Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemOzzy Osbourne revela que Lemmy Kilmister era um leitor voraz

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemAngra e Shaman, Edu Falaschi fala sobre a treta que havia entre as bandas

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemBruno Sutter explica semelhança problemática entre Ayrton Senna e Fausto Fanti

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemMúsico de Los Angeles compartilha foto recente de Alex Van Halen

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemDave Lee Roth revela qual é seu álbum preferido do Van Halen

imagemAmy Lee comenta demissão de Jen Majura e diz que é preciso "ouvir o universo"


2022/08/18
Stamp

Clawfinger - de volta com ódio e estilo!

Por Rafael Carnovale
Em 06/08/06

Você se lembra do Clawfinger? Provavelmente não. Afinal eles foram uma das primeiras bandas a tocar na edição de 1996 do Monsters Of Rock Brasil, fechada por Ozzy Osbourne. Mas a banda continuou na atividade, com sua mistura de metal, pop, rap e jazz. Recentemente um contrato coma Nuclear Blast foi assinado e os caras lançaram "Hate Yourself With Style". Para falarmos sobre esse novo CD, conversamos com o simpático vocalista Zak Tell. Confira abaixo como foi este interessante bate-papo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entrevista concedida ao portal Mundo Rock (http://www.mundorock.net):

Mundo Rock – Vamos começar falando do show que vocês fizeram aqui em 1995 no Monsters Of Rock. O que você lembra daquela época?

Zak Tell – Toda a turnê foi insana e maravilhosa. Foi um sonho que virou realidade. Tocamos com bandas grandes (Ozzy, Megadeth) e foi um grande momento, uma ótima chance para o Clawfinger, porque com isso conseguimos fazer vários shows mundo afora. Pude notar que o público brasileiro é bem temperamental e não esconde suas emoções, e gostei disso. Só tenho boas lembranças.

Mundo Rock – Naquela época vocês eram considerados como uma banda de difícil definição, devido aos vários estilos adotados em sua música. Como você vê isso atualmente?

De fato temos um caldeirão de influências. Músicas, estilos, não temos algo pré-definido. Podemos fazer algo industrial, com hardcore, com metal, é algo natural para nós. Nos sentimos muito bem mexendo nesse caldeirão. Nos divertimos muito com isso.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mundo Rock – O Clawfinger acabou por ser influência para várias bandas de New Metal. Vocês se consideram uma banda de New Metal?

Só se eu disser que somos a mais velha banda do estilo (Risos). Não ligo muito para isso, para ser sincero nem procuro entender o que é o New Metal, não consegui entender ainda o que é o Grunge! (Risos). Penso que é só um rótulo, pois a essência musical é muito mais abrangente do que apenas um nome, um estilo. Tem muito mais a ver com emoção, feeling.

Mundo Rock – O novo CD está bem mais metal. O que vocês planejaram com isso?

Perdemos nosso guitarrista em 2003. Com isso ganhamos um novo amigo que tem muito do metal old school em suas influências. Berd adora o Slayer, Metallica, e as bandas mais extremas de metal suecas. Isso nos estimulou a dar uma mudada na música do Clawfinger, e é isso que estamos fazendo neste momento. Mas podemos mudar tudo para o próximo CD, afinal gostamos disso. Mas quero deixar claro que essa mudança nada teve a ver com a Nuclear Blast, nosso novo selo, que tem várias bandas de metal em seu "cast". Foi algo que quisemos fazer.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mundo Rock – "Hate Yourself With Style" é agressiva, e um dos grandes momentos do CD. Qual seu conceito lírico?

Basicamente fala sobre viver uma mentira. Muitas vezes vivemos uma vida que não é nossa, somos o que não somos. Usamos máscaras que nos tornam nada mais do que merda. Fingimos uma felicidade que não existe, risos idiotas sem sentido. Disso fala a música, desse mundo louco, esse mal que nos assola (Risos).

Mundo Rock – Neste CD vocês executaram muitos números mais lentos como "Right To Rape". Fez parte dessa gama de mudanças que você falou anteriormente?

Não muito. Acho que é mais um reflexo de todas as influências que temos. Gostamos de metal, pop e jazz. Só deixamos que o som nos envolva quando estamos compondo. Por incrível que pareça só uma guitarra e a bateria servem perfeitamente para o que queremos escrever. É o caso de se deixar levar pela música, deixar saírem as emoções, que você terá o estilo nas suas mãos, seja ele melódico, rápido ou lento.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mundo Rock – Em 1996 vocês estavam com um selo mais voltado para o pop, e agora assinaram com a Nuclear Blast.O que os fez optar por este selo?

A visão que eles têm da banda. Se você está numa Warner da vida, você é quanto você vende, e isso não quer dizer que você seja popular. Isso define seu destino dentro da gravadora. A Nuclear Blast trabalha com metal, e isso é importante para nós. Claro que eles também querem vender, isso é importante e mantém o selo ativo, mas pelo menos eles sabem melhor como lidar com bandas do nosso estilo, não são como os filhos da puta da grande indústria fonográfica.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mundo Rock – "Hypocrate" tem muito do Helmet antigo nas guitarras. Você gosta desta banda?

Claro! É uma grande banda. O guitarrista é muito bom e compõe grandes riffs. Eu adoro, e com certeza isso fez diferença quando compusemos a música.

Mundo Rock – Como têm sido os shows até agora?

Em janeiro fizemos 26 shows pela Europa. E tocaremos em alguns festivais durante o ano. Sobre a América do Sul já vou antecipar sua pergunta (Risos): queremos voltar, mas precisamos que algum promotor acredite em nós. Não somos uma dessas "big bands" que estalam o dedo e surgem dezenas de pessoas querendo trabalhar com elas. Não podemos pagar para tocar. Sem algum investimento nada podemos fazer. Eu gostaria de ser maior, de poder tocar em qualquer lugar, mas tenho que aceitar a realidade. Mas não quer dizer que desistimos. Quem sabe rola um dia!

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Mundo Rock – Zak, obrigado pela entrevista.

Eu que agradeço. Peço aos fãs que continuem nos apoiando. Os emails que estamos recebendo nos deixam muito felizes, nos passam um grande sentimento de carinho. Espero poder retribuir tudo isso um dia.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/07/09


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.