Phil Anselmo: "sempre toquei guitarra nas bandas"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cintya Takahaschi, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Rick Florino da ARTISTdirect fez uma entrevista recentemente com Philip Anselmo (ARSON ANTHEM, DOWN, PANTERA, SUPERJOINT RITUAL), que falou, dentre outras coisas, sobre o processo de composição do EP do ARSON ANTHEM.

429 acessosPhil Anselmo: novo EP do Scour disponível na íntegra para audição5000 acessosBizarro & Absurdo: 12 Tristes Realidades da Música

ARTISTdirect: O ARSON ANTHEM é extremamente brutal, rude e honesto. As músicas são carregadas de uma intensidade que falta ao Punk e Hardcore modernos. Como é o processo criativo da banda? Como você compõe essas músicas?

Anselmo: "Eu enviei fitas cassete dos riffs que tinha em mente para III [Hank Williams III] e Collin, e dei outra cópia para Mike também. Após um mês ou dois, III veio com sua caminhonete à minha casa, com todo equipamento de gravação e a bateria. Compusemos a maioria das músicas durante aquela primeira noite. Todos já sabiam todas as partes da fita! No dia seguinte, compusemos o restante das músicas e experimentamos algumas idéias diferentes. No dia seguinte gravamos. Mike cantou na noite seguinte. III ficou no dia seguinte para que ele e eu fizéssemos uma pequena mixagem. Então ele foi embora. No final das contas, 'fisicamente', foram três dias para compor e gravar".

ARTISTdirect: O álbum parece licencioso e realmente livre. Foi uma gravação divertida?

Anselmo: "Sim. Havia uma atmosfera bastante intensa, mas extremamente calma ao mesmo tempo. Queríamos que a música capturesse uma sonoridade específica, mas até que isso acontecesse - e aconteceu -, foi gratificante. Sabíamos então que a música que estava sendo composta era tanto flexível quanto factível, e isto era tudo o que podíamos esperar. Éramos críticos com nós mesmos, especialmente Mike e eu. Éramos os mais velhos, havíamos seguido a cena Hardcore praticamente desde o início e vimos ela crescer e morrer. Assim como um punhado de bandas Hardcore atuais, sentíamos a necessidade de expressar nossa interpretação deste tipo de música, pois, para nós, é um elemento que faz muita falta na atual safra de bandas de dois acordes que basicamente imitam a imagem do THE EXPLOITED, mas falham completamente em impressionar 'verdadeiros' puristas com sua música".

ARTISTdirect: Você cresceu em New Orleans. Havia uma cena Hardcore forte lá quando você era mais novo? Ou você conseguiu mais inspiração em outras cenas da costa leste?

Anselmo: "Ambos. No começo dos anos 80, a cena underground de New Orleans era uma coisa incrível. Havia muitas bandas que tocavam todas as semanas e finais de semana. Era um fenômeno que crescia lentamente por todo o EUA — especialmente quando eu me mudei para o Texas, e a cena lá era tão próspera quanto. Mas, para ser totalmente honesto, a cena em New Orleans era muito mais interessante e influenciava muito mais. As bandas de New Orleans eram confessadamente influenciadas pela música da costa leste. De todas as bandas da área de New York, uma que eu posso citar como provavelmente a maior influência na música de New Orleans seria o CARNIVORE. Se você der uma olhada no currículo de Pete Steele, você verá que o nome dele é lendário na cena Hardcore de New York. Ele compôs muitas músicas boas para muitas bandas boas. O SHEER TERROR era ótimo também. Eles eram como uma mistura de CARNIVORE com THE RIGHTEOUS PIGS, que era uma banda insanamente incrível de Las Vegas".

ARTISTdirect: As linhas de guitarra têm uma velocidade quase Black Metal, e é super fechada. Foi bom poder se dedicar a tocar ao invés de cantar?

Anselmo: "Eu adoro tocar guitarra. Componho minhas próprias músicas na guitarra desde que tinha nove anos. Sou uma porcaria nos solos. Mas tenho meu próprio estilo, embora não tenha melhorado nada nas últimas duas décadas. Meu estilo é parecido com o AGNOSTIC FRONT, e mais livre quando necessário. Em músicas rápidas como 'Hammer Them Out', eu desço a mão, que é a forma correta de tocá-la. Os solos são um pouco repetitivos, mas quando uma música tem menos de dois minutos não sobra muito espaço mesmo. Ainda bem. Mas eu sempre contribuí com as partes de guitarra em todas as bandas que estive. Cantar e tocar sempre estiveram lado a lado para mim, amo as duas coisas igualmente".

Leia a entrevista completa (em inglês) no artistdirect.com.

O ARSON ANTHEM lançará seu auto-intitulado EP em 19 de fevereiro, pela Housecore Records, um selo criado por Anselmo com foco nos projetos paralelos de Phil e outros artistas nos quais ele acredita. A lista de faixas é descrita a seguir:

01. Year Of The Fork
02. Doomed Morale
03. Bunker Life
04. Hammer Them Out
05. Wrecked Like Clockwork
06. Cops Shoot Coke
07. The Avoider
08. Sri Lankan Medication.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

429 acessosPhil Anselmo: novo EP do Scour disponível na íntegra para audição27 acessosEm 23/09/2003: Pantera lança a coletânea The Best Of Pantera16 acessosEm 29/07/1997: Pantera lança o álbum Official Live 101 Proof24 acessosEm 27/07/1984: Pantera lança o álbum Projects In The Jungle10 acessosEm 24/07/1990: Pantera lança o álbum Cowboys From Hell12 acessosEm 20/05/1988: Pantera lança o álbum Power Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pantera"

Phil AnselmoPhil Anselmo
"Só um idiota diria que Sabbath não é Metal"

Kurt CobainKurt Cobain
Músicos do Korn, Judas, Pantera e AIC falam sobre legado

PanteraPantera
Rex e Dimebag discordavam sobre estilo de baixo na banda

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Down"0 acessosTodas as matérias sobre "Superjoint Ritual"0 acessosTodas as matérias sobre "Pantera"0 acessosTodas as matérias sobre "Arson Anthem"


Bizarro & AbsurdoBizarro & Absurdo
12 Tristes Realidades da Música

BurzumBurzum
A polêmica história e filosofia de Varg Vikernes

50 a menos50 a menos
Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616

5000 acessosAs I Lay Dying: Banda cristã explica a proximidade com o Behemoth5000 acessosGuns N' Roses: transtorno bipolar, a doença de Axl Rose5000 acessosHeavy Metal: estressante, perturbador e faz mal ao coração5000 acessosMetallica: Dave Mustaine fala sobre o logo da banda2977 acessosNa teoria: e se álbuns Black e Death virassem livros infantis?5000 acessosIron Maiden: seis coisas que sabemos sobre o Ed Force One

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Cintya Takahaschi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online