipe de "I Love it Loud" do Kiss.

Mais matérias de Ligia Fonseca.