Kiko Shred: metal neoclássico para os amantes dos anos 80!

Resenha - Stride - Kiko Shred

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Willba Dissidente
Enviar correções  |  Ver Acessos

Kiko Shred conheceu o mundo tocando guitarra e com seu novo disco solo, "The Stride", o mundo todo irá conhecê-lo. Vegetariano, o virtuose de Americana, interior de São Paulo, passou mais da metade dos seus 30 e poucos anos se dedicando ao estudo e a performance do instrumento de seis cordas, tendo ganho notoriedade primeiramente por integrar o grupo campineiro SLIPPERY. Kiko gravou ambos os registros do quinteto de Hard 'n' Heavy, "Follow your Dreams" e "First Blow". Com a pausa das atividades do mesmo (que persiste) Kiko passou a integrar em caráter permanente as bandas de apoio dos vocalistas Tim "Reaper" Owens (ex- JUDAS PRIEST, ICEAD EARTH) e Mike Vescera (ex- OBSSESSION, LOUDNESS, YNGWIE MALMSTEEN e DR. SIN) com os quais viajou o mundo divulgando seu shred guitar. Entre as tours, o intrépido e persistente musicista lançou seu primeiro disco solo, passou a lecionar guitarra e fazer parte do HELLWAY PATROL e da banda do soberbo vocalista Mario Pastore (ACID STORM, TAILGUNNERS) e se tornou "músico de aluguel" fazendo diversos covers pelas noites do Brasil. Tudo isso para chegar a "The Stride", o passo, que mostra a evolução de toda essa caminhada musical.

Gothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloHeavy Metal: O início do movimento e a origem do termo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Acompanhar a carreira de Kiko é ter a certeza de quanto o estudo e a prática te fazem melhor em tudo; e na guitarra não é diferente. Desde o primeiro EP do SLIPPERY às composições no full-length da banda, passando pelos discos solo, se nota o quão mais apurado e cheio de técnica foi ficando o modo do guitarrista tocar e compor. O avanço no método passa longe de ser uma metodologia ou mecanismo com fim em sí mesmos, já que mais que demonstrar perícia e competência nos estudos, Kiko esbanja aptidão e talento para compor riffs e melodias marcantes em meio a escalas e notas super-rápidas que seus dedos alcançam e esbanjam ao ouvinte.

Dignos de nota também são os músicos que, perdão do trocadilho, andam com Kiko em The Stride. Lucas Tagliari arrasa nos dumbos duplos, andamentos carregados e viradas quem encham o som. Ele é parceiro do guitar man desde os tempos de SLIPPERY (tendo aderido na tour de First Blow) estando junto com ele em todos os projetos citados na introdução. O vocalista Sérgio Faga é do tributo ao IRON MAIDEN chamado Children of The Beast e canta num tom alto e timbre próprio que nada lembram (ou devem) a Bruce Dickinson. O convidado Carlos Tomati, da banda de Jô Soares, é dos mais exímios e versáteis guitarristas do Brasil e só a curiosidade de sua incursão pelo Heavy Metal já vale o cd. Dos baixistas falaremos mais abaixo, pois como invitado na última faixa com voz temos o veterano estadunidense Mike Vescera cujas linhas vocais embalaram várias músicas de guitarristas notórios como Edu Ardanuy, Malmsteen, Akira Takasaki e outros dos melhores do mundo (além de serem influência para Kiko).

Já escrevemos o currículo de Kiko e das pessoas que labutaram em "The Stride", mas o que o disco tem a oferecer aos headbangers? Diferente de alguns guitarristas que fazem música para outros musicistas, "The Stride" é um disco de metal feito para quem curte Heavy Metal. Acertadamente o paly varia entre uma faixa com voz (com o baixista André Rudge) e uma instrumental (nas quais as quatro cordas ficaram sob a tutela de Will Costa). Tal elencamento de temas não o torna a audição massante e valoriza as parede sonora de ritmos, texturas e momentos compostos pelo guitarrista. Para quem ainda não sabe o shredding guitar é uma técnica que adapta o modo de tocar do violinista Paganini ao rock dando enfase aos tapping, hammer on e pull off e muita velocidade virtuosa em detrimento à experimentação. Tal inovação feita por nomes como Uli Jon Roth (SCORPIONS) e Ritchie Blackmore (RAINBOW, DEEP PURPLE) viria a influenciar nomes como Steve vai, Walter Giardino (RATA BLANCA, TEMPLE), o chamado Heavy Metal Neoclássico, e é o ponto principal da música de Kiko, que leva o Shred de sobrenome. Vale lembrar que diferente do SYMPHONY X ou do RHAPSODY, o virtuosismo de Kiko é mais focado no tripé baixo - bateria e guitarra com um teclado de fundo; sendo assim fãs de outros instrumentos também solistas (como teclado, violino etc) podem vir a estranhar "a simplicidade" no som.

