Contempy: Confirmando o que já prometia

Resenha - Trauma - Contempty

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O primeiro EP dos mineiros da Contempty, "Gaping Deception in Guiltless Eyes" (2013), já mostrou uma banda competente e engajada em sua proposta de desenvolver um Doom Metal com resquícios de Death Metal. Algumas falhas até inevitáveis, devido às condições da banda, estavam ali, mas mesmo assim foi um trabalho de boa qualidade.

Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposShow de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010

"Trauma" mantém a banda em sua proposta e a evolução natural do conjunto (e também individual) é nítida, além de o quarteto ter aparado diversas arestas. A personalidade da Contempty também ganhou ênfase e seu som hoje pode ser classificado como Funeral Doom Metal facilmente.

Difícil dizer isso em um disco de tal gênero, mas a faixa de abertura, Woe Is Me, é uma música que entra com energia (nem que seja negativa) e pode ser considerada uma das melhores da banda. A música emociona de início e faz seu papel de cartão de visitas com maestria.

O melhor é que o que está por vir mantém a chama acesa. Mais agressiva, My Voiceless Heaven consegue manter o clima sombrio, com linhas de teclados densas e a banda destilando suas influências Death Metal. A longa In Myself Rotting traz influências do Doom Metal tradicional e se mistura bem com a identidade da banda, sendo uma faixa para os 'die hard' do estilo.

Fechando o trabalho, temos Knell of Demise, que possui riffs memoráveis, linhas de baixo consistentes e uma bateria arrastada, além de arranjos de teclados fenomenais. A música é outro destaque que dá fim ao disco com um encerramento apoteótico, fazendo tudo valer à pena.

O trabalho ainda conta com uma bela embalagem digipack e uma arte interessante, além de uma produção sonora de qualidade. Ainda há alguns ajustes a serem feitos? Sim, sempre haverá, mas a Contempty conseguiu atingir um objetivo que era buscado desde o trabalho anterior. Creio que temos mais um grande representante do estilo no país.

https://www.facebook.com/Contempty
http://contempty.bandcamp.com/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Contempty"


Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposBateristas
Os 30 melhores de todos os tempos

Show de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010Show de Rock
As diferenças entre os anos 80 e 2010

Queen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicosQueen
Ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalOzzy Osbourne: 25 coisas que você não sabe sobre eleDream Theater: uma lista com os melhores riffs da bandaDe Volta Para o Futuro: cinco versões metal do tema clássico

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336