Baterista do Nile comenta sobre novo álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marco Néo, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O australiano Simon Milburn, do "The Metal Forge", recentemente entrevistou George Kollias, baterista do NILE. Seguem alguns trechos da conversa:

Nile: Karl Sanders escolhe as suas bandas preferidas na "Batalha de Bandas"; confiraExodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre a mudança da Relapse Records para a Nuclear Blast:

"Criamos uma grande equipe com a Nuclear Blast. Eles mostraram um grande interesse no NILE antes mesmo de assinarmos o contrato e continuam do mesmo jeito agora, o que nos deixa muito felizes. Eles adoraram nosso álbum novo e estão fazendo o máximo para que possamos sair por aí e fazer as coisas do nosso próprio jeito. Eu realmente acredito que faremos grandes coisas juntos..."

Sobre como ele compara o novo álbum, "Ithypallic", aos trabalhos anteriores do NILE:

"Bom, pra começar, 'Ithyphallic' soa rejuvenescido e poderoso, já que faz um mês que o terminamos. Eu diria que ele contêm todos os nossos elementos - mas apresentados de uma forma mais poderosa - com a adição de algumas novas idéias que só melhoraram a nossa música. 'Ithyphallic' também é mais rápido do que qualquer outro álbum que já tenhamos gravado. É bem mais poderoso, mais épico e mais técnico. Trabalhamos de novo como uma equipe - até mais duro dessa vez - prestando bastante atenção nas 'músicas.' Quisemos passar para o ouvinte toda a paixão e energia contida nelas. Em termos mais musicais, os tempos estão malucos desta vez, com uma grande variação de andamentos - estamos mais técnicos do que nunca, mas tudo bem construído para expor o feeling de cada música. Temos qualidade no negócio - algumas partes insanamente rápidas, algumas partes épicas grandiosas... Coisas que você sempre acha num álbum do NILE. Só que desta vez mais bem feitas!"

Sobre trabalhar de novo com o produtor Neil Kernon e com o engenheiro de som Bob Moore:

"Bob Moore trabalhou com o NILE em todos os nossos álbuns como produtor ou engenheiro de som, ele nos conhece muito bem. Neil Kernon trabalhou conosco no 'Annihilation' e obviamente nesse novo álbum, já dá pra sentir que ele é parte da banda. Neil é um produtor lendário e nós ficamos satisfeitos dele ter gostado do NILE desde o começo! Ele aprecia todo o processo e é claro que adiciona algo aqui ou ali. Cada vez que ele deu uma opinião, nós a aceitamos. Após gravar o 'Annihilation' e conhecer mais a banda, ele fez um trabalho ainda melhor desta vez! O novo álbum soa impressionante!! Ele definitivamente tem uma grande culpa no nosso som - ele sabe o que nós queremos e nos ajuda a fazê-lo da melhor forma. Bob também é uma parte muito importante do processo, ele sempre vinha com soluções para os nossos problemas e foi responsável pelo 'setup' das gravações e por tudo o mais que um engenheiro de som é responsável! Bob é 'o cara' no estúdio."

Leia a entrevista completa (em inglês) neste link.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Nile"


Nile: Karl Sanders escolhe as suas bandas preferidas na "Batalha de Bandas"; confiraNile: confira lyric video da música "Snake Pit Mating Frenzy", do novo álbum

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Nile: eles diziam que eu não podia tocar sobre o EgitoNile
"eles diziam que eu não podia tocar sobre o Egito"


Exodus: Rick Rubin é uma verdadeira fraude, diz Gary HoltExodus
"Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt

Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar


Sobre Marco Néo

Nascido na primeira metade dos anos 70, teve seu primeiro contato com sons pesados quando o Kiss veio para o Brasil, em 83, mas não compreendeu bem o que era aquilo. A contaminação efetiva ocorreu um ano depois, quando conheceu Motörhead, Judas Priest, AC/DC, Iron Maiden. Desde então, tornou-se um apaixonado colecionador de tudo o que se refere a Metal e Rock'n'Roll, independentemente de subestilos.

Mais matérias de Marco Néo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336