Dark Moor: por onde andam os membros da formação clássica?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samuel Coutinho, Fonte: Metal da Ilha
Enviar correções  |  Ver Acessos

A banda espanhola DARK MOOR, fundada pelo único membro original do grupo, Enrik Garcia, passou por idas e vindas em boa parte de sua carreira. Quando pensávamos que uma formação iria se concretizar, uma nova saída era anunciada, a começar pela formação clássica da banda. Os membros que ficaram eternizados no line-up do grupo constituíam de Elisa Martin no vocal, Enrik García na guitarra, Albert Maroto na outra guitarra, Anan Kaddouri no baixo e Jorge Saez na bateria, mas logo a banda acrescentou Roberto Peña no teclado, para gravarem seu primeiro disco "Shadowland". No decorrer da carreira, a banda lançou discos marcantes, como no caso dos dois álbuns seguintes, "The Hall of the Olden Dreams" (2000) e "The Gates of Oblivion" (2002).

Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosIron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O último disco com a formação clássica da banda ("The Gates of Oblivion"), contava com um set-list excelente. A faixa épica que encerra o disco, "Dies Irae (Amadeus)", é uma obra prima, com todas as influências sinfônicas que a banda explorava, resultado do bom gosto do guitarrista Enrik Garcia. De fato, a formação com Elisa Martin no vocal, deixou saudades. Ainda bem que hoje a banda conta com um ótimo vocalista que preencheu a vaga e caiu como uma luva na banda, Alfred Romero é hoje "O" vocalista do Dark Moor.

Em 2003, o grupo passaria pela mudança mais radical que uma banda poderia enfrentar, mais da metade do Dark Moor se desfez. A vocalista Elisa Martin, juntamente com o guitarrista Albert Maroto, o baterista Jorge Saez e o tecladista Roberto Peña saem, deixando para trás um novo desafio para a banda de Enrik Garcia. Elisa e companhia resolvem então montar outra banda (na qual veremos a seguir). Hoje, em 2015, descubra o que alguns membros da formação clássica da banda andam fazendo. Com uma boa ajuda do destino, todos os músicos ainda continuam atuando dentro do mundo do heavy metal, não deixaram suas funções para seguir outra carreira profissional.

Elisa Martin (vocalista)

Elisa tem uma voz que remetia facilmente ao Dark Moor, mesmo sendo uma banda com fortes influências clássicas, Elisa não era uma soprano ou algo do tipo, mas sua voz se encaixou muito bem com os temas das músicas. O Dark Moor é uma banda de metal sinfônico que se difere da maioria, eles nunca precisaram de um vocalista que cantasse lírico ou que usasse falsetes. Inicialmente a banda tinha Iván Urbistondo como vocalista, antes de efetivarem Elisa. Após sua saída do Dark Moor, Elisa foi acompanhada dos ex-membros da banda, Albert Maroto, Jorge Saez e Roberto Peña e formaram o DREAMAKER, com levadas fortes e mais agressividade nas músicas. Elisa já esteve por aqui no "Por Onde Anda", as informações podem ser adquiridas no link abaixo:

Elisa Martin: por onde anda a ex-vocalista do Dark Moor?

Para resumir e dar mais alguns detalhes, Elisa também passou pelo HAMKA, que em 2013 lançou o single "Earth's Call", marcando a volta da vocalista ao power metal, depois de sua passagem pela banda de hark rock STONED BY TRUCKERS. Esta última foi formada em 2008 com muita influência do hark rock dos anos 70, passando até pelo punk rock. O grupo tem como inspiração bandas como MOTÖRHEAD, L.A. GUNS, HELLACOPTERS e outras. Elisa participou da banda em 2011 onde gravou o EP "Get Stoned!" contendo duas músicas, "Pussy And Gasoline" e "The Colour And The Shape". Hoje Elisa continua envolvida efetivamente na música, onde participa de Master Classes, compartilhando suas técnicas e experiências com a música. É na escola Heavy Rock School que Elisa, com vários outros professores, ensinam na prática os macetes do canto moderno e vários outros cursos voltados a estilos como heavy, metal, death metal, progresivo, rock, blues, funk e muitos outros.

Anan Kaddouri (baixista)

O baixista esteve presente em duas formações da banda. Anan Kaddouri Garcia fez parte do Dark Moor entre os anos de 1996 à 2004. Ele gravou os álbuns com a formação clássica e continuou na banda mesmo depois do desligamento dos outros membros que resolveram sair. Kaddouri gravou um disco com a nova formação do Dark Moor, o álbum homônimo "Dark Moor". Ele foi o único membro que ficou na banda e ajudou Enrik a recrutar os novos músicos que viriam a seguir. Anan Kaddouri permaneceu no Dark Moor apenas para gravar o primeiro disco com a nova formação, depois disso ele também se desligou da banda, dando lugar ao novo baixista, Dani Fermandez. Atualmente, Kaddouri está com 41 anos e reside em Sevilla, Espanha. Curiosamente ele foi visto tocando um tipo de instrumento de fanfarra, possivelmente algo típico de seu país, aparentemente alguma apresentação festival local.

