Body Count: Raça, classe e violência sob um ponto de vista pessoal

Resenha - Bloodlust - Body Count

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
ENVIAR CORREÇÕES  

publicidade

Em 1992 o RAP estava na moda. Auge dos bailes funk, que movimentavam as periferias nos clubes espalhados pelos país. Ambiente no qual o RAP também predominava. Naquelas festas as principais atrações eram a "equipes de som" que colocavam "música eletrônica" para fazer a cabeça da juventude naquele momento de abertura econômica…

Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na mesma ocasião, por volta dos 17/18, ensaiava meus primeiros "ficas", mas as garotas eram bem cruéis então normalmente me sentia frustrado por "agarrar" quase ninguém. Foi mais ou menos nesse cenário que comecei a gostar de rock, com pouca referência ao estilo mas, sob um forte sentimento de inadequação. Assim, fui guiado pelos próprios instintos para a música pesada. E nesse sentido, o Body Count, como umas das primeiras bandas a misturar RAP com Metal, acabou servindo como uma influência direta para que viesse a assumir meu gosto pelo rock pesado. Começava ali, a expurgar toda espécie de sentimentos de revolta e de inconformismo, pois a música dos caras funcionava como uma espécie de resgate do sentimento punk do final dos 70, que só fui experimentar de verdade, bem mais a frente.

Hoje, com Bloodlust tenho a oportunidade de reviver todo aquele vapor dos anos 90. Aliás, desde Cop Killer não ouço um som tão "puto" como esse. E o mais interessante é que, apesar da atualidade, os temas continuam absolutamente os mesmos. De acordo com as palavras de Ice-T, líder do grupo: "Este disco em particular imerge em elementos de raça, classe social e violência sob um ponto de vista muito pessoal. O disco conta com convidados especialíssimos como é o caso de Dave Mustaine participando em "Civil War"; Max Cavalera, em "All Love is Lost"; e Randy Blythe, do Lamb Of God, em "Walk With Me...". Destaque também para os covers primorosos de Raining in Blood/Postmortem, do Slayer.

Tracklist:

01 - Civil War
02 - The Ski Mask Way
03 - This Is Why We Ride
04 - All Love Is Lost
05 - Raining in Blood / Postmortem 2017
06 - God, Please Believe Me
07 - Walk With Me...
08 - Here I Go Again
09 - No Lives Matter
10 - Bloodlust
11 - Black Hoodie

Nota 9.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Nu-Metal: 10 trabalhos que definem as raízes do gêneroNu-Metal
10 trabalhos que definem as raízes do gênero

Rock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 2018Rock And Roll Hall Of Fame
10 bandas elegíveis para 2018


Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL