Pegazus - Entrevista com Johnny Stoj, guitarrista e compositor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

A Austrália não é um país com grande tradição em bandas de heavy metal. Mas de lá saiu um dos mais promissores conjuntos da nova geração do heavy metal mundial, o Pegazus, que pratica heavy metal tradicional, bastante influenciado pelas tradicionais bandas inglesas do estilo, e que vem conseguindo fãs em todo o mundo. A banda está começando a gravação de seu terceiro álbum no momento, e nesta entrevista o guitarrista e principal compositor da banda, Johnny Stoj, fala sobre o novo álbum, os discos anteriores, as inevitáveis comparações com outras bandas, como Manowar, e muito mais. Entrevista concedida a Mário Del Nunzio.

Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o temaMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?

Whiplash! / Vocês estão trabalhando em um novo álbum agora, certo ? Poderia nos dar mais informações sobre ele...

Johnny Stoj / O álbum vai se chamar "Breaking The Chains". No momento temos 8 músicas novas prontas [N. do E.: A entrevista foi concedida no começo de maio]. Estamos terminando algumas músicas, e devemos ir para Stuttgart, Alemanha em junho, gravar e mixar o disco, com Matt Sinner, do Primal Fear. Devemos terminar tudo em julho.

Whiplash! / Há alguma previsão para lançamento do disco ?

Stoj / A gravadora quer o disco o mais breve possível, mas, do jeito que as coisas estão sendo agendadas, devemos terminar a gravação em julho, e o disco deve ser lançado uns três meses depois, em setembro ou outubro.

Whiplash! / No álbum "Wings Of Destiny", você escreveu todas as músicas, exceto "Enchanted World". Neste álbum as coisas ocorreram da mesma maneira, ou houve maior participação dos outros membros da banda ?

Stoj / [Risos] Yeah! No momento, sim. Já tenho quase todo o material escrito para este novo álbum, e, além das novas músicas, devemos re-gravar três músicas do primeiro disco do Pegazus, que foi gravado no começo de 1995, com uma cota muito pequena para gastarmos. Há muitas pessoas perguntando e querendo saber sobre esse disco, então regravaremos três músicas e colocaremos no novo álbum.

Whiplash! / Há planos para re-lançar o primeiro álbum inteiro, por uma gravadora maior, já que é praticamente impossível achá-lo atualmente ?

Stoj / Atualmente, não há planos. Realmente, é muito difícil achá-lo, exceto se for comprado diretamente da banda, do fã clube ou do catálogo da Nuclear Blast. Não pode ser adquirido em lojas de heavy metal ou algo do tipo... É um lançamento mais underground do que qualquer coisa, só para os fãs "die hard" do Pegazus. As músicas que regravaremos no novo álbum deste primeiro disco são as mais pedidas pelos fãs do Pegazus. Agora temos um novo baixista na banda, e Danny [Cecatti] nos vocais, ele não cantou no primeiro álbum, então, achamos que com essa ótima formação que temos agora deveríamos regravar essas três músicas.

Whiplash! / A música "Destiny" parece bastante com aquelas baladas épicas do Manowar, até no jeito de cantar de Danny Cecatti, que fica bastante próximo de Eric Adams na música. Você concorda com isso ? Foi algo intencional ?

Stoj / Bom, muitas pessoas podem achar isso, já ouvimos bastantes comentários do tipo, e outros comparando com Queen, com Journey e outros. Mas, nunca quisemos fazer algo como "uma música Manowar". Na verdadem quando escutei o último disco de estúdio do Manowar, "Louder Than Hell", achei a música "Courage" uma das melhores músicas que escutei em anos feita por uma banda de heavy metal, mas, eu escrevi "Destiny" antes de ouvir "Courage". O disco "Wings Of Destiny" foi gravado em março de 1997, apesar de só ter sido lançado no meio de 1998. As músicas foram escritas bem antes. Essa é a verdade.

Whiplash! / Algumas pessoas dizem que o Pegazus só copia bandas de heavy metal dos anos 80, como Manowar, Running Wild e Judas Priest. O que você acha disso ?

