Amber Galactica: excelente álbum, repleto de músicas cativantes

Resenha - Night Flight Orchestra - Amber Galactica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

The Night Flight Orchestra: Esses caras sabem fazer um som inspirado no Classic Rock e Melodic Rock com propriedade! Se o Melodic Rock, AOR ou o Rock de Arena não vendem milhões como nos anos 80, pelo menos temos certeza de que ainda possuem uma base consistente de fãs. É só ver o crescimento da gravadora Frontiers, especializada no estilo, e também a quantidade de lançamentos desse pessoal dos anos 70 e 80, seja com as bandas originais ou novos projetos, e ainda, fazem tour e shows de grande porte, a exemplo das bem sucedidas tours de Toto, Journey, Asia, Kansas e outros. Neste contexto, também vimos surgir vários novos nomes fazendo música inspirados pelo estilo, e chamando a atenção de outras gravadoras, e o The Night Flight Orchestra é um desses nomes, que lança seu terceiro álbum, agora pela Nuclear Blast.

Kerrang!: álbuns fantásticos com capas constrangedorasNirvana: "Kurt Cobain era meio pau no cu", diz produtor

"Amber Galactic", este terceiro disco do projeto formado por membros do Soilwork (Björn Strid e David Andersson) e Arch Enemy (Sharlee D' Angelo), traz novamente as influências do Classic Rock 70's, mas mais evidentes aqui o Rock de Arena dos anos 80, com aquele acento Pop, além de elementos do Space Rock e do Progressivo (mais puxado para o dos anos 80, que tinha uma roupagem mais "radiofônica"), e pitadas de Soul e até Disco, resultando numa sonoridade muito agradável e cativante, com muito suingue e energia positiva! É bem legal também a estética da arte, num estilo "futurístico vintage", que lembra o filme Tron.

"Midnight Flyer" abre o álbum, e é curioso ouvir uma voz feminina falando em português na introdução inicial, e também no final da música. É uma música vibrante e enérgica, onde já salta aos olhos os excelentes ganchos, com melodias pegajosas, tanto por parte dos vocais como do instrumental, algo recorrente por todo o álbum; "Star of Rio" (hum...mais uma referência ao Brasil) traz a pegada Classic Rock com suingue, é algo que eles fazem com maestria, e aqui ainda os backing vocals de soul music (uma novidade que funcionou muito bem no álbum foi a adição dos backing vocals femininos) e as palmas no refrão tornam a música ainda mais cativante.

"Gemini" traz irresistíveis refrãos e backing vocals, breaks bem legais, e uma batida cativante, que modula algo da Disco Music. Impossível não ficar cantarolando as melodias! Um Hit pronto!; "Sad State of Affairs" e seu riff de guitarra me lembraram algo de Kiss clássico, pela sua levada mais Rock & Roll; "Jennie", ah, canções com nome de mulher, bem anos 80! O começo progressivo me lembrou Kansas, e o refrão segue o estilo baladas AOR clássicas, com um certo acento pop. Finalizada com um clima sensual, com a garota falando em francês.

Mas mais anos 80 que "Domino" acho que não tem no álbum! Seguindo um estilo que lembra muito o ToTo em seus momentos mais "radiofônicos". Sintetizadores, percussões e os vocais de Strid são o destaque (novamente mostra muita desenvoltura e recursos), numa canção também cheia de suingue. Falei em ToTo, ela tem uma batida e estilo que lembra a "Africa", mega hit do grupo; em seguida, mais uma com nome de mulher, "Josephine", e banda sempre me lembrou Thin Lizzy, desde seu primeiro álbum, e esta, e alguns outros momentos, me remetem a banda de Phil Lynnot, por causa desse suingue e influências de Black Music. Destaque absoluto para as melodias dos teclados e os backing vocals, sendo que o solo de guitarra também merece menção.

"Space Whisperer" tem muita energia, e o destaque aqui, além da pegada, são os teclados e sintetizadores e as melodias do refrão, que me trouxeram uma certa sensação de saudosismo, certamente por essa aura 80's bem acentuada; "Something Mysterious" se fosse lançada nos anos 80 certamente estaria nos charts da época, uma peça em mid-tempo herdeira direta dos hits Melodic Rock e AOR daquela era. Batida cativante, suingada, teclados e refrãos irresistíveis!

"Saturn in Velvet", mergulha mais no Progressivo, mas também traz doses de Classic Rock e nuances da Black Music; Temos ainda, apesar de não estar relacionada na capa, a faixa bônus "Just Another Night" na versão lançada pela Shinigami, faixa também carregada de ritmo e suingue, temperada pelos teclados, percussões e saxofone.

Impossível ouvir e já não sair imediatamente batendo o pé, batucando na mesa ou estalando os dedos para acompanhar o ritmo cativante das músicas, e sem ficar com as melodias na cabeça. A banda reproduz com feeling e propriedade (muita propriedade! Realmente convencem) aquela música acessível e "comercial" dos anos 80, com um pé nos 70's, e ainda com uma sonoridade e produção mais atual, enfatizando as melodias "grudentas". Excelente álbum, repleto de músicas cativantes, ótimas melodias, energizantes e com um arzinho saudosista. Diversão pura! Recomendo!

Tracklist:
01. Midnight Flyer
02. Star Of Rio
03. Gemini
04. Sad State Of Affairs
05. Jennie
06. Domino
07. Josephine
08. Space Whisperer
09. Something Mysterious
10. Saturn In Velvet




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Night Flight Orchestra"Todas as matérias sobre "Soilwork"Todas as matérias sobre "Arch Enemy"


Kerrang!: álbuns fantásticos com capas constrangedorasKerrang!
álbuns fantásticos com capas constrangedoras

The Agonist: Alissa White-Gluz rebate Vicky Psarakis e nega querer derrubar a bandaThe Agonist
Alissa White-Gluz rebate Vicky Psarakis e nega querer derrubar a banda

The Agonist: Alissa tenta matar a banda desde que foi demitida, diz Vicky PsarakisThe Agonist
"Alissa tenta matar a banda desde que foi demitida", diz Vicky Psarakis

Babymetal: Sabaton, Arch Enemy e rapper participam de novo álbumBabymetal
Sabaton, Arch Enemy e rapper participam de novo álbum

Arch Enemy quase mudou nome após entrada de AngelaArch Enemy quase mudou nome após entrada de Angela

Gustavo Sazes: obras de arte em capas de álbuns de grandes bandasGustavo Sazes
Obras de arte em capas de álbuns de grandes bandas

Doyle: Alisse White-Gluz me faz chorar quando malhamosDoyle
"Alisse White-Gluz me faz chorar quando malhamos"


Nirvana: Kurt Cobain era meio pau no cu, diz produtorNirvana
"Kurt Cobain era meio pau no cu", diz produtor

Músicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio BlogMúsicas ruins
As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Ozzy Osbourne: o morcego era quente e crocanteOzzy Osbourne
"o morcego era quente e crocante"

Metallica: Hammett aprovou cover de irmãs mexicanasMetallica
Hammett aprovou cover de irmãs mexicanas

Mayhem: banda levou restos humanos para o palco em 2011Mayhem
Banda levou restos humanos para o palco em 2011


Sobre Carlos Garcia

Antes de tudo sou um colecionador, que começou a cair de cabeça no Metal e Classic Rock quando o Kiss esteve no Brasil em 1983, a partir daí não parei mais. Criei fanzines, como o Zine Barulho, além de colaborar com outros zines e depois web zines e sites, como os saudosos Metal Attack e All the Bangers. Atualmente sou um dos editores e redator do Road to Metal. O melhor de tudo são as amizades que fazemos, além do contato e até amizade com alguns de nossos heróis.

Mais matérias de Carlos Garcia no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336