Lynyrd Skynyrd: a história de "Sweet Home Alabama"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Schuh, Fonte: Wikipedia (adaptação), Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

“Sweet Home Alabama” é uma música da banda de Southern Rock LYNYRD SKYNYRD, lançado no seu segundo álbum, “Second Helping”. Apesar da controvérsia (ver abaixo), atingiu o oitavo lugar nas paradas americanas em 1974, e foi o segundo maior sucesso da banda (o primeiro é "Free Bird").

1466 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento5000 acessosSlayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo

Criação e gravação

Single da canção
Single da canção

Em um ensaio da banda, logo depois do baixista Ed King ter mudado para a guitarra, King ouviu o colega guitarrista Gary Rossington tocando um riff de guitarra que o inspirou (na verdade, esse riff pode ser ouvido na versão final da música e é tocado durante o verso, em contrapartida a principal progressão de acordes D-C+9-G). Em entrevistas, Ed King disse que, durante a noite seguinte ao ensaio, a música e os dois principais solos de guitarra surgiram para ele em um sonho, nota por nota. King, então, introduziu a música para a banda no dia seguinte. Também foi escrita nessa sessão de ensaios a música que segue “Sweet Home Alabama”, no álbum "Second Helping", “I Need You”.

Uma versão ao vivo dessa faixa, na coletânea “Collectybles”, situa a composição da canção durante o final do verão de 1973, e conforme a gravação ao vivo disponível na data de 30 de outubro de 1973.

A faixa foi gravada no Studio One, em Doraville, Georgia, apenas com Ed King, o baixista Wilkenson e o baterista Burns, que fizeram o acompanhamento básico da pré-gravação. Ed King usou um amplificador Marshall pertencente a Allen Collins. A guitarra usada na faixa foi uma Fender Stratocaster de 1972. Porém, King disse que a guitarra era um modelo bem fraco e tinha um captador ruim, o que o forçou a colocar o volume no máximo para conseguir um volume decente dela. Essa guitarra, agora, está exposta no Rock and Roll Hall of Fame Museum, em Cleveland, Ohio.

O famoso “Turn it up” (algo como aumenta isso), dito por Ronnie Van Zant no início da canção, não deveria aparecer na gravação. Van Zant estava apenas pedindo ao produtor Al Kooper e ao engenheiro Rodney Mills para aumentarem o volume dos seus fones de ouvido, para que ele pudesse ouvir melhor a faixa.

Existe um vocal semi-oculto no segundo verso depois de “Well, I heard Mr. Young sing about her”. No canal esquerdo, você pode ouvir a frase “Southern Man” sendo cantada suavemente (aproximadamente no 0:55). Isso era o produtor Al Kooper imitando a impressão de Neil Young, e foi apenas mais um incidente dos membros da banda bagunçando no estúdio, enquanto estavam gravando. De acordo com Leon Wilkeson, foi ideia de Kooper levar isso adiante e adicionar esse eco de “Southern Man” logo depois das linhas de Van Zant, em “better... keep your head”; “Don’t forget what your/good book says” e por aí vai. Mas Ronnie insistiu para que Kooper retirasse isso, pois não queriam plagiar ou chatear Neil Young. Kooper deixou, então, essa parte quase inaudível no canal esquerdo.

Logo após os dois “woos” (o primeiro de Leon, o segundo de Ed), no início do solo de piano (aproximadamente no 4:08), Van Zant pode ser ouvido improvisando “My, Montgomery’s (palavra intelegível) but it’s got the answer.” O “my” duplicado foi produzido por Kooper, desligando uma das duas tomadas vocais. Para o filme de 1976 do Lynyrd, “Free Bird”, essa linha final foi alterada para "Mr. (Jimmy) Carter got the answer", em alusão à eleição presidencial de 1976.

A contagem ouvida no início da faixa é falada por Ed King. A contagem no começo de cada faixa inicial de álbum é uma espécie de assinatura que o produtor Kooper normalmente colocava nos álbuns que fazia.


"Sweet Home Alabama" foi um sucesso de marca maior para a banda, cujos singles anteriores “preguiçosamente apareciam por aí, sem nenhuma objetividade.” Essa música levou-os a receber dois convites para aparecer em programas de rock na TV, porém ambos foram recusados. Além da aparição original no álbum "Second Helping", a canção consta em numerosas coletâneas e álbuns ao vivo.

Nenhum dos três compositores da música é originário do Alabama. Ronnie Van Zant e Gary Rossington nasceram em Jacksonville, Flórida. E Ed King em Glendale, Califórnia.