Stoj / Não, não é verdade. Eu gosto de Manowar, mas não sou realmente influenciado por eles, nunca fui muito fã deles. Minhas influências vem mais do lado britânico, como Iron Maiden, Judas Priest, Thin Lizzy, Deep Purple, não Manowar ou Running Wild. Na verdade, não gosto de Running Wild, não aprecio muito o heavy metal alemão. Sou muito fã da NWOBHM. Até acho engraçado dizerem que somos uma cópia de Manowar ou algo do tipo, não tem nada a ver.

Whiplash! / O "Wings Of Destiny" foi lançado com diferentes capas na Europa/EUA, Austrália e Japão. Por que isso aconteceu ?

Stoj / A razão disso acontecer é que gravamos o disco em março de 1997 e nessa época a cena heavy metal não estava muito forte em nenhum lugar do mundo e não tínhamos nenhum contrato ou algo do tipo, pagamos tudo de nossos bolsos. Quando terminamos a gravação, não tínhamos dinheiro nem para pagar a prensagem do disco, entào tivemos que esperar para ter o CD prensado. Nesse meio tempo, acho que apareceu o HammerFall, que teve bastante sucesso e impulsionou a cena heavy metal européia. Então um amigo da banda começou a prensar os CDs, em setembro ou outubro de 97, e foi feita a primeira capa do disco, a original, mas era só uma pintura, nada de muito especial. Estávamos felizes na época... Prensamos o disco em novembro ou dezembro, logo antes do Natal. Um mês depois fomos contactados pela Nuclear Blast, em janeiro de 1998, e foi oferecido o contrato. Eles acharam melhor mudar a capa do disco, nós concordamos, e, realmente, era bem melhor ter uma capa realmente especial para o disco. Esse é o porquê das capas diferentes.

Whiplash! / Você poderia comentar sobre as letras das músicas e o que influencia você ao escrevê-las ?

Stoj / Escrevo letras de experiências pessoais, o que eu vejo, o que eu leio, em algum jornal, ou um livro, ou de algo que vi em um filme... No novo álbum Danny escreveu algumas letras comigo, e outras sozinho, então não as escrevi todas sozinho...

Whiplash! / Como você compararia os dois álbuns do Pegazus com o novo ?

Stoj / Basicamente é o mesmo estilo, soa como heavy metal inglês, pois somos influenciados por essas bandas, não há muita mudança de estilo, desde que começamos a tocar. O que provavelmente vai ser diferente no novo álbum é a produção, que vai ser 100%. Os outros discos foram gravados, mixados e masterizados com uma cota muito pequena para ser gasta, de algumas centenas de dólares. Nesse sentido o novo álbum vai ser um grande passo adiante nessa parte de produção. Quando alguém colocar o novo álbum no cd player vão escutar um disco muito bom de heavy metal, estamos realmente ansiosos por gravar e lançar esse novo disco. Na parte das músicas, há algumas músicas sobre batalhas e guerras, que escrevemos no ano passado, mas nada como Manowar ou algo do tipo, como as pessoas às vezes dizem que Pegazus é como Manowar... Manowar é uma banda fantástica, os "true metal kings", mas nós somos uma banda diferente, fazemos o que fazemos...

Whiplash! / Atualmente tem ocorrido uma série de reuniões de bandas de heavy metal, como o Metal Church, Armored Saint, dentre várias outras. O que você acha disso, acha que é apenas por dinheiro ou acha importante para o heavy metal ?

Stoj / Não gostaria de dizer o que realmente penso [risos]. Bom, é muito bom que algumas dessas bandas estejam voltando e que as pessoas ainda tenham interesse nelas. Se as bandas estão voltando pelos fãs, é fantástico, se é pelo dinheiro, não é bom. Nós, do Pegazus, começamos no começo dos anos 90, como uma banda de garagem, não havia espaço para o metal, o "grunge" e o "alternativo" dominavam as vendas... Quando começamos a fazer shows, nos diziam que éramos loucos por tocar heavy metal da maneira antiga, diziam "heavy metal is dead"... Nunca fizemos o que fazemos para sermos grandes, ter sucesso, ser um "rock star", ou algo do tipo, fazemos porque amamos esse tipo de música. É muito bom estar com contrato assinado com uma gravadora, lançar álbuns, fazer turnês... Mas, sobre essas bandas que voltam do passado só para fazer dinheiro, é errado, nós nunca faríamos isso.

