Sander Gommans: "Ficarei bom a tempo de ir para o Brasil!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O novo CD do After Forever, auto-intitulado, só faz ratificar a competência da banda liderada por Sander Gommans, com Floor Jansen no vocal, Joost van der Broek nos teclados, Bas Maas nas guitarras e vocais guturais, Luuk Van Gerven no baixo e Andre Borgman na bateria. Com uma pegada heavy e o uso abundante de orquestras, este se configura como um dos melhores CDs deste talentoso grupo. Conversamos com Sander via fone, e falamos sobre vários assuntos, inclusive seu afastamento temporário do grupo por motivos de saúde.

As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Colaborou: Gisele Santos

MUNDO ROCK - Vamos começar falando do CD "Mea Culpa" (compilação de lados B, raridades). Quando o mesmo foi lançado tanto você como Floor Jansen declararam não concordar com o fato de um CD trazer faixas com Mark Jansen na banda e outro CD trazer faixas lançadas após a saída dele. Essa foi uma das razões pelas quais vocês saíram da Transimission Records e assinaram contrato com a Nuclear Blast?

Sander Gommans - Não (Enfático). Mesmo antes do CD ser lançado já havíamos decidido que não iríamos gravar mais pela Transmission. Eles nos ajudaram muito nos primeiros CDs, mas desde "Invisible Circles" a coisa não estava mais funcionando. Sentíamos falta do apoio da gravadora, o que estava nos prejudicando. Por isso assinamos com a Nuclear Blast, e logo depois "Mea Culpa" foi lançado. Não sou contra o CD, mas lamentei muito não estar envolvido numa compilação do meu próprio trabalho.

MUNDO ROCK - É uma pena, porque aqui no Brasil os fãs adoraram o formato luxuoso e o conteúdo...

Sério? Puxa... isso me deixa satisfeito. Na Europa o pessoal também curtiu e pelo menos isso serviu de alento para nós. Afinal é um resumo da carreira do After Forever.

MUNDO ROCK - Desde "Prision Of Desire" não podemos apenas chamar o After Forever de banda gótica, já que vocês vêm continuamente agregando novos elementos a sua música. Você acha que isso será mantido com este novo CD?

Com certeza. As pessoas sabem que somos uma banda que vai além dos limites do gótico. É claro que o fato de termos uma vocalista ajuda a nos rotular como góticos, e entendo isso perfeitamente. Mas somos muito mais do que isso. No começo ser rotulados como góticos foi até positivo. Mas com o tempo e a evolução acabamos tendo que romper com isso.

MUNDO ROCK - E porque vocês decidiram batizar o CD de "After Forever"?

(Rindo) Bom... todos os nossos CD's anteriores nos surpreenderam. Todos eram do After Forever e nos representavam muito bem. Mas este foi especial. Não sei dizer se foi devido à maneira que foi composto, ou à maneira que as músicas soaram, mas ao terminar as gravações e começar a ouvir o resultado, nos sentimos muito conectados ao CD, como se ele fosse mais do que apenas um CD com músicas nossas. Nunca fizemos algo que nos representasse tão bem como este CD, por isso foi unanimidade chamá-lo de "After Forever". Não sei se conseguiremos fazer isso de novo, mas este CD mereceu mais do que tudo que já fizemos ter o nome da banda como título.

MUNDO ROCK - Vocês usaram orquestras no CD e isso ficou muito interessante, como por exemplo na boa "Evoke". Como se deu essa escolha por orquestras, e não apenas teclados ou "samplers"?

Sempre usamos cordas e "samplers" em nossos CD's, mas desta vez queríamos trazer uma agressividade "clássica" ao nosso som. Na verdade foi sensacional poder usar uma orquestra no CD, e nos divertimos muito com isso. Pude ouvir o novo CD do Dimmu Borgir ("In Sorti Diaboli") e na hora vi que o uso de orquestras funciona bem com qualquer estilo. Logo, sabíamos que estávamos indo no caminho certo.

MUNDO ROCK - Ao mesmo tempo faixas como "Transitory" impressionam pela agressividade. Você não teme que alguns fãs se assustem com tantas guitarras pesadas?

Na verdade eu só tenho medo de que um dia gravemos algo que não nos satisfaça como músicos e pessoas. Isso é o meu maior medo. Sempre tivemos essa premissa no After Forever, gravar o que queremos. Os fãs podem até estranhar alguns momentos de nossos CDs, mas eles sabem que o que estamos fazendo é o reflexo de nossa honestidade musical. É o que eles merecem, o que nós gostamos, e com isso sempre somos apoiados por eles.

MUNDO ROCK - Outro bom momento é o épico de 11 minutos chamado "Dreamflight". O que você pode dizer desta música, e do dueto entre vocais masculino e feminino no começo?

Sobre o dueto, Bas e Floor foram mágicos, só posso falar isto. Sempre tive em mente que deveríamos escrever uma música longa, mas que fosse interessante, não daquelas que você pula ou adianta para acabar rápido (risos). Neste CD decidimos fazer essa música, e as coisas fluíram tão bem que posso dizer que ela se auto-escreveu, ficando muito interessante. Foi fácil gravá-la, e a considero como um dos grandes momentos do CD.

MUNDO ROCK - Quando Joost se juntou à banda vocês ganharam um grande tecladista e um ótimo compositor. Como foi a contribuição dele em "After Forever"?

