Hempadura: banda marca ano político com seu melhor álbum

Resenha - Artigo 311 - Hempadura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar Correções  

9

Depois do grupo carioca El Efecto lançar o excelente Memórias do Fogo, mais uma banda brasileira marca um ano politicamente movimentado com música para ouvir e pensar: desta vez, falo do quarteto gaúcho de hardcore e metal alternativo Hempadura.

publicidade

Da mesma forma que Manifesto soava como uma continuação natural da estreia deles Mercado da Morte, Artigo 331, batizado em homenagem ao artigo que criminaliza o desacato em "alusão ao que todos nos [sic] como cidadãos deveríamos fazer todos os dias, desacatar todo esse sistema podre que rege nossas vidas!", conforme o grupo declara em seu Facebook oficial, mostra um Hempadura novamente superior ao que foi antes.

publicidade

Tal evolução se manifesta aqui na forma de composições mais maduras, produção mais polida e performances mais convincentes por parte de todos os membros, resultando naquele que é o melhor trabalho da banda até o momento.

Sem uma única faixa voltada para temas fúteis, Artigo 331 leva o ouvinte a um passeio de críticas ao sistema ("Círculo Vicioso", "Tratados Como Gado"), à brutalidade policial ("5 Tiros"), à manipulação midiática ("Sorria"), ao governo ("Queimem", "Ele Vai Temer"), entre outros.

publicidade

O álbum é essencialmente coeso (palavra que aqui significa "cheio de riffs pesados e vocais agressivos com toques de rap"), mas traz uma quantidade inédita de faixas singulares, a começar pela surpresa de nome "Viva a Revolução", instrumental com toques progressivos que fogem um pouco ao padrão do quarteto, mostrando que os rapazes não se importam de sair um pouco da zona de conforto.

publicidade

"Sorria", marcada por um riff de teclado que remete à versão ao vivo de "Pavimentação", dos Titãs, deixa a guitarra de lado, mas a ausência dela mal se sente devido à participação do rapper Vini Boca Braba. Ela é sucedida por outro destaque, "Hempa x Bomb", que traz a participação do Machete Bomb, uma das melhores bandas do Paraná, notória por suas letras politizadas sustentadas por uma deliciosa combinação de metal com samba.

publicidade

Mantendo-se firme na sua prática de lançar um disco a cada dois anos (feito bastante respeitável para um nome independente e - infelizmente - pouco conhecido), o Hempadura marca o ano em que teremos talvez uma das eleições mais acirradas desde a redemocratização com o seu melhor álbum até hoje.

Abaixo, o vídeo de "5 Tiros":

publicidade

Track-list:

1. "Círculo Vicioso"
2. "Tratados Como Gado"
3. "5 Tiros"
4. "Cidadão de Bem"
5. "Liberdade"
6. "Viva a Revolução"
7. "Sorria"
8. "Hempa x Bomb"
9. "Queimem!"
10. "A Sombra do Prédio no Morro"
11. "Ele Vai Temer"

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/artigo331



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin