Sinister: experiência ao fazer death metal de qualidade

Resenha - Syncretism - Sinister

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Pescada
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

Ter a experiência de quase 30 anos faz uma baita diferença na história de qualquer um. Cria respeito, dá prestígio e serve de exemplo aos mais jovens.

Polêmica: as músicas mais controversas da história do RockRolling Stones: as 10 melhores segundo a... Rolling Stone

Para os experientes holandeses do SINISTER, o lançamento de "Syncretism" (2017) mostra que a banda ainda tem muito a oferecer. O disco pode figurar como um dos melhores discos de death metal do ano tranquilamente.

E o que você vai ouvir de tão bom assim em "Syncretism"? Meu amigo, death metal old school, das antigas, raiz, enfim, o nome que você quiser dar, feito de uma forma muito competente e com passagens que deixam as faixas diferenciadas uma das outras, sem fazer com que o disco soe como um bloco maciço de músicas.

Então quer dizer que os caras mudaram? Não necessariamente, afinal a essência está ali: death metal bruto, sem dó, com riffs cortantes e bateria socando. O que fizeram, sabiamente, foi colocar partes mais elaboradas nas músicas como forma de sair do lugar comum e se destacar na miríade de bandas de hoje.

Ouça os teclados em faixas como "Rite Of The Blood Eagle", "Black Slithering Mass" e "Confession Before Slaughter": sutil, mas suficiente para dar aquele ar fúnebre e perdão da palavra, sinistro as músicas.

Para quem gosta de death metal e procura ouvir músicas diferentes mantendo a essência do estilo, "Syncretism" é um disco que deve ser ouvido. Em tempo: a Hellion Records lançou a versão nacional, sem desculpas para não ouvir esse petardo.

Talvez o segredo do SINISTER nesses anos todos seja mesmo gostar do que se faz, afinal, como clama a banda na sua página no Facebook, "AMOR PELO DEATH METAL!!!!!!!"

Confira a faixa de abertura "Neurophobic".

Formação:
Aad Kloosterwaard - vocais
Dennis Hartog - guitarras
Ricardo Falcon - guitarras
Toep Duin - bateria
Ghislain Van Der Stel - baixo
Carsten Altena - teclados

Faixas:
01 Neurophobic death bruto depois de uma sinistra intro
02 Convulsions Of Christ
03 Blood-Soaked Domain
04 Dominance By Acquisition
05 Syncretism
06 Black Slithering Mass
07 Rite Of The Blood Eagle
08 The Canonical Rights
09 Confession Before Slaughter



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sinister"


Polêmica: as músicas mais controversas da história do RockPolêmica
As músicas mais controversas da história do Rock

Rolling Stones: as 10 melhores segundo a... Rolling StoneRolling Stones
As 10 melhores segundo a... Rolling Stone

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave MustaineElectra Mustaine
A linda filha do Sr. Dave Mustaine

Iron Maiden: a música Wasting Love é um Plágio?Iron Maiden
A música "Wasting Love" é um Plágio?

W.A.S.P.: Lawless teve a mesma coisa que Michael Jackson!W.A.S.P.
Lawless teve "a mesma coisa" que Michael Jackson!

Rock: as dez lendas mais macabras do gêneroRock
As dez lendas mais macabras do gênero


Sobre Mário Pescada

Mineiro, leitor compulsivo, ouvinte de todas as vertentes do rock - do blues ao grindcore. Valoriza mais a honestidade e entrega em cima do palco do que a técnica. Guarda os flyers dos shows que vai como se fossem relíquias.

Mais matérias de Mário Pescada no Whiplash.Net.