Roberto Peña (tecladista)

O tecladista Roberto Peña de Camús seguiu a vontade da maioria e decidiu ingressar na nova banda com Elisa e companhia. Antes mesmo dos membros remanescentes do Dark Moor formarem o Dremaker, Elisa, Jorge e Roberto Peña tocaram no EBONY ARK, banda de Madrid que mesclava power metal com progressivo. No Dremaker, Roberto gravou apenas o primeiro disco, "Human Device". Também focado ainda no mundo da música, Roberto continuou desempenhando seu papel como tecladista, a última banda que o músico tocou foi o ARWEN, na qual ficou até o ano passado. Nos últimos anos Roberto também esteve envolvido em um projeto de arte digital intitulado Alahkra, fornecendo logos e idéias para banners de diversos temas. Inclusive o artista chegou a criar um cartaz de divulgação do show que a banda brasileira TEMPESTT fez com Jeff Scott Soto em Madrid, que também teve a participação da banda que ele tocou, o Arwen.

Albert Maroto (guitarrista)

O responsável pelos solos rápidos no Dark Moor, o virtuoso guitarrista Alberto Maroto também foi um dos membros que embarcou juntamente com Elisa, Jorge e Roberto no Dremaker, na qual também atuou como produtor. Com a saída de Alberto do Dark Moor, percebeu-se que a banda ficou mais recuada e a sonoridade ganhou um tom mais simples e crú. Dentro do heavy metal, o Dremaker foi sua última banda, desde então o músico andou se aventurando em estilos mais leves, mas sem abandonar o rock 'n' roll. Nos tempos mais recentes, o guitarrista estava trabalhando em um projeto solo de hard rock, intitulado "Showbizz". Atualmente Alberto toca guitarra na banda da cantora e compositora espanhola, Patrícia Balmes. Mas seu grande amor e fascínio foi despertado em 2013, quando ele entrou para uma banda que toca covers dos BEATLES, o The Backties. Depois de alguns testes ele entrou para o grupo como guitarrista e vocalista, ficando a cargo principalmente dos temas de Paul McCartney.

Jorge Saez (baterista)

O especialista em pedal duplo, Jorge Saez ficou conhecido por usar quase que unanimemente sua técnica de pedal nas músicas do Dark Moor. As músicas mais rápidas ganhavam total ênfase, seja pelo uso continuo dos pedais ou por apenas um simples compasso de pivot. Ao vivo, Jorge se mostrava bem tranquilo na execução das músicas, parecia que ele não demonstrava esforço algum para desempenhar as passagens velozes das músicas mais rápidas da banda. O músico também foi um dos membros do Dremaker e Ebony Ark. Hoje em dia, Jorge Saez descarrega 100% sua pegada na banda de thrash metal RANCOR. A banda está com seu álbum mais recente, "Dark Future", lançado em 2013. O video clipe da música "Seas Of Lies" pode ser conferido abaixo:

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além dos membros remanescentes do Dark Moor, vieram outros que ocuparam as vagas dos que foram saindo, que também já foram substituídos por outros que entraram. Como é o caso do baixista Dani Fernandez, que substituiu Anan Kaddouri. Dani Fernandez entrou em 2004, onde gravou os álbuns "Beyond the Sea" e "Tarot". Hoje ele toca na banda de thrash metal HOLYCIDE. Também temos o baterista Andy C, que também fez um bicos como tecladista na banda. Andy tocou em várias bandas da Espanha, várias mesmo, um músico muito bem conceituado. Hoje, uma das bandas que ele integra, é o LORDS OF BLACK, que faz heavy metal puro e de primeira.

Abaixo eu deixo duas amostras das bandas destes dois membros que também fizeram parte da segunda formação do Dark Moor.

Holycyde:

Lords Of Black:

No mês passado, o último membro da formação mais recente a deixar o Dark Moor foi o baixista Mario García González. Mario agora toca em sua outra banda, o NOT TOO LATE, juntamente com seu ex-colega de Dark Moor, o baterista Roberto Cappa. Em seu lugar, entrou o veterano Ricardo Moreno, que tocou na lendária banda de Madrid, KNELL ODYSSEY. Ricardo também é guitarrista e poderá ajudar em muito nas composições de um novo álbum.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Dark Moor"


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal


Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosSlash
Guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos

Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Iron Maiden
O que a equipe consome quando vai a um pub?


Sobre Samuel Coutinho

Nascido no interior de SP no dia 15/12/1986, em uma cidade chamada Ilha Solteira, Samuel Coutinho se entregou ao heavy metal logo na adolescência. Seu forte sempre foi o heavy metal melódico, variando desde o prog-metal até ao power-metal.

Mais matérias de Samuel Coutinho no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280