Controvérsia

"Sweet Home Alabama" foi escrita como uma resposta a duas músicas, “Southern Man” e “Alabama”, de Neil Young, que falavam de temas como racismo e escravidão no Sul dos Estados Unidos. “Nós pensávamos que Neil estivesse atirando em todos os patos para matar um ou dois,” disse Ronnie Van Zant naquela época. A resposta musical de Van Zant, porém, também foi controversa, com referências ao governador do Alabama, Goerge Wallace (um notório apoiador da segregação) e ao escândalo Watergate:

In Birmingham, they love the governor (boo boo boo)
Now we all did what we could do
Now Watergate does not bother me
Does your conscience bother you?
Tell me the truth

“Em Birmingham, eles amam o governador (boo boo boo)
Agora todos fizemos o que podemos fazer
Agora Watergate não me incomoda mais
A sua consciência lhe incomoda?
Diga-me a verdade”

Em 1975, Van Zant disse: “A letra sobre o governador do Alabama foi mal entendida. O público em geral não percebeu as palavras ‘Boo! Boo! Boo!’, depois dessa linha em particular, e a mídia pegou apenas a referência do povo amando o governador.” “A linha ‘We all did what we could do’ é, de certa forma, ambígua,”. Kooper avisa: “’Nós tentamos colocar Wallace pra fora’ é como eu sempre interpretei a letra. O jornalista Al Swenson argumenta que a canção é mais complexa do que geralmente pensam, sugerindo que simplesmente parece um apoio à Wallace. “Wallace e eu temos muito pouco em comum,” disse o próprio Van Zant, “Eu não gosto do que ele diz sobre as pessoas de cor.”

A linha final da canção indica que pode ser contra a discriminação racial: “Montgomery’s (palavra inteligível), mas isso teve resposta.”. Essa é uma referência ao boicote aos ônibus da Montgomery, que levou a Suprema Corte a declarar as leis de segregação racial, em ônibus no Alabama, de inconstitucionais.

Em 1976, Van Zant e a banda apoiaram Jimmy Carter em sua candidatura presidencial, incluindo levantar fundos e aparecendo no show beneficente no Gator Bowl.

"Muscle Shoals"

Um verso da canção inclui a linha “Now Muscle Shoals has got the Swampers/And they've been known to pick a song or two." Isso se refere à cidade de Muscle Shoals, Alabama, um lugar popular por gravações de música devido ao “som” produzido pelos estúdios locais e seus músicos de estúdio. “The Swampers”, se refere aos “Muscle Shoals Rhythm Section”. Esses músicos, que criaram o “Muscle Shoals Sound”, entraram para o Hall of Fame dos músicos do Alabama em 1995, premiados com o “LifeWork Award for Non-Performing Achievement” e para o Musician’s Hall of Fame em 2008 (os indicados foram os quatro membros fundadores dos Swampers - Barry Beckett, Roger Hawkins, David Hood, Jimmy Johnson — mais Pete Carr, Clayton Ivey, Randy McCormack, Will McFarlane, and Spooner Oldham). O apelido, “The Swampers” (algo como “Os Pantaneiros”), foi dado ao grupo pelo cantor/compositor Leon Russell.

Parte da referência vem da fita demo de 1971-1972 que o LYNYRD SKYNYRD gravou em Muscle Shoals com Johnson como produtor e engenheiro de som. Johnson ajudou a refinar muitas músicas ouvidas primeiramente no álbum “Pronounced” e foi o reconhecimento de Van Zant, por toda ajuda de Johnson, no início da carreira da banda.

LYNYRD SKYNYRD permanece ligada à Muscle Shoals, tendo gravado alguns trabalhos na cidade, além de ser parada obrigatória durante todas suas turnês.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de junho de 2012

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Juiz bloqueia lançamento de filme sobre a banda

1466 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Lynyrd Skynyrd"

Ultimate GuitarUltimate Guitar
Site elege os 100 melhores solos de guitarra

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Curiosidades e números sobre "Freebird"

Rock e MetalRock e Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Lynyrd Skynyrd"

SlayerSlayer
Quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo

Gene SimmonsGene Simmons
Sexo com vocalista do Linkin Park na cadeia?

Regis TadeuRegis Tadeu
"Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"

5000 acessosBruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante tours5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosNo alto do castelo há uma linda princesa...5000 acessosRest in Playlist: Médium conta o que rockstars mortos ouvem hoje5000 acessosRunaways: Lita Ford foi convidada para entrar no Led Zeppelin?5000 acessosNirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivo

Sobre Ricardo Schuh

Apreciador da boa música, que vai desde o velho blues até o metal. Fã de rock desde sua infância, por sorte tem um irmão que tinha um bom acervo de LPs e fitas cassete que serviram de passatempo por tardes ouvindo o antigo 3 em 1. Leitor assíduo de tudo relacionado ao rock, fã do Whiplash.net, decidiu colaborar com o site e ajudar a divulgar o bom e velho rock’n’roll e suas vertentes.

Mais matérias de Ricardo Schuh no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online