Destruction: "a energia de vocês é sensacional"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Carnovale, Fonte: Mundo Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

Depois de serem responsáveis por vários pescoços doloridos tanto em 2005 como em 2006, os alemães do Destruction lançam “Thrash Anthems”, re-gravando várias músicas clássicas de seu repertório. Falamos via fone com o simpático vocal/baixo Schmier, para esmiuçarmos a nova empreitada do “Mad Butcher”. Confira abaixo o que rolou:

3146 acessosThrash Metal: os melhores álbuns de 1983 a 20165000 acessosRolling Stone: 10 maiores baixistas de todos os tempos

(Entrevista concedida para o portal Mundo Rock - www.mundorock.net).

Mundo Rock - Em 2006 o Destruction fez uma boa turnê pela América do Sul. Como você analisa este giro?

Schmier – Foi algo que fizemos com muito prazer. Os fãs brasileiros têm um jeito especial de encarar as turnês que fazemos, muita dedicação e amizade. Foi um momento de muita alegria, vocês nos passaram muita força. Espero poder voltar ainda em 2007, já que temos um festival marcado no Chile, mas confesso que gostaria de fazer uma turnê mais extensa, passando por mais cidades, quero voltar a Recife com certeza!

Mundo Rock - Nessa turnê vocês tocaram com o Leaves Eyes e o Atrocity. Você gostou da formação deste pacote de turnê?

Schmier - Não (RISOS). Não foi algo interessante, já que são bandas que pouco tem a ver conosco. Tenho respeito pelos trabalhos, mas não combinam com nosso estilo. Não gostei porque além de tudo encareceu o preço dos ingressos para nossos fãs. Foi uma escolha dos promotores locais.

Mundo Rock - E vocês puderam tocar no Circo Voador, um local tradicional de shows no Rio de Janeiro...

Schmier - Foi bem legal. Percebi que a cena no Rio não é como a de São Paulo, mas os fãs que foram ao show esbanjaram energia. O mais legal deste show é que pude passar um dia inteiro andando pela cidade, indo a shoppings, passeando pela cidade e vários pontos. Foi um show muito forte para nós.

Mundo Rock - Falando sobre “Thrash Anthems”, porque vocês optaram por re-gravar suas músicas antigas?

Schmier - Tivemos um tempo livre para gravar, e quisemos fazer um presente a nossos fãs mais novos, que não tiveram a chance de ouvir nossos discos antigos, ou que nos conheceram depois de “All Hell Breaks Loose”. Encaro este CD como um “best of”, mas algo diferente, especial, porque re-fizemos as músicas, escolhemos algumas não tão óbvias, e inserimos dois sons novos. Nossos discos mais antigos estão fora de catálogo, então acaba sendo útil para todos termos um CD de regravações lançado.

Mundo Rock - Algumas bandas usam esse artifício para esconder lapsos de criatividade...

Schmier - O que não é o nosso caso, porque veja por este lado: quantos CD´s lançamos por ano? Contando tudo, inclusive nosso DVD, dá um resultado de 6 lançamentos em 6 anos. O que não é nada mal para uma banda como o Destruction. Sempre nos mantemos ativos, tocando muito, trabalhando duro e fazendo shows intensos. Não haveria porque lançar este CD apenas para tapar buraco.

Mundo Rock - Vocês colocaram o “Mad Butcher” jogando cartas na capa. Existe algum significado?

Schmier - Oh YEAH! (RISOS) Como este é um “best of” nosso, nosso mascote tem que estar na capa. E como escolhemos alguns hinos nossos, ele teria que estar com nossos ases em suas mãos. Logo a idéia era mostrar que ele sempre joga com o que temos de melhor. Procuramos trazer de volta o espírito antigo da banda. Ficou muito legal, um trabalho que nos deixou muito felizes.