A abertura com "The Templar Knight" lembra o power metal de STRATOVARIUS , só que com riffs mais hardeiros e vocais mais puxados para o melódico. O mesmo podemos dizer de "Deah Match", uma das mais pesados do play, em que os solos mais curtos lembram o feeling de Gary Moore (THIN LIZZY) e Michael Schenker (UFO, MSG). A faixa título "The Stride" com seus solos dobrados só nos faz pensar que se Kiko tivesse surgido nos anos oitenta desbancaria todos os guitarristas brasileiros da época (talvez à exceção de ROBERTINHO DE RECIFE) e está em nível de paridade com os maiores talentos nacionais e internacionais. "L.V.X." ("luz" em latim) é a faixa instrumental que mais chama atenção no disco: começa lenta, dedilhada, entra uma distorção até acelerar a um heavy com nuances de Thrash Metal e depois vai perdendo peso e agressividade até encerrar como começou. "Chorozon Club"é mais hardeira setentista, e ao mostrar tarimba de Kiko ao compor nesse estilo dá espaço para os demais músicos; inclusive essa faixa tem a linha de baixo mais legal do trampo. "Reach for the Sky" poderia ser um som do SLIPPERY e é uma semi-balada Hard 'n' Heavy que é destaque absoluto do disco. Uma pena que a letra dela no encarte esteja escrita fora de ordem. "True Emotions" é blues acelerado que passa ao Hard Metal e tem o melhor refrão. É uma pena que um trabalho tão impecável de produção sonora e visualmente tão bonito com o encarte todo em vermelho, com fogo e piramide tenha vindo faltando uma parte da letra desse tema. A participação de Michael Vescera no tema "Straight Ahead" é num Hard Metal arrasta quarteirão com letras de auto-ajuda (como muitas do SLIPPERY) em que o riff do começo é o mesmo do refrão. Esse número tem também as melhores baterias da bolachinha, notadamente pelo uso certeiro dos pedais duplos feitos por Lucas Tagliari. "Time to Relax" é como se fosse uma música lenta, algo como " música de elevador versão Steve Vai", mas nem por isso menos interessante. De fato, esse é um dos poucos discos instrumentais de guitarrista que não se torna entediante e todas as composições são válidas de se ouvir. Encerrando, "Too Much", trocadilho com tomate poderia se chamar "Too Many Solos", e são muitos mesmo, com leads e bases de se arrepiar, inclusive há um lead repetitivo muito legal que evidencia muita velocidade e técnica, com partes limpas constatando com bumbos dobrados.

Finalizando, "The Stride", mostra evidente avanço técnico e de composições de Kiko Shred em comparação aos seus trabalhos anteriores, além de conseguir cativar o ouvinte que não é necessariamente guitarrista ou musicista. Virtualmente perfeito, esse é um disco que mostra um passo a frente na caminhada de Shred para se consolidar como um dos maiores nomes da guitarra brasileira acelerada ao Metal. Esperemos pelos próximos strides dessa marcha!

Kiko Shred já se encontra gravando seu terceiro disco solo que terá Mario Pastore como vocalista em todas as faixas e será produzido pelos irmãos Busic do DR.SIN.

Quem se interessar pode adquirir "The Stride" direto com músico pela sua página oficial no facebook, ou pelas lojas DIE HARD (Galeria do Rock SP) e HEAVY METAL ROCK (Americana / SP).

Indicado para os fãs de Michael Harris (ZANISTER), Joey Tafolla (disco "Out of the Sun"), Timo Tolki, Yngwie Malmsteen, Jason Becker, James Byrd e os outros guitarristas citados.

KIKO SHRED:

Kiko Shred: guitarras, teclados e backing vocals.
Sérgio Faga: vocal principal.
Lucas Tagliari: bateria.
*
André Rudge: baixo nas músicas com vocal.
Will Costa: baixo nas faixas instrumentais.
*
Mike Vescera - vocalista convidado na faixa "Straight Ahead".
Carlos Tomati (banda do Jô Soares) - guitarrista convidado na faixa "Too Much".

Discografia:

Riding the Storm (Cd, Full-Length, 2015)
The Stride (Cd, Full Length, 2017)

The Stride - Nacional - Independente - 46:18

01 . The Templar Knight (05:22)
02 . The Stride (04:44)*
03 . Reach For the Sky (04:16)
04 . L.V.X. (05:39)*
05 . Death Match (04:13)
06 . Chorozon Club (03:52)*
07 . True Emotions (05:15)
08 . Time To Relax (03:58)*
09 . Straight Ahead (05:16)
10 . Too Much (03:43)*

(*) Faixas Instrumentais.

KIKO SHRED tem patrocínio de Tesla pickups Brasil, SOLEZ Strings,Tuning Guitar parts, Fuhrmann, Tecniforte Cables ,Hiwatt UK , Hinke Guitars.

Facebook:
https://www.facebook.com/kikoshredguitar/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kiko Shred"


Gothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloGothic Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Heavy Metal: O início do movimento e a origem do termoHeavy Metal
O início do movimento e a origem do termo


Sobre Willba Dissidente

Willba Dissidente é fã das bandas de hard rock dos anos 70 e 80 e de metal oitentista dos mais variados países. Quem quiser saber mais deve acessar seu canal no youtube. Obrigado! Stay Hard (True As Steel)!

Mais matérias de Willba Dissidente no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336