Matérias Mais Lidas

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemVangelis, compositor de cinema e lenda do prog rock grego, morre aos 79 anos

imagemDez músicas muito legais do Iron Maiden que não são cantadas por Bruce Dickinson

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemJames LaBrie fala sobre a possibilidade de trabalhar novamente com Mike Portnoy

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemMetallica divulga vídeo oficial de "Sad But True" ao vivo em Curitiba

imagemQuando Pete Townshend faltou a um show do The Who pra ir assistir o Pink Floyd

imagemLes Claypool, do Primus, explica por que não se tornou baixista do Metallica

imagemClassic Rock lista 15 músicas do saudoso Chris Cornell que você precisa conhecer

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa


PRB

Black Sabbath: Sabotage é o álbum mais maligno e poderoso da banda

Resenha - Sabotage - Black Sabbath

Por Ricardo Cunha
Fonte: Esteriltipo Blog
Em 16/07/20

publicidade

Nota: 10

Difícil falar sobre o que quer que seja sem que haja envolvimento prévio com o objeto de sua apreciação. Às vezes, ao contrário, o distanciamento é que se impõe como premissa básica. Nesse sentido, falar de Sabotage acabou se tornando um grande desafio, considerando a quantidade de textos tanto fantásticos quanto superficiais que se pode facilmente encontrar com uma rápida busca no Google.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No entanto, uma coisa me chamou a atenção: o fato que de todas (sem exceção) abordarem o disco muito mais com base nos fatos que circundam a produção, do que no que há de mais elementar por trás da referida obra, a essência.

É certo que tudo o que nos propomos a fazer acaba por incorporar elementos circunstanciais, como o próprio momento histórico, os acontecimentos pessoais, sociais, culturais e econômicos. Porém, se colocarmos essas questões em primeiro plano, como ficam os elementos diretamente ligados à essência da coisa? O que o artista sentia? o que ele idealizou? Quais suas expectativas quanto ao desejo de afetar as pessoas?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não tenho a pretensão de responder a todas essas questões, ao contrário, desejo provocar o leitor a perguntar pela essência da obra sobre a qual está debruçado.

Nesse contexto, para falar de Sabotage me predispus a analisar as letras das canções isoladas dos fatos cujo a teor é de conhecimento comum. Concluí que este é o disco em que mais o Sabbath pôs alma, no sentido de substância. Noutro sentido, um disco em que os músicos mais colocaram suas personalidades, de modo a fazer deste o álbum mais poderoso, maligno e pernicioso da banda.

"Perverso" no que diz respeito ao caráter, à personalidade do homem e, "maligno", em relação à maldade em essência. Mas o que isso tem a ver com a análise do disco? Bem, nesse disco o grupo mergulhou nos aspectos psiquiátricos e psicanalíticos de um sujeito conturbado com sua própria humanidade. Enxergou verdades obscuras e maldades inatas que no fundo, parecem refletir pura e simplesmente a imagem e semelhança de Deus.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Assim, apropriados de um conhecimento quase que clínico, o Sabbath escreveu temas absolutamente sombrios. De todo modo, para você que já ouviu e disco e está lendo esse texto agora, tenha em mente que para efeito dessa construção, não há fatos, apenas interpretações:

Em 1) Hole In The Sky, já começa relevando sua incredulidade na figura de uma Deus bíblico que provê e castiga de acordo com sua vontade imperscrutável; 2) Don’t Start (Too Late), que é instrumental (violão clássico), funciona como interlúdio para a peça mais conhecida do álbum, 3) Simpton Of the Universe que fala da natureza sempiterna do criador. A representação de um e Deus entediado capaz de criar universos, mas não de sentir alegria. 4) Megalomania, segue o discurso de uma homem atormentado diante de sua própria arrogância e poder. Todavia, quando começamos a ligar os pontos entre as canções, vemos com clareza que a letra não trata do homem, mas daquele que – segundo a bíblia – lhe atribui existência, 5) The Thril Of It All me parece uma espécie de escárnio através do qual a banda satiriza o poder curador/ressuscitador de Cristo. Está é uma das poucas contribuições de Ozzy para a banda. 6) Supertzar é uma instrumental no estilo de canto gregorianos antigo. Evoca sentimentos que podem variar de acordo com a experiência do ouvinte. No caso deste que vos escreve, remete aos filmes evangélicos dos anos 70. Música absurdamente alucinógena 7) Em Am i going insne (radio) aparece com mais clareza a persona do paranoico, do louco que produz todas as vozes (pensamentos) que materializam o conceito do álbum. 8) Em The Writ, última parte, da narrativa, ao contrário das escrituras (que nos diz como devemos ser e agir), e tal como num bom livro (que nos conduz em direção a algo que podemos ou não descobrir), não nos é revelado se a persona por trás das vozes é o homem comum ou o próprio Deus.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, o termo Sabotage se refere aos acontecimentos (problemas, erros e acertos) que circundam os músicos durante o processo de composição e gravação. Nesse contexto, a ideia surgiu de uma série de eventos aos quais o grupo esteve submetido no período que se iniciou no fim das turnês do disco anterior e se estendeu até aquele momento. É uma história específica dentro de um contexto de frustrações, de alívio e muito mais.

O resultado, como dito acima, é o álbum mais poderoso, mais maligno e pernicioso de toda a trajetória do Black Sabbath. Um clássico que influenciou a várias gerações de bandas de todos os estilos de Metal e que permanece atual ainda nos dias de hoje.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

FONTE: Esteriltipo Blog
https://wp.me/p16vjm-6Ss


Outras resenhas de Sabotage - Black Sabbath

Resenha - Sabotage - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Black Sabbath - Como nasceu a maior banda de Metal da História (vídeo)


Clube do Rock: Os 10 melhores Riffs de todos os tempos



Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha.