Matérias Mais Lidas

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagem"Eu não tinha ideia de quão grande o Maiden iria ficar", diz Bruce Dickinson

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975


Gojira: Imensa diversidade, genialidade e criatividade musical

Resenha - Magma - Gojira

Por Gisela Cardoso
Em 21/06/16

Não é à toa que o Gojira vem se consagrando como a maior banda francesa no cenário Heavy Metal mundial. Após se apresentar no Monsters Of Rock (2013) e no Palco Mundo do Rock in Rio (2015) no Brasil, por exemplo, o quarteto conquistou ainda mais fãs. No entanto, não é apenas a sua representatividade na mídia que tem gerado a base de seu sucesso. Mas sim com a sua admirável capacidade de gerar um som único e criativo. Com seu novo álbum "Magma", lançado em junho pela Roadrunner Records, o Gojira deixa claro mais uma vez que não está preocupado com rótulos, apresentando inovações sem deixar de lado as características de sua identidade, já conhecida por muitos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após toda a velocidade e brutalidade presentes nos álbuns "The Way Of All Flesh" (2008) e "L’Enfant Sauvage" (2012), podemos dizer que "Magma" chegou para apresentar um meio-termo em sua atual discografia. O peso e a técnica de seu Death Metal ainda estão presentes. Mas, desta vez, a banda investiu profundamente no progressivo, gerando passagens mais alternativas em suas composições.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gravado no Silver Cord Studio no Queens, em Nova York (que, aliás, é o novo estúdio do frontman Joe Duplantier), a produção de "Magma" passou por alguns altos e baixos devido a problemas pessoais dos integrantes da banda. O seu processo criativo teve que ser interrompido com a morte da mãe dos irmãos Joe e Mario Duplantier. Talvez essa triste fatalidade deve ter servido de inspiração para a criação de um álbum com uma atmosfera ainda mais pesada do que os anteriores.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para quem está acostumado com a agressividade do Gojira, os vocais limpos do Joe na primeira faixa, "The Shooting Star", podem gerar certo estranhamento. No entanto, isso não é motivo para torcer o nariz e desistir do álbum logo de cara. Tratando-se de uma música mais progressiva, assim como muitas presentes no disco, ela cria uma atmosfera até meio psicodélica, com riffs memoráveis e um andamento interessante. Em seguida, o Gojira apresenta a sua velocidade e agressividade na faixa "Silvera", já com os vocais urrados do Joe, mas ainda com passagens limpas.

Em geral, o Gojira, em "Magma", nos apresenta andamentos rítmicos extremamente variados, o que já é considerado parte de sua identidade musical. Outra característica bastante comum são os seus riffs pesados e criativos, que também variam bastante de acordo com o andamento. As distorções também continuam presentes, o que colabora na criação de uma atmosfera para cada composição.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tata-se de um álbum bastante diversificado, ora com passagens mais melódicas e lentas, ora com mais peso e velocidade. Mas, desta vez, o Gojira decidiu ousar ainda mais: conforme já mencionado anteriormente, o grupo opta por passagens e andamentos mais progressivos, o que combina até muito bem com os elementos de seu Death Metal. Também, em "Magma", Joe aposta mais em seus vocais limpos, mesclando-os, algumas vezes, com os guturais - conforme podemos ouvir em "Silvera" e na cativante "Stranded", por exemplo. No disco, as linhas de baixo do Jean-Michel Labadie também estão ainda mais evidentes e, juntas à bateria do Mario Duplantier, proporcionam um bom peso nas composições.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Composto por dez faixas, é meio complicado sugerir as melhores, pois cada uma delas possui suas próprias particularidades. Mas, além das já citadas aqui na resenha, podemos mencionar a agressiva e veloz "The Cell", que remete à sonoridade mais antiga do Death Metal do Gojira. A "Yellow Stone" é apenas instrumental com um andamento cadenciado e guitarras distorcidas, servindo de prelúdio para a faixa-título que vem a seguir. A "Magma" representa tudo o que o Gojira quer passar no álbum em geral, dotada de um instrumental atmosférico e, mais uma vez, os vocais limpos estão em evidência. A "Only Pray" é uma das mais pesadas do disco, retornando com os vocais agressivos, mas logo sofre uma brusca e interessante mudança em seu andamento. Já a última faixa "Liberation" possui uma proposta curiosa: ao som instrumental de batuques e de um violão, o Gojira encerra a mensagem que quis passar em "Magma" de maneira calma e acústica.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com sua imensa diversidade, genialidade e criatividade musical, fica até difícil definir um gênero para o Gojira em seu álbum "Magma". No entanto, isso não importa. Mas uma coisa é certa: o Gojira não peca em criatividade artística! Sem medo de inovar e ousar, o quarteto francês vem moldando a sua identidade aos poucos, em cada lançamento, fazendo-o se destacar pela sua originalidade no atual cenário musical.

Tracklist:

"The Shooting Star"
"Silvera"
"The Cell"
"Stranded"
"Yellow Stone"
"Magma"
"Pray"
"Only Pain"
"Low Lands"
"Liberation"

Line up:
Joe Duplantier – vocal/guitarra
Christian Andreu – guitarra
Jean-Michel Labadie – baixo
Mario Duplantier - bateria

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Magma - Gojira

Resenha - Magma - Gojira

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Gojira: os álbuns da banda, do pior para o melhor, em lista do Consequence Of Sound

imagemGojira: Mario Duplantier elogia brother de surf Robert Trujillo; "Um cara muito legal"

imagemGojira: Suas 10 melhores músicas, pela Classic Rock History

imagemGojira: música sobre genocídio no Tibete é citada em canal anarcocapitalista

imagemOs 10 melhores riffs de guitarra lançados em 2021, segundo os leitores da Guitar World


Robert Trujillo: baixista diz quem acha que pode ser o novo Metallica



Sobre Gisela Cardoso

Headbanger, Jornalista, Crítica de Metal, vocalista, instrumentista, anarco-comunista, vegetariana, apaixonada por Mitologia Nórdica e adoradora do Deus Metal. A música me move e as palavras constroem! @GisaGrind.

Mais matérias de Gisela Cardoso.