[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Stamp

Don Dokken: anos 80, groupies e vida em família

Por Ligia Fonseca
Fonte: Knac.com
Postado em 18 de setembro de 2008

Charlie Steffens, do site KNAC.COM, entrevistou Don Dokken em setembro de 2008.

KNAC.COM: Vocês tinham mulheres lindas à sua disposição todas as noites nos anos oitenta, não é mesmo?

Dokken: "É verdade, tínhamos. E eu tinha muitas mulheres porque era o vocalista meio andrógino com cara de bebê e as garotas diziam 'Nossa, trepo com você agora'. Eu pensava: 'Você nem sabe quem sou, só conhece o cara do videoclipe. Você não sabe como sou, quem sou, que tipo de pessoa sou'. Não importava. Em algum momento você pensa que elas só são vadias e pu**s, acorda um dia e diz 'Não, eu sou a vadia, eu sou a p**a'. Você acorda e percebe que a vida é mais do que isso. Virou um tédio. Antes era uma brincadeira para o ego. Meus filhos nasceram depois da turnê 'Monsters of Rock'. Tenho um menino e uma menina, e tudo mudou. Todo o mundo parecia diferente. Eles são inocentes e você enxerga através dos olhos deles. É a história comum: você quer ir ao 'The Rainbow' sexta-feira à noite quando eles têm sete anos ou à reunião de escoteiros? Parece brega, clichê e doméstico, mas essa é a vida real. Meu filho chega na próxima semana para passar um tempo comigo na estrada e estou totalmente empolgado com isso. Estou empolgado em conhecer mulheres fáceis no backstage? Não. Estou empolgado em ter meu filho comigo por uma semana. Ele acabou de fazer 20 anos e tirou brevê ontem. Então, vamos comemorar. Depois que ele voltar pra casa, minha filha vem por uma semana. Assim é a vida".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

KNAC.COM: Foi devastador, para você, para dizer o mínimo, ver sua banda se despedaçar. Como você lidou com isso?

Dokken: "Fiquei com raiva quando o DOKKEN se desfez. É a história da minha vida e fui fazer terapia. Eu dizia: 'Minha vida está f***da agora'. O Nirvana surgiu e pensei 'Bem, foi uma boa trajetória. 10 anos. Acabou'. Descansei por três anos, coloquei minha cabeça no lugar e disse: 'Bom, vou seguir em frente, vou continuar lutando e gravando álbuns. É o que faço. Não vou viver com raiva, pois isso te deixa velho, pálido, cansado e amargo. Nada bom resulta disso".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

KNAC.COM: Como é o público típico na sua turnê atual com o POISON?

Dokken: "Estou rindo, porque notei que há muitas pessoas no show que parecem não conhecer as músicas do POISON. Eles não são super fãs do gênero. Muitos deles vêm porque querem ver o [vocalista do POISON] Bret Michaels do Reality Show 'Rock of Love'. Todas essas mães gostosas, quarentonas, gritando 'Bret Michaels, Bret Michaels!' E usando um chapéu de cowboy. Você não consegue ver se elas estão se divertindo, gostando do show e do DOKKEN. Tem havido um público muito estranho e interessante de mulheres. Estou acostumado a subir ao palco e ouvir o rugido, e agora subo e escuto esse grito agudo. É impressionante. É como estar em turnê com David Cassidy. Deus abençoe o Bret, estou contente que ele tenha encontrado todo esse sucesso. Realmente estou feliz por ele, mas você tem que rir neste ponto de nossa carreira e dizer 'Garotas, vocês não entendem, não é?' Elas só querem ver o David Cassidy lá em cima. Bret se reinventou como estrela de Reality Show e está compensando para ele e para o POISON. É uma curiosidade... não sei o que é. Esse programa fez uma geração de pessoas que nunca tinham ouvido falar do POISON prestarem atenção na banda".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"

Jason Becker: O mais tocante desafio do balde de gelo

Strip-Tease: algumas canções que combinam com o tema


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ligia Fonseca

Tradutora, formada em Jornalismo pela PUC-SP, resolveu mudar de carreira quando percebeu que gostava mais de traduzir do que de escrever textos. Descobriu o rock aos 5 anos, ao assistir o clipe de "I Love it Loud" do Kiss.
Mais matérias de Ligia Fonseca.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS