Matérias Mais Lidas

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemLuísa Sonza posta fotos com camiseta da banda de death metal Morbid Angel

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemO clássico dos Titãs que rádios preferiam pagar multa da censura do que deixar de tocar

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemA opinião de Ozzy sobre o "Black Album", do Metallica; "Chegou na hora e lugar certos"

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemO que mudou no rock dos anos 90 pra cá segundo Jimmy Page


Stamp

Phrygia: Talento e virtuose Made in Pernambuco

Resenha - Phrygia - Phrygia

Por João Dias
Em 19/04/19

Nota: 9

Desde o primeiro EP, Control, de 2016, a banda de progressive metal pernambucana Phrygia já trazia uma união de talento e virtuose fora de série. Poucas bandas conseguem unir isso de maneira tão eficaz ao ponto de não virar só mais um clone piegas do Dream Theater ou uma salada sonora amorfa, só uma "suruba" sonora. Pois bem, eles confirmam essa capacidade sonora em seu segundo EP, simplesmente nomeado "Phrygia". O EP de quatro faixas (sendo uma intro e uma outro, totalizando então duas músicas "de fato") parece uma profusão de influências as mais diversas, desde o prog rock do Rush, o metal progressivo de Fates Warning, Dream Theater e Symphonic X a um metal mais clássico do Deep Purple. A intro "Overture" deixa o clima de mistério do que virá, e logo a seguir vem a porrada de "Waltz of Death" e o vocal de Erick Jones que consegue modular entre os momentos mais melódicos e os mais agressivos com maestria. Remetendo a "As I Am" do Dream Theater, essa faixa é a mais forte do disco. Já "Voice of Darkness" já é mais cadenciada, e a casadinha de guitarras de Dayv Jones e Marcílio Cabral garantem a qualidade do produto, bem como a cozinha de Dinho Andrade (baixo) e Madjer Lopes (bateria), fazendo uma canção tão fantástica que emenda com a outro "Lunar", um fechamento suave e que nos dá a sensação real de termos saído de órbita após ouvir esse som. Vale demais a ouvida.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

01 - Overture
02 - Waltz of Death
03 - Voice of Darkness
04 - Lunar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre João Dias

Nascido em Pernambuco, licenciado em história pela UFPE. O rock'n roll entrou em sua vida ainda criança, mas somente na juventude passou a se dedicar como músico, divulgador de eventos, e ajudando a cena underground pernambucana e do Nordeste em geral, sendo redator de sites como Metal Land, Metal Cristão, Cristianismo e Underground, Mortifination e, claro, Whiplash.Net. Contatos através do seu site Christian Underground Pernambuco.

Mais matérias de João Dias.