Whiplash! / A Austrália não tem muitas bandas de heavy metal conhecidas mundialmente. Como é a situação do heavy metal aí ?

Stoj / É como tem sido pelos últimos 7 ou 8 anos. Há melhor recepção ao black e ao death metal. Não há um grande público de heavy metal tradicional. Nós crescemos ouvindo heavy metal tradicional inglês... Não vou falar de Marylyn Manson ou Korn ou algo do tipo, pois para mim isso é uma merda. Acho que nós do Pegazus conseguimos o que outras bandas daqui não conseguiram porque acreditamos 100% no que fazemos, que é heavy metla puro!

Whiplash! / Vocês gravaram covers de Black Sabbath e Judas Priest na fita "Metalbound", lançada entre os seus dois primeiros discos de estúdio. Há planos de relançá-los em um disco ou algo do tipo ?

Stoj / Temos ouvido muitos pedidos de fãs para obter uma cópia da fita, o que é difícil, já que foi feita apenas como uma demo, não esperávamos que tanta gente quisesse ouvi-la. Nós planejamos sim lançar as músicas do "Metalbound" talvez como um CD, talvez para as pessoas que se filiarem ao nosso fã clube australiano, o Pegazus Warrior Army, mas ainda não temos certeza, é só algo que temos pensado e que nos foi sugerido. Mas com certeza estará disponível para os fãs.

Whiplash! / Vocês costumam tocar algum outro cover ao vivo ?

Stoj / Bom, passamos muito tempo fazendo turnê na Europa e não tínhamos muito tempo, mas, uma vez na Alemanha, fizemos um cover que foi bastante divertido, "Restless And Wild" do Accept, Udo subiu ao palco conosco e cantou na música. Gravamos uma outra música para o tributo ao Helloween, mas parece que ele foi cancelado. Mas nós gravamos a música e a temos ainda.

Whiplash! / Que música era ?

Stoj / "A Little Time".

Whiplash! / Não há planos de lançá-la ?

Stoj / Bom, talvez essa música e o cover do Accept, que gravamos para o tributo, "Restless And Wild", talvez estejam inclusas em um cd single, se a gravadora quiser lançar um. "Breaking The Chains" no Japão deverá sair com uma ou duas faixas bônus, que talvez sejam os dois covers. Não queremos colocar uma música bônus nossa na versão japonesa, pois não acho justo com os fãs do resto do mundo não terem a oportunidade de ter uma música nossa. Mas, se é um cover, é outra história, não acho muito importante. Mas queremos que seja possível que todos tenham a música, então o melhor seria um single.

Whiplash! / Há alguma chance do Pegazus vir à América do Sul, especialmente ao Brasil, em breve ?

Stoj / Não muito breve, mas nós adoraríamos poder tocar aí, pois temos recebido muito apoio de fãs brasileiros de heavy metal e isso é fantástico, não esperávamos essa reação tão breve, há até mesmo um "Pegazus Warrior Fan Club Army" no Brasil, começando, acho que um mês atrás, em São Paulo. Espero que isso ajude a gravadora a tomar coragem de nos levar à América do Sul. Adoraríamos tocar aí, pois sabemos que vocês brasileiros, assim como nós, amam o heavy metal! Acho que há uma possibilidade de tocarmos aí no fim desse ano ou no começo do próximo ano, e seria fantástico. Agora que já fomos à Europa, já vimos os fãs de metal europeus, queremos mais que qualquer coisa ir ao Brasil e ao Japão.

Whiplash! / Por favor, deixe uma mensagem aos seus fãs brasileiros.

Stoj / Espero vê-los em turnê o mais breve possível! Escutem o novo álbum, "Breaking The Chains", que será lançado em breve. Obrigado pelo apoio!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Pegazus"


Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o temaMorte
Confira 15 das melhores músicas sobre o tema

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?Mustaine
Por que ele perdeu seu emprego no Metallica?


adClioIL