Joost já havia sido fundamental em "Remagine" (CD anterior). Ele e eu escrevemos quase tudo no CD. Depois que Mark Jansen (Epica) saiu, escrevi tudo nos CDs "Exordium" e "Invisible Circles", e ter Joost como parceiro de composição é sensacional. Ele e eu temos uma sintonia fantástica, e o processo fica muito mais rápido e ágil. Sem contar que tanto eu como ele conseguimos facilmente captar um o pensamento do outro, podendo nos complementar como compositores. Além do que tenho um grande amigo e um cara muito gente fina na banda.

MUNDO ROCK - Floor está sensacional neste CD, tanto como cantora lírica como cantora de heavy metal. Alguns anos atrás Tarja Turunen (ex-Nightwish) declarou que ela não deveria tentar ser uma cantora lírica porque não teria como conseguir. Você chegou a ler essa entrevista?

Não, e nem leria. Não me interesso por esse tipo de declaração. Só posso dizer que Floor está cantando demais. De fato ela precisa evoluir muito em algumas partes, mas já é uma grande cantora, e acredite que eu digo, ela não cantou tudo o que pode neste CD. No mais, o que posso dizer? Mulheres... sempre falando umas das outras (gargalhadas).

MUNDO ROCK - São as mulheres dominando o metal! (mais gargalhadas)

Pois é! O tal "Girl Power"! (risos).

MUNDO ROCK - Você teve que se ausentar da banda por alguns shows, chamando George do Orphanage para substituí-lo. Sabemos que você teve alguns problemas de saúde. O que aconteceu?

Bom, há 7 anos eu levo minha carreira com o After Forever, conciliando-a com meu trabalho como professor. Sempre fui líder dentro do After Forever, cuidando além da parte de composição, que antes fazia junto com Mark, da organização e planejamento. Quando Mark saiu fiquei compondo tudo sozinho até Joost entrar no grupo e assumir esse posto junto comigo. E foram anos de muito desgaste, até que eu decidisse largar meu emprego de professor e me concentrar exclusivamente na banda. Só que eu já havia submetido meu corpo a muito stress e muita pressão, e o mesmo passou a reclamar. Sentia muitas dores por todo o corpo durante as turnês, e no começo deste novo giro a coisa piorou, com vários outros sintomas. Fui ao médico e o mesmo me proibiu de excursionar por um tempo, para poder me recuperar e voltar à ativa de maneira efetiva. Por isso optei por dar este tempo agora. No momento estou repousando e relaxando ao máximo, mas tão logo possa retornar eu retornarei.

MUNDO ROCK - E como vão as coisas no seu projeto HDK? Como foi trabalhar com o cantor brasileiro Andre Matos?

No HDK eu escrevi tudo novamente (risos). Era um desejo meu trabalhar um som bem mais direto e agressivo do que o After Forever, mas com traços melódicos. Tive a ajuda de Ammanda Sommerville (AINA) nos coros, e ela acabou por nos ajudar no CD novo do After Forever também. Um dia conversava com ela sobre precisar de um vocalista que tivesse essa característica melódica, e ela sugeriu o Andre. De pronto eu concordei e ela me informou que ele estava na Alemanha preparando seu novo CD. Fomos visitá-lo no estúdio e de cara ele topou. O resultado ficou ótimo, sendo bem mais agressivo até do que eu e ele planejáramos. Foi muito bom, o cara é gente fina e tudo funcionou muito bem.

MUNDO ROCK - Você poderia nos citar 5 músicas com vocalistas femininas que você recomenda?

Essa eu vou ficar te devendo... na verdade não escuto muitas bandas com vocalistas femininas. Chega a ser irônico, porque minha banda tem uma! (risos) Só que nunca me liguei muito nessa característica. Eu poderia lhe citar o Nightwish, talvez a exceção nesse meu ponto fraco, já que é uma das poucas bandas que escuto além da minha (risos). Desculpe, mas se servir de ajuda, toque qualquer uma deles! (gargalhadas).

MUNDO ROCK - O After Forever terá uma turnê agitada este ano, tocando em vários festivais como o ProgPower e o Earthshaker, mas há planos para a América do Sul? O que você pode falar da última turnê, com um festival (Live N Louder) e várias outras datas?

Claro que queremos voltar tão logo seja possível e posso dizer que é algo que acordei comigo mesmo: melhorar para voltar para a América do Sul. Toda turnê que fazemos é sensacional. Todo público para o qual tocamos é mágico, mas quando vamos para o Brasil e a América do Sul a coisa atinge o seu ápice. É sensacional como vocês se doam ao artista em um show. A troca de energia faz o público sul-americano ser incomparável a qualquer público do universo. Por isso temos que voltar, e logo.

MUNDO ROCK - Sander, obrigado pela entrevista e melhoras. Nos vemos no Brasil!

Obrigado pela mensagem e fico feliz por esta chance de tocar para vocês. Mal posso esperar para mostrar nossas músicas novas aos fãs Brasileiros. Preparem a caipirinha e o som porque estamos chegando. E eu prometo: me recuperarei a tempo de ir para o Brasil!

Site Oficial: http://www.afterforever.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "After Forever"


Nightwish: Floor é uma profissional de alto nívelNightwish
"Floor é uma profissional de alto nível"

Metal sinfônico: os 10 melhores segundo o TeamRockMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock


As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerAs novas caras do metal
+ 40 bandas que você deve conhecer

Queen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian RhapsodyQueen
10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336