GLAY: banda troca o experimentalismo pelo som antigo

Resenha - Summerdelics - GLAY

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

Desde 2014, quando lançou o bom Music Life, o quarteto de pop rock japonês GLAY vinha emplacando músicas inéditas em trilhas de animes, eventos esportivos e comerciais. Eis que, em 2017, resolvem juntá-las com outras mais novas em um disco, Summerdelics, seu décimo quarto.

Ricardo Confessori: "Iron Maiden, aposenta logo!"Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Nitidamente um trabalho de "volta às raízes", o álbum vê a banda retornar ao som mais simples e despretensioso dos anos 2000. Isso não quer dizer que o lançamento é ruim. Não, não, longe disso. O GLAY nunca foi menos do que razoável. O problema de Summerdelics é que seus três predecessores (Justice, Guilty e o já mencionado Music Life) exibiam um direcionamento musical mais elaborado e que, no geral, estava funcionando muito bem.

Mas o que prevalece neste lançamento são aquelas faixas bem glayanas mesmo. Difíceis de descrever em palavras, só quem conhece sabe do que estou falando. Tem aquele tom de música de anime infantojuvenil, mas com uma roupagem ainda adulta. Isso fica ainda mais curioso quando percebemos que o guitarrista Takuro não ficou responsável pela maioria isolada das composições e letras, como normalmente se fazia. O outro guitarrista, Hisashi, ganhou considerável espaço, fora as contribuições esporádicas do baixista Jiro e o vocalista Teru.

Ainda sobrou espaço, graças a Dio, para faixas mais elaboradas, como a ótima "Seija no Inai Machi". E mesmo entre as mais do mesmo, qualquer um se anima com "XYZ", "Heroes" ou "Lifetime".

Summerdelics é a banda sinalizando o fim de sua frutífera aventura musical e o retorno ao som de sempre, que não é ruim, mas não traz nada de novo. Talvez o melhor caminho teria sido sentar no estúdio e escrever tudo do zero, em vez de aproveitar trabalhos compostos isolada e esporadicamente nos últimos anos.

Abaixo, a faixa "Supernova Express 2017":

Track-list:
1. "Sin Zombie"
2. "Binetsu Agirl Summer"
3. "XYZ"
4. "Chou Onsoku Desutini"
5. "Ronguran"
6. "The Other End of the Globe"
7. "Desutopia"
8. "Heroes"
09. "Summerdelics"
10. "Sora ga Aozora de Aru Tame Ni"
11. "Scoop"
12. "Seija no Inai Machi"
13. "Supernova Express 2017"
14. "Lifetime"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Glay"


Ricardo Confessori: Iron Maiden, aposenta logo!Ricardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock

Gorgoroth: As orientações sexuais e políticas de GaahlGorgoroth
As orientações sexuais e políticas de Gaahl

Thin Lizzy, Metallica: A história de Whiskey in the JarThin Lizzy, Metallica
A história de "Whiskey in the Jar"

Oh, não!: clássicos que foram estragados pelo tempoOh, não!
Clássicos que foram "estragados" pelo tempo

David Gilmour: guitarristas que usam Fender são mais reconhecíveisDavid Gilmour
"guitarristas que usam Fender são mais reconhecíveis"

Marty Friedman: Ele enjoou do metal e do MegadethMarty Friedman
Ele enjoou do metal e do Megadeth


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336