Edguy: Entrevista exclusiva com o guitarrista Jens Ludwig

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

Entrevistador: Rafael Carnovale

Angra: Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no CarnavalMTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da história

De 1995 a 2004 são 9 anos e 7 cd's com o nome Edguy. A banda, liderada pelo talentoso vocalista Tobbias Sammet conseguiu sair da posição de apenas mais uma promessa do metal melódico para uma realidade incontestável e uma posição confortável entre as grandes bandas do metal mundial. Com um novo cd na praça, o pesado "Hellfire Club" e uma turnê brasileira que deverá ocorrer em setembro ou outubro, conversamos via telefone com o guitarrista Jens Ludwig, falando como sempre sobre o presente, passado e futuro de sua banda. Completam a formação o guitarrista Dirk Sauer, o baixista Tobias Exxel e o baterista Felix Bohnke. Confira como foi essa conversa com Jens:

WHIPLASH - Sobre o novo cd, "Hellfire Club", podemos compará-lo ao anterior, "Mandrake", como sendo mais agressivo e com mais partes orquestradas. O que você diria sobre o novo cd aos fãs?

JENS LUDWIG / Basicamente neste cd procuramos atingir um meio termo entre peso, melodia e orquestração. Tentamos fugir um pouco do que havíamos feito em "Mandrake", principalmente no tocante as músicas mais rápidas. O uso da orquestra também foi um fator novo, que ficou muito legal, e uma experiência que pretendemos usar mais no futuro. É um grande cd.

WHIPLASH - Vocês estão lançando o EP "King of Fools" antes do cd, com faixas que não entrarão em "Hellfire Club". Há planos de se lançar o conjunto completo em um pacote só?

JENS LUDWIG / Eu não sei. A gravadora nos pediu um "single" para lançar antes do álbum, e achamos legal incluir algumas faixas que não seriam aproveitadas para dar um toque a mais neste lançamento. São boas músicas, que poderemos tocar ao vivo. Mas não sei se nossa gravadora poderá lançar no futuro um pacote contendo os dois juntos. É possível, e seria legal fazer algo pessoal nesse sentido, como um box.

WHIPLASH - Vamos voltar no tempo. Quando vocês lançaram "Savage Poetry", vocês eram descritos como apenas quatro jovens fãs de AC/DC e Iron Maiden. Como você vê a banda nos dias de hoje, passados 9 anos?

JENS LUDWIG / Muitas coisas mudaram. Estamos bem melhores. Na época queríamos apenas poder tocar nosso som, mas com o tempo, e com o lançamento de nossos cd's ,fomos ganhando experiência e evoluindo como músicos. Os shows também melhoraram muito, porque fomos ganhando experiência de palco, e domínio de nós mesmos, o que resultou numa evolução fantástica que nos deixa muito felizes. Também pudemos viajar por todo o mundo, o que foi demais.

WHIPLASH - Quando ouvi "Kingdom of Madness" (segundo cd da banda), notei vários elementos de "hard-rock" no som da banda. Vocês gostam de tocar "hard-rock" mesclado com o "heavy-metal"?

JENS LUDWIG / Claro que sim. Não queremos estar presos a um estilo apenas, embora amemos o metal tradicional. Mas uma puxada para o "hard" em alguns momentos é muito legal. Soa legal, o público curte e nós curtimos tocar. Acho que é isso que eu poderia dizer. (Risos).

WHIPLASH - "Vain Glory Opera" já era um cd mais orientado para o "power-metal", com um som bem mais trabalhado, e obtendo bom sucesso. Como foi o processo de gravação e como foi ter convidados do naipe de Hansi Kursch e Timmo Tolkki no cd?

JENS LUDWIG / Foi ótimo. Eles foram realmente muito legais e ajudaram com muitas dicas sobre som, produção. "Vain Glory Opera" era um cd no qual procuramos resgatar um pouco essa nossa influência "power", e gostamos muito do resultado final. Foi o cd que ajudou a nos projetar no cenário europeu, e estamos muito felizes com ele.

WHIPLASH - Acho que o cd foi necessário para o crescimento da banda como um todo, pois mostrou nitidamente que a banda estava evoluindo musicalmente. Mas, falando sobre Timmo Tolkki, o que você acha de tudo que vem envolvendo o Stratovarius?

JENS LUDWIG / WOW (Risos). Não sei o que dizer. Na época Timmo foi extremamente gentil e amigo. Não posso imaginar o que esteja acontecendo, até porque não falamos com ele há algum tempo. Há muitos rumores circulando pela imprensa e pela internet, e não temos como saber o que é verdade ou não. Prefiro não especular. "Vain Glory Opera" nos ajudou a solidificar nossos objetivos como banda, e isso se mostrou muito importante no seguimento da carreira do Edguy. Quanto a Timmo.... sei lá (risos)!

WHIPLASH - Falando sobre o cd seguinte "Theater of Salvation", que foi considerado um dos melhores da banda, a faixa "The Headless Game" é muito boa. Como você anallisa esta faixa e como foram os shows nos festivais europeus nesta época?

JENS LUDWIG / Gosto de "Headless Game". É pesada, cadenciada, e perfeita para tocar ao vivo. Lembro que na América do Sul foi um grande momento! Os festivais foram maravilhosos, no que diz respeito as bandas e ao público... é sempre ótimo tocar nesses eventos.

WHIPLASH - Neste momento, Tobias Exxel entrou para a banda como baixista. Você acha que Tobbias Sammet (vocal) tinha problemas para exercer as duas funções?

JENS LUDWIG / Considerando os shows, era muito complicado para Tobbias dar 100% de si em ambas as funções, embora ele seja um bom baixista. Ele mesmo achava que se sentiria melhor se se focasse apenas em ser o cantor, então chamamos Tobias Exxel, que deu conta do recado com perfeição. A banda agradeceu!!! (RISOS)

WHIPLASH - Paralelamente Tobbias escreveu as duas partes do projeto "Avanthasia". Você acha que ambos os cd's poderiam ser gravados pelo Edguy?

JENS LUDWIG / Difícil essa.... mas acho que não. Tobbias sempre deixou bem claro seu objetivo com "Avanthasia" e que o Edguy era a sua banda. Então ele decidiu não misturar as coisas, já que o projeto tinha aspectos que ele achava que não eram compatíveis com a banda, embora a sonoridade até possa permitir uma comparação. Mas todos concordamos e demos todo nosso apoio a Tobby, que foi muito feliz. E isso só fez o Edguy crescer, pois pudemos nos aventurar em outros projetos, e quando retornamos estávamos bem mais fortes.

WHIPLASH - Quando "Mandrake" foi lançado, a banda veio ao Brasil pela primeira vez. Comente sobre sua primeira experiência em solo brasileiro:

JENS LUDWIG / O de sempre. Maravilhoso! (Risos). O público estava entusiasmado e esse entusiasmo é muito contagiante. Subimos ao palco sentido que teríamos grandes momentos, e isso foi mais que confirmado. Gostaria de poder passar férias no Brasil, ou ter alguns dias de folga para poder conhecer mais do país, pois foi tudo muito rápido e intenso.

WHIPLASH - Agora vocês estão com um novo cd, "Hellfire Club", que engloba todas as fases da banda, desde o "power" com "Mysteria", o heavy tradicional com "We don't need a Hero" e o "hard" com "Lavatory Love Machine". Como você definiria este novo cd?

JENS LUDWIG / De fato este talvez seja nosso cd mais eclético. Mas não foi proposital. As músicas foram surgindo e foram se definindo desta maneira. Enquanto estávamos compondo, sentíamos que tínhamos vários estilos diferentes em mãos, mas conectados numa sonoridade única, que forma o som da banda. Ficamos muito felizes ao ver que mesmo englobando tantas influências, não perdemos a pegada do Edguy, e considero este o nosso melhor cd.

WHIPLASH - Falando sobre a faixa "Navigator", percebi forte influência de Whitesnake nessa faixa. Você concordaria com isso?

JENS LUDWIG / WHITESNAKE???? TEM CERTEZA???? Você é o primeiro no mundo que me diz isso (risos). Muitos compararam com Queensryche.... mas embora eu ache que não é a comparação mais perfeita pode ser sim que tenhamos sido influenciados pela banda, embora eu não ache o Whitesnake uma de nossas maiores influências, mas gostei de ouvir isso!! (RISOS)

WHIPLASH - Como foi trabalhar com uma orquestra? Vocês planejam fazer um cd todo com elementos orquestrados no futuro?

JENS LUDWIG / Foi muito bom e se encaixou bem na proposta. Mas fazer um álbum completo com orquestra é algo que ainda não posso dizer que vamos fazer, mas seria uma boa idéia... mas ainda não sei.

WHIPLASH - Falando sobre shows. Há planos para uma turnê brasileira? Ouvi algo sobre setembro ou outubro....

JENS LUDWIG / Eu também (risos). De fato vamos vir ao Brasil este ano, e queremos fazer uma turnê bem completa, com tudo o que os brasileiros têm direito.

WHIPLASH - De fato posso te dizer que recentemente tivemos um show do Shaman aqui no Rio, e muitos perguntaram sobre uma possível turnê do Edguy.

JENS LUDWIG / É? Legal! Mas de fato estaremos vindo. É nossa vontade, pode ter certeza.

WHIPLASH - Jens, obrigado pela entrevista, esperamos vê-los em breve, este espaço é seu para deixar uma mensagem para os fãs brasileiros:

JENS LUDWIG / Olá. Obrigado pelo apoio, vocês são demais. Esperamos vê-los o mais rápido possível. O Brasil é inesquecível.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Edguy"


Slash: guitarrista diz que perde a voz após os showsSlash
Guitarrista diz que perde a voz após os shows

1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos


Angra: Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no CarnavalAngra
Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval

MTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da históriaMTV Unplugged
As 25 melhores apresentações da história


adClioIL