Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Stamp

Lucifer's Friend: Mostrando que a música não envelhece

Resenha - Live @ Sweden Rock - Lucifer's Friend

Por Vicente Reckziegel
Em 27/02/16

Nota: 8

Após muitos anos com suas atividades encerradas, eis que em 2014 os veteranos alemães do Lucifer’s Friend anunciam seu retorno, uma volta comemorada por todos os fãs do Hard/Progressive Rock, AOR e toda a gama de sonoridades que os mesmos sempre tiveram em todos os seus anos de existência, desde o lançamento de seu debut auto intitulado, no agora muito distante ano de 1970.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De fato, o Lucifer’s Friend nunca se prendeu a um estilo em nenhum de seus lançamentos, passando de um lado mais Hard/Heavy do primeiro disco, para alguns momentos mais progressivos, psicodélicos, jazzísticos, dentre outros, em seus lançamentos posteriores. Com a saída de seu vocalista John Lawton em 1976, para ocupar o microfone do Uriah Heep, a banda aos poucos foi perdendo seu impacto, e mesmo o retorno do mesmo alguns anos depois não foi o suficiente para os mesmos manterem a banda ativa, encerrando suas atividades no ano de 1982.

Mas, histórias à parte, o retorno tão esperado por todos aconteceu, e este disco ao vivo gravado a partir da apresentação da banda no Sweden Rock Festival em junho de 2015 é a maior prova que a banda certamente não desaprendeu a fazer um grande show.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Das 12 músicas tocadas nesse show, três foram lançadas no ano anterior, na compilação "Awakening", a ótima "Pray" e seus riffs contagiantes de guitarra, a viajante "Riding High", além da mais simples e nem tão empolgante "Did Your Ever?" e seus teclados árabes.

Mas é obviamente nos clássicos que a casa vem abaixo, especialmente em músicas marcantes como a contagiante "Fire and Rain", com suas melodias grudentas e belos solos de guitarra, a cadenciada e puxada para o Deep Purple "Keep Going", com um grande trabalho de John Lawton nos vocais, a bela e tranqüila balada "Burning Ships", a número um no repertorio do quinteto "Ride the Sky" e seu inconfundível teclado, e termina com a alegre e até certo ponto festiva "High Flying Lady".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mais de trinta anos depois da separação, e a banda ainda tem muita lenha para queimar, mostrando que a música não envelhece nunca...

Formação:
John Lawton - vocais
Peter Hesslein - guitarra
Dieter Horns - baixo
Jogi Wichmann - teclado
Stephan Eggert - bateria

Tracklist:
1. INTRO – AWAKENING
2. PRAY
3. FIRE AND RAIN
4. IN THE TIME OF JOB
5. KEEP GOING
6. HEY DRIVER
7. RIDING HIGH
8. MOONSHINE RIDER
9. DID YOU EVER?
10. BURNING SHIPS
11. RIDE THE SKY
12. HIGH FLYING LADY

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Alemanha: dez das melhores bandas do país

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel.