Matérias Mais Lidas

Rodolfo Abrantes: O sonho da minha mãe era eu voltar aos RaimundosRodolfo Abrantes
"O sonho da minha mãe era eu voltar aos Raimundos"

Metallica: TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully GuitarsMetallica
TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully Guitars

Snowy Shaw: ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no NightwishSnowy Shaw
Ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no Nightwish

Soul Station: projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança músicaSoul Station
Projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança música

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razãoCarlinhos Brown
Ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Guns N' Roses: Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivoGuns N' Roses
Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivo

Nirvana: Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.Nirvana
Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.

AC/DC: Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)AC/DC
Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)

Kurt Cobain: ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistasKurt Cobain
Ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistas

Yngwie Malmsteen: aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigosYngwie Malmsteen
Aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigos

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Megadeth: Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineadorMegadeth
Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineador

Saxon: banda divulga cover para a clássica Speed King, do Deep PurpleSaxon
Banda divulga cover para a clássica "Speed King", do Deep Purple

Jon Schaffer: Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarristaJon Schaffer
Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarrista

Eddie Van Halen: ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perdaEddie Van Halen
Ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perda


Matérias Recomendadas

Duff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixistaDuff McKagan
Anestesias não funcionam mais no baixista

Inacreditável: O que acontece de mais bizarro em um show de metalInacreditável
O que acontece de mais bizarro em um show de metal

Black Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da bandaBlack Sabbath
About.com elege os 5 melhores álbuns da banda

Morreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy KilmisterMorreu Dormindo
As últimas horas de vida de Lemmy Kilmister

Metal Up Your Ass: Os primórdios do MetallicaMetal Up Your Ass
Os primórdios do Metallica

Stamp
Tunecore

Cryptic Slaughter: 28 anos de um clássico do Crossover Thrash

Resenha - Money Talks - Cryptic Slaughter

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por David Torres
Enviar Correções  


Após terem gravado uma "demo" em 1985 e um clássico registro de estúdio em 1986, "Convicted", os californianos do Cryptic Slaughter retornaram no ano seguinte com mais um grande feito. Produzido por Bill Metoyer (D.R.I., Dark Angel, Corrosion of Conformity, Hirax e muitos outros) e contando com uma capa engajada e ilustrada por Jeff Harp, "Money Talks" foi lançado em 15 de maio de 1987 sob o selo da Metal Blade Records e nesse mês, completou o seu 28° aniversário. Nesse mês de maio, diversas obras extremamente relevantes da história do Metal estão ficando mais velhas e para esse grande trabalho do Cryptic Slaughter, não foi nada diferente.

Uma "cozinha" de bateria e baixo completamente fora de sério inicia os primeiros acordes da esmagadora faixa título "Money Talks". Os vocais esgoelados e rasgados de Bill Crooks entram em cena e a música ganha mais peso e agressividade. Os andamentos são totalmente entusiasmados e exalam toda o clima Hardcore Punk que há no som do grupo. É humanamente impossível para um admirador dessa sonoridade ficar indiferente. A desgraceira continua com a explosiva "Set Your Own Pace", que já surge arregaçando tudo e todos com toda a sua fúria descontrolada. É uma faixa bem curta e que em sua metade fica mais cadenciada e divertida, para depois retomar a loucura que a iniciou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os "riffs" arrastados e pegajosos de Les Evans apresentam a terceira faixa, "Could Be Worse". Mais um grande som para "banguear" e "moshar" à vontade. Novamente temos variações de andamento bem conduzidas, alternando de trechos cadenciados para outros completamente dementes. As quatro cordas pulsantes de Rob "Blasko" Nicholson dão espaço para "Wake Up", mais uma pancadaria para nenhum ouvinte botar defeito. O baterista Scott Peterson detona em suas baquetas e seu instrumento demonstra-se sempre bem encaixado em meio aos demais integrantes, que também não desapontam por um milésimo de segundo que seja!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Baixo e guitarra apresentam os primeiros e grudentos acordes de "Freedom of Expression?", o quinto ataque desse registro implacável. Nela, temos um solo de guitarra bem inserido e com melodias que contrastam perfeitamente com a sonoridade irônica do grupo. O "riff" de abertura da faixa seguinte, "Menace to Mankind", é mais uma vez de fácil assimilação e não demora muito para que os nossos tímpanos voltem a ser golpeados por mais uma porrada certeira e extremamente eficaz. Assim como na música anterior, há também um breve e bem encaixado solo de guitarra de Les Evans. O final dessa composição também é épico e marcante, graças aos berros proferidos por Bill Crooks, que se repetem até o volume ser reduzido gradativamente, finalizando a faixa.

Curta e esmagadora, "Too Much, Too Little" é mais uma agressão sonora desmedida que metralha o ouvinte de modo insano. Nela temos quebras de ritmo assustadoras, além de um harmônico solo de guitarra que se incumbe de encerrar a música. Sem perder tempo, a banda continua a sua devastação com "Human Contrast". O que temos aqui? Uma guitarra insana, baixo e bateria belicosos e vocais coléricos e totalmente esbravejados. Um arroz com feijão bem cozinhado e conduzido.

"Tables Are Turned" já começa com mais "riffs" viciantes e perfeitos. Em questão de segundos, descamba em mais um delicioso Crossover/Hardcore, perfeito para "banguear" e promover "mosh" e "slam dances" destrutivos, desses que devastam completamente o ambiente. Na sequência, surge "Positively". O chimbal da bateria de Scott Peterson anuncia mais um "riff" portentoso e pouco depois, a selvageria é reiniciada.

Essa preciosidade primitiva se encerra com as igualmente sensacionais "All Wrong" e "American Heroes", ambas tão energéticas e furiosas quanto às faixas anteriores, pondo fim a essa obra de maneira coesa e 100% satisfatória. Em poucas palavras, "Money Talks" é um clássico do gênero devido a toda sua crueza e simplicidade. Ainda que conte com uma produção mais limpa do que o igualmente clássico registro de estreia da banda, a sonoridade permanece desconcertante e ríspida. Uma obra obrigatória para todo apreciador de Crossover e Hardcore!

Escrito por David Torres

01. Money Talks
02. Set Your Own Pace
03. Could Be Worse
04. Wake Up
05. Freedom of Expression?
06. Menace to Mankind
07. Too Much, Too Little
08. Human Contrast
09. Tables Are Turned
10. Positively
11. All Wrong
12. American Heroes

Bill Crooks (Vocal)
Les Evans (Guitarra)
Rob "Blasko" Nicholson (Baixo / "Backing Vocals")
Scott Peterson (Bateria)


Baladas de Sangue
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Serguei a Morrison: Os estranhos relacionamentos de Janis JoplinSerguei a Morrison
Os estranhos relacionamentos de Janis Joplin

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium


Sobre David Torres

Formado em Propaganda & Marketing, se autodenomina "Fanfarrão" graças ao seu senso de humor e modo de enxergar o mundo à sua volta. Apaixonado por filmes de terror, quadrinhos e bandas como D.R.I., Faith No More e Napalm Death, escreve também para o blog Blasting Noise Fanzine. Possui muitos sonhos, dentre eles dar início a um projeto de grindcore.

Mais matérias de David Torres no Whiplash.Net.