Grinding Reaction: Uma banda promissora e cheia de respeito

Resenha - Tempo, Persistência e Fúria - Grinding Reaction

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Formado em 2000, este quarteto oriundo de Diadema-SP pratica um Hardcore intenso aliado a elementos do Thrash e Death Metal. Após passar pelos costumeiros problemas de formação, o grupo paralisou suas atividades e tempos depois retornou. Lançaram uma demo e um EP nos anos de 2001 e 2004 respectivamente e, somente em 2015, reaparecem com um novo trabalho: "Tempo, Persistência e Fúria", um EP que marca os 15 anos de existência da banda.

Humor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser ThrashHeaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbum

E não é exagero afirmarmos que esta nova obra não somente causa impacto como, principalmente, impressiona aos amantes do som extremo. Contando com um total de 7 composições cantadas em português, o trabalho apresenta uma banda técnica, madura, pesada, rápida e cheia de vigor.

As letras são uma pancada à parte, pois refletem a desordem dos conflitos sociais trazendo à tona temáticas contemporâneas que denunciam o verdadeiro caos em que nossa sociedade está mergulhada. São letras fortes, densas, tensas e profundas.

O trabalho começa com uma introdução e na sequência ouvimos a voz forte de Ricardo Marchi anunciando a primeira faixa: "Ascensão" entra quebrando tudo e já mostrando a potência e ferocidade do GRINDING REACTION. A partir daí fica fácil o ouvinte sacar a pegada do grupo e iremos nos deparar com riffs intensos e rápidos, voz agressiva e forte, baixo marcando pesado e dando o tom adequado e uma bateria técnica e veloz. Não há respiro durante a audição do trabalho e as músicas basicamente são emendadas umas nas outras.

Eleger algum destaque se torna tarefa complicada, mas muito me chama a atenção a já citada primeira faixa acompanhada de "Mundo Morto", composição ultra rápida e com uma mudança de ritmo interessante e inesperada. Não posso deixar de mencionar "Verdades e Utopias", a faixa mais longa e que começa com o baixo pesadão, tem um refrão bem bacana e encerra o trabalho com chave de ouro.

Não nos resta dúvidas de que "Tempo, Persistência e Fúria" é um trabalho competente e que o GRINDING REACTION é uma banda promissora, cheia de respeito e tem muito a contribuir com o mundo do som extremo. Confira a obra em suas redes sociais, avalie e se o caro leitor tiver maior interesse em pesquisar a banda, há uma entrevista disponível no YouTube que aborda maiores detalhes. Vale a pena checar.

Banda: Grinding Reaction
País de Origem: Brasil
Título do álbum: Tempo, Persistência e Fúria
Ano: 2015
Estilo: Hardcore
Gravadora: Independente

Line-up:

Ricardo Marchi - Guitarra/Vocal
Renato Spadini Jr. - Baixo
Victor Rotta - Guitarra
Weslley Ferreira - Bateria

Faixas:

1. Ascensão
2. Cultura do Terror
3. Sindicato do Crime
4. Mundo Morto
5. Prostituição Infantil
6. Foda-se
7. Verdades e Utopias

Sites:

https://www.facebook.com/grindingreactionfanpage/
https://www.reverbnation.com/grindingreaction
https://grindingreaction.blogspot.com.br/
https://www.youtube.com/channel/UC4CFPmr4SD0aFeVBKADVBmg




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Grinding Reaction"


Humor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser ThrashHumor
Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash

Heaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbumHeaven & Hell
Mistérios e autocensura na capa de álbum


Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.

adGooILQ