Radiohead: E mais um álbum desnecessário

Resenha - A Moon Shaped Pool - Radiohead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Wendell Soares
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 1

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Tenho um amigo que, sempre que o lembro como a banda do Thom Yorke se tornou chata e pedante, costuma me dizer que são a maior banda inglesa dos últimos tempos. Eu nunca discordei. Aliás, até os uso pra traçar um parâmetro com os Los Hermanos, que, nas plagas nacionais, possuem um status de idolatria (e pedância) bem similares. Nos dois casos, temos duas bandas que despontaram com certo burburinho (Pablo Honey, no primeiro caso, e o autointitulado Los Hermanos), cometeram um discaço na segunda tentativa (The bends e Bloco do eu sozinho) e fizeram do terceiro álbum completo um ponto de referência para a música que surgia após ele (Ok computer e Ventura). Tivessem acabado ali, ambas as bandas seriam a influência máxima de uma geração, com álbuns cultuados e naquela linha limite entre o rock, o pop e tudo o que mais cabe na (boa) música. Mas aí ambas seguiram o mesmo curso. Com Kid A e IV, a curva deixa de ser ascendente, e ainda que haja algum sopro de criatividade, o DNA da banda, aquele tino assoviável, triste e belo - que arregimentou uma horda de fãs - se perde.A vantagem da banda brasileira é que, teoricamente, ela encerra atividades. Fica o mito e uma porção de tentativas, em álbuns solos chatos e iguais, mas nada capaz de macular a obra dos cariocas. Mas o Radiohead não se conteve com o fim. Ele quis se reinventar.

4 acessosRadiohead: Michael Stipe apoia decisão da banda tocar em Israel5000 acessosMastodon: Brent Hinds diz que "Dream Theater é uma banda Gay!"

Relevante situar que, 16 anos depois do fim dos anos 90, já não há exagero em dizer que Ok computer, do Radiohead, só se posiciona atrás do Nevermind (Nirvana) como álbum mais importante daquela década. E falando deles, especificamente, eu sempre adotei a piada que, tivessem terminado antes do Kid A, teriam feito um álbum nota 8, um nota 10 e um nota 11. Respectivamente.

Mas a década seguinte serviu pra banda criar um conceito de anti-música, jogar às favas a musicalidade pop e levar a lógica de experimentação a um patamar que nem Lou Reed e seu Metal machine music conseguiram.

E nem pontuo aqui que, devido essa noção estranha de ser pop, boa parte da música inglesa mainstream os usou como referência. Do Coldplay ao Muse. Pro bem ou pro mal.
A crítica aplaudiu. Alguns fãs defenderam. Inclusive, há casos graves daqueles que ainda acompanharam a banda após Hail to the thief e Amnesiac. Esqueçamos estes.
Depois veio In rainbows, e quando a gente quase acreditou que Thom Yorke e companhia ainda conseguiam compor pequenas pérolas pop, já era tarde. De King of limbs só ficou na memória a dança estranha do vocalista no clipe de Lotus Flower.
Na verdade, discorri sobre tudo até aqui, sem citar o álbum em questão, por que não precisa: não há nada novo ali.

E se na discografia de alguns grandes (Morrissey, Dylan, pra ficar com dois), a não-inovação é tida como um elogio, aqui, depende de que lado você está.
Se for o tal fã que ainda considera o Radiohead a coisa mais genial da música, vai gostar. Veja bem, eu disse gostar. E só. Se for como eu, que abandonou a banda lá pelos idos de 2000, e chegou até a procurar no Muse (Absolution é magnifíco) ou no Grandaddy um resquício daquela noção musical monstruosa dos primeiros álbuns, vai odiar. Mas odiar muito.
Pudesse renomear o álbum, eu o chamaria de "Almost music". E já explico.
A moon shaped pool abre com o single Burn the witch, e quase consegue enganar em seus primeiros momentos. Tem violão, tem Yorke lamentando, tem clipe bonito. Mas a guitarra deixa a impressão de quase aposentadoria definitiva, ainda na primeira faixa.
Daydreaming é monocórdica e quase insinua uma canção triste. Mas a tristeza vira tédio antes do término e dá lugar aos barulhos eletrônicos que quase pontuam a faixa seguinte, Decks dark.
Sinceramente, não encontrei alguma faixa destaque, qualquer coisa que me fizesse querer ouvir o álbum de novo. Em Ful stop, quase fui enganado pela vibe pós-punk do Joy Division mas quando parecia que o álbum teria, no mínimo, um pouco de raiva, Yorke se desculpa e pede, repetidamente, que o "aceite de volta". É uma clichê pronto pra resposta. E a resposta é não. Ou talvez "quase".
A crítica, já previsível, vai incensar o álbum. Vai tentar relacionar alguma música a um clássico, vai falar sobre a aura cult da banda, vai discorrer sobre o término de casamento do vocalista e dizer que as letras estão "densas e complexas". Não será mentira, mas tudo isso servirá de pano de fundo pra chegar a um conclusão negativa: o Radiohead não é mais relevante.
E não é relevante por que optou pela estranheza quando, sua melhor faceta ainda é o pop.
Vai ser álbum do ano, vai ter fã (sempre eles!) compartilhando e idolatrando os clipes e os shows, mas no fundo, bem no fundo, até eles sabem: o tempo vai dar ao álbum o mesmo destino de tudo o que o Radiohead fez após Ok computer. Vai deixar morrer em silêncio e ignorar.
E num futuro não tão distante, quando a banda decidir "voltar às raízes", até eles irão concordar: a gente quer o Radiohead de Creep. De Karma Police. De Exit music. De No surprises.
E não isso aí, que me fez perder 50 minutos na audição deste álbum.
Decepcionante.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de A Moon Shaped Pool - Radiohead

3058 acessosRadiohead: O Samba do Último Álbum

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de maio de 2016

4 acessosRadiohead: Michael Stipe apoia decisão da banda tocar em Israel372 acessosRadiohead: músicos saúdam os vinte anos de "OK Computer"51 acessosRadiohead: canções em ritmo eletrojazz e reggae153 acessosRadiohead: álbum-tributo em apoio à Anistia Internacional219 acessosRadiohead: banda libera show em HD na íntegra do Coachella 2017158 acessosOk Computer: disco em versão remasterizada e com extras0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Radiohead"

SlipknotSlipknot
Veja Corey Taylor cantando "Creep" do Radiohead

Capas de discoCapas de disco
Como seriam se fossem GIFs animados

Oops!Oops!
Dez erros eternizados em gravações

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Radiohead"0 acessosTodas as matérias sobre "Muse"0 acessosTodas as matérias sobre "Coldplay"0 acessosTodas as matérias sobre "Joy Division"0 acessosTodas as matérias sobre "Los Hermanos"

MastodonMastodon
Brent Hinds: "O Dream Theater é uma banda Gay!"

Floor JansenFloor Jansen
"Eu não sou uma puta arrogante"

GóticasGóticas
10 grandes bandas do gênero dos anos 80

5000 acessosUltimate Guitar: os 100 melhores solos de guitarra5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosAs regras do Black Metal2070 acessosBruce Springsteen: Amadou Diallo, assassinado pela polícia5000 acessosIron Maiden: Steve Harris nunca gostou de "Flight of Icarus"?5000 acessosFrases de bandas: o que eles realmente querem dizer?

Sobre Wendell Soares

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online