Billy F. Gibbons: chefão do ZZ Top em ótimo disco solo

Resenha - Big Bad Blues - Billy F. Gibbons

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Causou estranheza quando Billy Gibbons, vocalista e guitarrista do ZZ Top, anunciou o seu primeiro disco solo, "Perfectamundo", que saiu em 2015. E, ao ouvi-lo, ficou claro o motivo do lançamento: o álbum não trazia nada similar ao trio texano, mas sim uma sonoridade bastante influenciada pela música cubana, um das paixões de Gibbons, devidamente acompanhada pelo rock e pelo blues que marcaram a sua carreira.

ZZ Top: trailer de documentário sobre a banda é divulgadoRed Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o Loudwire

Três anos depois, o barbudo retornou com mais um trabalho solo, e desta vez a história é diferente. Em "Perfectamundo", as experimentações de Gibbons não caíram necessariamente nas graças dos fãs. Já em "The Big Bad Blues", como o título deixa claro, o terreno é mais seguro. O que temos em mãos é um álbum de blues em sua essência, com Billy Gibbons acompanhado de uma senhora banda formada por Austin Hanks (guitarra), James Harman (gaita de boca), Joe Hardy (baixo) e Matt Sorum (bateria, ex-Guns N' Roses, Velvet Revolver e The Cult). As onze músicas trazem canções originais e versões para clássicos de Muddy Waters e Bo Diddley, como a imortal "Rollin' and Tumblin'" e "Crackin' Up".

Mas a força de "The Big Bad Blues" está nas canções inéditas, como "Missin' Yo' Kissin", que abre o play. Escrita pela esposa de Gibbons, Gilly Stillwater, ela dá o tom do que virá a seguir: músicas muito bem feitas, embebidas profundamente no DNA blueseiro do guitarrista e carregadas de um inerente sentimento de diversão. A sonoridade difere do ZZ Top - cujo mais recente disco, o ótimo "La Futura", saiu em 2012 - principalmente pelo ritmo proporcionado pela dupla Joe Hardy e Matt Sorum, que produzem uma base mais solta que Dusty Hill e Frank Heard, gerando mais espaços para Gibbons voar e brincar com a sua guitarra. Até dá para classificar The Big Bad Blues como uma espécie de álbum do ZZ Top livre do peso e do legado da lenda que se tornou o trio natural do Texas.

Confesso que me surpreendi de maneira muito positiva com esse disco. Não esperava que ele fosse tão bom e que trilhasse, de modo geral, o mesmo universo da banda principal de Billy Gibbons. Os faixas são muito bem desenvolvidas e o disco é excelente, com uma performance sem críticas a todos os músicos. A presença de James Harman dá um tempero extra à receita, realçando a alma blues de Gibbons, que está cantando com aquele timbre rouco que só anos de estrada banhados a whisky e charutos é capaz de produzir.

"The Big Bad Blues" ganhou uma bela edição nacional pela Hellion Records, após a gravadora do ZZ Top aqui em nosso país tropical ter ignorando sumariamente o título. Vá atrás, porque vale muito a pena.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Billy Gibbons"Todas as matérias sobre "ZZ Top"


ZZ Top: trailer de documentário sobre a banda é divulgadoZZ Top: nova compilação celebra os cinquenta anos do trio

WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Dimebag Darrell: em 1993, citando suas 12 músicas favoritasDimebag Darrell
Em 1993, citando suas 12 músicas favoritas

Riffs parecidos: ZZ Top, Motorhead, Slayer, Metallica, A7X e outrosRiffs parecidos
ZZ Top, Motorhead, Slayer, Metallica, A7X e outros


Red Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o LoudwireRed Hot Chili Peppers
As melhores músicas segundo o Loudwire

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

Spin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os temposSpin
Os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos

Guitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a TimePostura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoScott Ian: os discos do Big 4 que ele mais gostaMetallica: James se considera um "straight edge renascido"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336