Dio: Gloriosa despedida do Mago da Voz em seu último full-length

Resenha - Master Of The Moon - Dio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Rocha
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Toda mágica tem seu segredo e fim...

O décimo full-length da banda Dio, "Master Of The Moon", é marcado pelo segundo retorno do guitarrista Craig Goldy, desta feita no lugar de Doug Aldrich, que foi para o Whitesnake, e pela saída do baixista de longa data Jimmy Bain, substituído por Jeff Pilson (Foreigner, ex-Dokken).

O plano de Ronnie James Dio era compor a continuação da história iniciada em "Magica" (2000), que formaria uma trilogia com o lançamento de "Magica II" e "Magica III". Porém, com a departura do saudoso Jimmy Bain, Dio resolveu deixar o projeto engavetado e considerou tomar uma sonoridade mais direta em "Master Of The Moon".

Com a formação fechada em Dio, Goldy, Pilson, o grande baterista Simon Wright e o elegante tecladista Scott Warren, sob produção de Ronnie James Dio, a banda se concentrou nos estúdios Total Access, Califórnia, para a gravação de "Master Of The Moon", lançado dia 30 de agosto de 2004 via Sanctuary Records na América do Norte e pela SPV/Steamhammer na Europa. O responsável pela formidável arte de capa foi Marc Sasso, que já havia feito a arte de "Killing The Dragon" (2002). De clima mais sério que o de seu antecessor, o disco traz dez músicas que totalizam 46 minutos do mais puro Heavy Metal que Dio ensinou a executar nos anos 80 e que seus fãs de fato esperavam. É o registro dos anos 2000 que mais lembra a fase clássica dos anos 80. Até porque a mão de Craig Goldy parece até que foi forjada para executar clássicos do mestre Ronnie. "Magica" também tinha Goldy, mas é um disco notório pelas suas peculiaridades.

Temos aqui músicas rápidas como "One More For The Road" e "Living The Lie", peças reflexivas como a bela faixa-título, "The Man Who Would Be King" e "The Eyes" e a ritmada "Shivers". Um destaque a parte vai para a música que encerra o disco, "In Dreams", uma das mais lindas e marcantes composições da história da banda de Ronnie. No geral, "Master Of The Moon" não esconde segredos para quem conhece a banda. Toda a pura essência de Dio está aqui, honestamente. As músicas são guiadas principalmente pelas interpretações soberbas de Dio, emolduradas por riffs e solos conscientes de Goldy, baixo pesado, bateria cadenciada e camas de teclados que criam a atmosfera certa para as histórias contadas pelo Homem da Montanha de Prata. Em suma, é um dos melhores trabalhos da banda Dio. Não tem o status de clássico tão-somente por ter sido criado na época errada.

"Eu penso que 'Killing The Dragon' é um pouco mais alegre, um pouco", falou Dio ao site Electric Basement, em 2004. "'Master Of The Moon' veio em meio a terrorismo, guerra, aquecimento global, centenas de milhares de pessoas morrendo na África por AIDS. Eu sou uma pessoa do mundo. Então estas coisas me afligem, e colorem minhas composições; são músicas mais realistas."

Devido à compromissos pessoais e seus novos compromissos com o Foreigner, o baixista Jeff Pilson, que já havia gravado "Strange Highways" (1993) e "Angry Machines" (1996), ficou na banda somente para a gravação do álbum, sendo substituído prontamente pela lenda Rudy Sarzo (ex-Ozzy Osbourne, Whitesnake, Blue Öyster Cult, etc.) na turnê subsequente. Turnê esta que contou também com um rápido retorno de Doug Aldrich, que inclusive gravou o registro ao vivo "Holy Diver Live" (2006).

"Master Of The Moon" foi o último full-length de Ronnie James Dio sob seu próprio nome. A continuação de "Magica" teve que ser adiada devido ao engaje do cantor na banda Heaven & Hell com seus companheiros de Black Sabbath Tony Iommi, Geezer Butler e Vinny Appice. Mas, lamentavelmente, a mágica não só foi adiada, como também interrompida perpetuamente.

Ronald James Padavona, Rei de Vegas, o Mago da Voz, ao contrário do que aparentava não era deus, mas sim homem. Não conseguiu fazer desaparecer um câncer no estômago, que lhe foi um desafio deveras penoso. Morreu na data de 16 de maio de 2010, no hospital Texas Medical Center, aos 67 anos. Deixou seu imenso e primoroso legado para todos aqueles que quiserem conhecer sua arte e obra, enquanto partia para a eternidade.

Eis que agora Dio, o Elfo Matador de Dragões, caminha nos confins de um Arco-íris, no céu ou no inferno...

Master Of The Moon - Dio (Sanctuary Records, 2004)

Tracklist:

01. One More For The Road
02. Master Of The Moon
03. The End Of The World
04. Shivers
05. The Man Who Would Be King
06. The Eyes
07. Living The Lie
08. I Am
09. Death By Love
10. In Dreams

Line-up:

Ronnie James Dio - vocais
Craig Goldy - guitarras, teclados
Jeff Pilson - baixo
Simon Wright - bateria
Scott Warren - teclados


Outras resenhas de Master Of The Moon - Dio

Resenha - Master of the Moon - Dio




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dio"


Em 29/08/2009: Ronnie James Dio fazia o último show de sua gloriosa carreiraEm 29/08/2009
Ronnie James Dio fazia o último show de sua gloriosa carreira

Dio: Epiphone anuncia linha de guitarras "Les Paul Diver"Collectors Room: os discos que marcaram a carreira de Dio (vídeo)

Dio: diversos clipes do cantor chegam oficialmente ao YouTubeDio
Diversos clipes do cantor chegam oficialmente ao YouTube

Coral metal: crianças suíças cantam clássicos do Judas Priest e DioCoral metal
Crianças suíças cantam clássicos do Judas Priest e Dio

Tim Tim "Ripper" Owens
"Seria melhor ver um holograma do Kiss do que a banda atual tocando"

Homenagens: Canções inspiradas em músicos falecidosHomenagens
Canções inspiradas em músicos falecidos

Dio: Dio
"não critique se você nunca viu", diz viúva sobre holograma

Noisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80sNoisecreep
Dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s


Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar Black Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

Fotos de Infância: Steven Tyler, do AerosmithFotos de Infância
Steven Tyler, do Aerosmith

As regras do Punk RockRaul Seixas: Em carta psicografada, o alerta sobre a Sociedade Alternativa e as drogas?Babymetal: as headbangers mais fofinhas do Planeta TerraChris Cornell: Nirvana e Radiohead eram dos melhores álbuns dos 90

Sobre Bruno Rocha

Cearense de Caucaia, professor e estudante de Matemática, torcedor do Ferroviário e cafélotra. Entrou pelas veredas do Heavy Metal na adolescência e hoje é um aficionado e pesquisador de todos os gêneros mais tradicionais desta arte e de suas épocas. Tem como forte o Doom Metal, não obstante o sol de sua terra-natal.

Mais matérias de Bruno Rocha no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336