Dynazty: Um belo resumo da geniosidade do power-metal europeu

Resenha - Titanic Mass - Dynazty

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samuel Coutinho
ENVIAR CORREÇÕES  

Nota: 10

2016 está sendo um ano de lançamentos aguardados! Hoje em dia, através da internet, é fácil acompanhar o processo de criação de um disco, desde a pré-gravação até a mixagem do disco. As bandas estão utilizando redes sociais e o Youtube para divulgar um pouco deste processo, e os fãs são presenteados com takes em estúdio, onde eles podem acompanhar um pouco da elaboração das músicas inéditas. Quando a data de lançamento é anunciada, os fãs começam a contar os dias que faltam para finalmente o disco sair. Saiu o disco, adquiriu o seu exemplar, chegou em suas mãos! Agora é hora de parar tudo que está fazendo, correr pro play e começar a se deleitar com mais um disco de heavy metal.

Resenha - Dark Delight - DynaztyPostura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dessa vez irei comentar sobre um disco de uma banda sueca chamada DYNAZTY. Lançado no dia 15 de abril de 2016 o álbum "Titanic Mass" traz tudo do melhor e mais respeitado do power-metal europeu. O time composto por Nils Molin (vocal), Love Magnusson (guitarra), George Egg (bateria), Mikael Lavér (guitarra) e Jonathan Olsson (baixo), achou que dando sequência com a mesma fórmula utilizada no disco anterior, "Renatus" (2014), a idéia daria certo.....e acertaram em cheio. Deu muito certo. "Titanic Mass" é o quinto álbum de estúdio do Dynazty, e como o próprio nome já diz, é um álbum pomposo, cheio de hits imortalizados com um power-metal bem feitos desses suecos.

O álbum foi produzido por ninguém menos que Peter Tagtgren (HIPOCRISY), que cuidou da mesa e fez um trabalho decente na finalização do álbum. "Titanic Mass" mostra mais uma vez o caminho que a banda decidiu trilhar desde o álbum anterior, com doses transbordadas de metal melódico.. Começando logo de cara com "The Humam Paradox", um single que já veio pra mostrar do que a banda é capaz. É uma música complacente, na primeira audição já dá pra ouvir e pontuar com uma boa nota. O refrão é auspicioso, canção impecável em sua execução. A transição continua bem, com "Untamer of Your Soul". Essa faixa é uma daquelas com compasso rápido, com viradas bruscas e pausas inesperadas. Sem deixar passar em branco os primeiros indícios de que o vocal de Nils Molin continua matador, incrível a sua voz de cabeça. Solo de guitarra....as primeiras notas são parecidíssimas com o solo da música "Dawn Of Your Creation" do álbum anterior ("Renatus"). A dupla Love Magnusson e Mikael Lavér continua fazendo valer a união.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A terceira faixa "Roar of the Underdog" é mais prog, com passagens interessantes na parte instrumental e ótima desinibição na composição das letras. A canção seguinte começa com uma breve batida contagiante de bateria. seguindo o rítmo da música. Se trata da faixa título "Titanic Mass". Tem lá seus elementos característicos do metal melódico, uma bela orquestração e corais gravados pelos próprios integrantes da banda. O refrão é sustentando pelos backing-vocals em um coro majestoso, (enquanto as palavras "Fire, Flames, Fury" são entoadas) e Nils se encarrega do belo refrão. Solos de guitarra indiscutivelmente bem trabalhados e a bateria de Egg sempre desafiadora.

A próxima canção, "Keys Of Paradise" chega com simplicidade em sua introdução, com riffs mais calmos, mas mesmo assim pesados. Melodia da música casando perfeitamente com o vocal, refrão mais uma vez marcando presença e logo sua segunda repetição o andamento da música muda. É onde a complexidade aparece, Egg faz seu trabalho adaptado com os "dois bumbos" (ele utiliza uma espécie 2º bumbo que é executado com sua mão esquerda). Na sequência, a bela balada para se cantar junto, "I Want to Live Forever". É calma, simplesmente pra curtir a letra e a melodia. Seguindo para a próxima, "The Beast Inside", já começa com uma levada boa de baixo, onde Jonathan demonstra um pouco mais do peso das 4 cordas no decorrer da música. Novamente os riffs marcantes e o refrão validam a faixa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Break Into The Wild" se apresenta como uma das mais heavy metal do álbum. Destaque para o trecho que antecede o solo, com a levada particular de Egg na bateria. O vocal de Nils continua se destacando pelo seu incrível alcance e semelhança com Ronnie James Dio. Com o mesmo impacto segue-se com "Crack In The Shell". E os últimos minutos do álbum ainda conseguem manter a boa energia. "Free Man´ Anthem" tem mais um pouco de power-metal antes de "The Smoking Gun" encerra o disco com uma balada sentimental, na voz de Nils acompanhada de piano e cordas. Apesar da canção ficar um puco pesada no segundo verso, logo a melodia encobre as guitarras que ainda permanecem e se revesam até o final da música, terminando com ao som do piano se esvaindo.

"Titanic Mass" (2016 - Spinefarm Records)

01. The Human Paradox
02. Untamer of Your Soul
03. Roar of the Underdog
04. Titanic Mass
05. Keys to Paradise
06. I Want to Live Forever
07. The Beast Inside
08. Break Into the Wild
09. Crack in the Shell
10. Free Man’s Anthem
11. The Smoking Gun

Site:
http://www.dynazty.com
Facebook:
https://www.facebook.com/dynaztyband/?fref=ts




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Resenha - Dark Delight - Dynazty

Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

A História da New Wave Of British Heavy MetalA História da New Wave Of British Heavy Metal


Sobre Samuel Coutinho

Nascido no interior de SP no dia 15/12/1986, em uma cidade chamada Ilha Solteira, Samuel Coutinho se entregou ao heavy metal logo na adolescência. Seu forte sempre foi o heavy metal melódico, variando desde o prog-metal até ao power-metal.

Mais matérias de Samuel Coutinho no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280