Body Count: Raça, classe e violência sob um ponto de vista pessoal

Resenha - Bloodlust - Body Count

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em 1992 o RAP estava na moda. Auge dos bailes funk, que movimentavam as periferias nos clubes espalhados pelos país. Ambiente no qual o RAP também predominava. Naquelas festas as principais atrações eram a "equipes de som" que colocavam "música eletrônica" para fazer a cabeça da juventude naquele momento de abertura econômica...

Wacken 2019: assista shows de Opeth, Demons & Wizards e mais da quinta e sextaGigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000

Na mesma ocasião, por volta dos 17/18, ensaiava meus primeiros "ficas", mas as garotas eram bem cruéis então normalmente me sentia frustrado por "agarrar" quase ninguém. Foi mais ou menos nesse cenário que comecei a gostar de rock, com pouca referência ao estilo mas, sob um forte sentimento de inadequação. Assim, fui guiado pelos próprios instintos para a música pesada. E nesse sentido, o Body Count, como umas das primeiras bandas a misturar RAP com Metal, acabou servindo como uma influência direta para que viesse a assumir meu gosto pelo rock pesado. Começava ali, a expurgar toda espécie de sentimentos de revolta e de inconformismo, pois a música dos caras funcionava como uma espécie de resgate do sentimento punk do final dos 70, que só fui experimentar de verdade, bem mais a frente.

Hoje, com Bloodlust tenho a oportunidade de reviver todo aquele vapor dos anos 90. Aliás, desde Cop Killer não ouço um som tão "puto" como esse. E o mais interessante é que, apesar da atualidade, os temas continuam absolutamente os mesmos. De acordo com as palavras de Ice-T, líder do grupo: "Este disco em particular imerge em elementos de raça, classe social e violência sob um ponto de vista muito pessoal. O disco conta com convidados especialíssimos como é o caso de Dave Mustaine participando em "Civil War"; Max Cavalera, em "All Love is Lost"; e Randy Blythe, do Lamb Of God, em "Walk With Me...". Destaque também para os covers primorosos de Raining in Blood/Postmortem, do Slayer.

Tracklist:

01 - Civil War
02 - The Ski Mask Way
03 - This Is Why We Ride
04 - All Love Is Lost
05 - Raining in Blood / Postmortem 2017
06 - God, Please Believe Me
07 - Walk With Me...
08 - Here I Go Again
09 - No Lives Matter
10 - Bloodlust
11 - Black Hoodie

Nota 9.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Body Count"


Wacken 2019: assista shows de Opeth, Demons & Wizards e mais da quinta e sextaWacken 2019
Assista shows de Opeth, Demons & Wizards e mais da quinta e sexta

Nu-Metal: 10 trabalhos que definem as raízes do gêneroNu-Metal
10 trabalhos que definem as raízes do gênero

Rock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 2018Rock And Roll Hall Of Fame
10 bandas elegíveis para 2018


Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000

Megadeth: as 10 maiores tretas de Dave MustaineMegadeth
As 10 maiores tretas de Dave Mustaine

Galeria - Mais que instrumentos, obras de arteGaleria - Mais que instrumentos, obras de arte

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosDossiê Guns N' Roses
A versão de Slash para os fatos

Cretin: transexual rompe barreiras no metal extremoCretin
Transexual rompe barreiras no metal extremo


Sobre Ricardo Cunha

Apaixonado por música e estudante de Filosofia, juntou os interesses para escrever principalmente sobre rock e metal.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336