Blackmore's Night: Para quem curte a boa música celta medieval

Resenha - All Our Yesterdays - Blackmore's Night

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Vamos aproveitar o bem vindo retorno do Rainbow, para falar de outro projeto envolvendo o grande e icônico guitarrista Ritchie Blackmore, o Blackmore's Night. O duo inglês de música folk e arranjos celtas misturados com sonoridades pop e eventuais incursões no Rock vem se destacando desde os anos 90, contando com o grande e histórico talento do guitarrista, os dotes vocais excelentes de sua esposa Candice Night e uma banda de apoio invejável. Em seu novo lançamento de Setembro de 2015, All Our Yesterdays, todas estas características são mantidas e novamente seguidas à risca.

3236 acessosDeep Purple: Ritchie Blackmore toparia subir ao palco com a banda5000 acessosRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos

Antes de mais nada, um pitaco sobre Blackmore. Quer você ache ele esquentado, ou um mala sem alça, ou não, não se pode negar que ele exerceu influência definitiva e obrigatória no Hard Rock inglês, e desde os anos 70, tem feito escola com seus inesquecíveis riffs e frases de guitarra. Então veio a metade dos anos 90 e tudo isso mudaria. Blackmore deixaria de ser um músico e guitarrista de Hard Rock e passaria a ser um menestrel da música folk, com incursões na música celta medieval.

Teve muito fã que abriu o berreiro e não gostou muito da mudança, mas eu achei positiva, especialmente após toda tempestade com os seus antigos membros do Deep Purple. Além disso, este passo permitiu a Blackmore explorar horizontes musicais diferentes. E como eu gosto bastante de música celta, achei a proposta bem legal, e tem gerado ótimos discos e músicas memoráveis. Sim, não vou negar, algumas músicas são exageradamente açucaradas e meio cafonas, mas no geral, o saldo é positivo, pois evoca toda aquela atmosfera de tempos de reis e camponeses, típica dos países do Reino Unido.

As lembranças mais imediatas do Blackmore's Night sempre me vem dos seus primeiros discos, especialmente o Fires at Midnight (2001) e o belíssimo Ghost of a Rose (2003). Dos dois últimos álbuns, eu lembro de alguma coisa somente, meio que não dei tanta atenção a eles, estava meio desligado e ouvia esses dois últimos meio no automático, preocupado com outras coisas; preciso revisitá-los, faz um tempinho que não paro para ouvir com atenção as melodias celtas de Blackmore. Decidi portanto, retomar a partir deste novo álbum. O título do disco não poderia ser mais exato, pois representa, na sonoridade, tudo aquilo que o duo vem fazendo nos últimos anos, sem mudança alguma.

O álbum abre com uma marchinha celta que é a música título, "All Our Yesterdays", coisa típica do estilo do duo, que vemos desde os primeiros discos. Na segunda faixa, "Allan Yn N Fan", podemos perceber os clássicos arranjos pelas quais Blackmore ficou conhecido na sua época de Purple. "Darker Shade of Black" é uma balada instrumental com arranjos bem típicos das músicas pop dos anos 60, especialmente no que tange bandas como Jethro Tull, ELP e coisas do tipo; "Moonlight Shadow", cover de Mike Oldfield, já mostra o lado mais Pop do duo, dando mais espaço para Candice se destacar. Outra cover que eu gostei bastante, até porque acho essa música belíssima, é a cover de "I Got You Babe", do duo Sonny & Cher. Essa música, para quem se lembra, figurou no filme Groundhog Day (Feitiço do Tempo), estrelando Bill Murray, e é uma composição fantástica, que ficou ainda melhor aqui com os arranjos de Blackmore.

"The Other Side" é o tipo de arranjo musical que gosto mais de escutar do Blackmore's Night, com trechos soturnos alternados a arranjos leves, e as incursões medievais e celtas que caracterizam o som do duo. Segue com "Queen's Lament", uma instrumental só com Blackmore e seus arpejos apaixonantes ao violão e logo após o duo engata uma mais puxada para o Pop-Rock, "Where Are We Going from Here", que dá espaço para Blackmore se destacar novamente. "Will O' the Wisp" é mais uma baladinha ritmada ao violão com aquele som ao fundo de gaita de fólio, que eu curto ouvir do duo. Eu sempre fico ouvindo essas composições deles e tentando tocar algo no violão, acho bastante legal, dá pra acompanhar. "Coming Home", mais uma ritmadinha, um pouco mais alegre, fecha o disco.

Basicamente é isso, o duo veio ano passado com mais um lançamento para quem curte a boa e velha música celta medieval. Nada de muito diferente. E eu acho bom que seja assim, o duo já tem uma base de fãs formada que espera isso mesmo deles. Se você é fã, vai curtir mais este disco deles, se não é, vai continuar torcendo o nariz, simples. Se você meio que resolveu dar um tempo da fórmula musical do duo, como eu também dei, faça isso, mas não deixe de colocar em sua lista de álbuns a conferir, sempre vale a pena. Mas eu não vou ser hipócrita e esconder de ninguém aqui a minha empolgação com o retorno do Rainbow! Já era hora! Acredito que Blackmore deve reduzir agora o ritmo de trabalho com sua esposa, com este retorno, e espero que seja um bom retorno.

All Our Yesterdays (2015)
(Blackmore's Night)

Tracklist:
01. All Our Yesterdays
02. Allan Yn N Fan
03. Darker Shade of Black
04. Long Long Time (Gary White)
05. Moonlight Shadow (cover Mike Oldfield)
06. I Got You Babe (cover Sonny & Cher)
07. The Other Side
08. Queen's Lament
09. Where Are We Going from Here
10. Will O' the Wisp
11. Earth Wind and Sky
12. Coming Home

Selo: Frontiers Records

Blackmore's Night é:
Ritchie Blackmore: guitarra, violão, viela de roda, nyckelharpa, mandola
Candice Night: vocais principais e harmônicos, madeiras, tamborim

Músicos de apoio:
Earl Grey of Chimay: baixo, guitarra rítmica
Scarlet Fiddler: violino
Bard David of Larchmont: teclados, back vocais
Troubador of Aberdeen: percussão
Lady Lynn: vocais harmônicos

Discografia anterior:
- Dancer and the Moon (2013)
- Autumn Sky (2010)
- Secret Voyage (2008)
- Winter Carols (2006)
- The Village Lanterne (2006)
- Ghost of a Rose (2003)
- Fires at Midnight (2001)
- Under a Violet Moon (1999)
- Shadow of the Moon (1997)

Site oficial:
http://www.blackmoresnight.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog:
http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de julho de 2016

Deep PurpleDeep Purple
Ritchie Blackmore toparia subir ao palco com a banda

1103 acessosRainbow: vídeos da performance da banda de Blackmore em Londres0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rainbow"

Ronnie James DioRonnie James Dio
Curiosidades inusitadas sobre o vocalista

LoudwireLoudwire
10 álbuns pesados dos 70's que não são do Black Sabbath

HumorHumor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Blackmores Night"0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"

RoadrunnerRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

SlayerSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Motley CrueMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

5000 acessosCradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?5000 acessosNoisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metal5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?5000 acessosMegadeth: Kiko sugeriu a Mustaine inspiração nos problemas do Brasil5000 acessosSlash: "Adele é uma injeção no braço da indústria"5000 acessosEu Sou Ozzy - A Autobiografia de Ozzy Osbourne

Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online