Mundo Rock - As músicas novas (“Profanity” e “Deposition”) são muito boas, e um tanto inovadoras no estilo do Destruction. Fale sobre elas:

Schmier - Fizemos duas músicas novas para este CD. Queríamos fazer algo diferente. Uma delas mais experimental, que foi “Profanity” e outra com mais groove, uma pegada mais heavy, que foi “Deposition”. Ficaram bem diferentes do nosso estilo habitual, mas se encaixaram perfeitamente na proposta de um “best of”.

Mundo Rock - O uso de elementos acústicos funcionou muito bem.

Schmier - Sim, de fato. Já havíamos feito isso em “Inventor Of Evil”, e deu resultado. Seguimos as idéias que vínhamos desenvolvendo. Como a música tinha seis minutos, foi possível usar esse tipo de sonoridade. Não ligamos para isso, se vai ficar diferente ou não, se a música é longa ou não. Talvez procuremos ter mais cuidado quando estamos gravando um CD normal, mas no caso de “Trash Anthems” pudemos ousar mais.

Mundo Rock - Outro grande momento foi “Cracked Brain”. Seus vocais ficaram excelentes nesta música. Não teria sido interessante colocar mais músicas deste disco?

Schmier - Na verdade registramos 10 sons de “Cracked Brain”. Eram muitas músicas, mas pensávamos em por mais uma no CD. Foi uma escolha complicada, mas acho que fizemos o correto. Deixamos algumas preparadas para uma futura parte 2, só não sei quando faremos.

Mundo Rock - Pensam em re-gravar e re-lançar o CD?

Schmier - Seria uma ótima idéia! (RISOS). Só peço que os fãs aguardem. No momento não é hora de recebermos idéias e sim trabalharmos as que já temos.

Mundo Rock - Entre as músicas que tiveram que ser descartadas alguma deixou a banda em dúvida?

Schmier - Sim, com certeza. Sempre foi um parto deixar uma música de fora. Acho que “Antichrist” foi uma que descartamos com dificuldade. Mas pensamos assim: as que foram descartadas nós tocaremos nos shows, fazendo um grande “best of”, trazendo nossos clássicos das antigas, as músicas mais recentes e o material novo. Faremos um longo show, e espero poder tocá-lo na integra no Brasil.

Mundo Rock - E quais são os planos para a turnê de “Thrash Anthems”?

Schmier - Iremos começar com os festivais de verão, como o Wacken. E temos planos para tocar na Espanha, Japão, e estamos fechando um giro europeu. Queremos fazer uma turnê extensa e especial, e espero poder em breve anunciar shows no Brasil, entre setembro e outubro, espero.

Mundo Rock - Já existe algum projeto visando o próximo CD de estúdio?

Schmier - Sim, paralelamente ao processo de gravação,começamos a trabalhar algumas idéias. Mas estamos apenas com algumas demos bem primitivas, para trabalharmos mais no fim do ano, e quem sabe lançar algo em 2008.

Mundo Rock - Obrigado Schmier! Deixe uma mensagem aos fãs brasileiros!

Schmier - Espero poder voltar o mais rápido possível, pois a energia de vocês é sensacional. Precisamos dos fãs brasileiros. YOU KICK ASS!

Site Oficial: www.destruction.de.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Thrash MetalThrash Metal
Os melhores álbuns de 1983 a 2016

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Destruction"

MetalMetal
Dez álbuns provam que 1986 foi o ano do Thrash

Thrash MetalThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

Metal HeavyMetal Heavy
10 clássicos para entender o Thrash Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Destruction"

Rolling StoneRolling Stone
10 maiores baixistas de todos os tempos

Pactos?Pactos?
Os envolvimentos de bandas com ocultismo

CultsCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

5000 acessosCorey Taylor: sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch5000 acessosLinkin Park: um exemplo mostra que é a banda mais foda do mundo5000 acessosIron Maiden: 15 melhores coisas sobre o single "Speed Of Light"5000 acessosMoshpit: Tiozão não entende as regras e leva uma porrada5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosHard Rock: as bandas que deram origem aos heróis do gênero

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online