Cryptic Slaughter: 28 anos de um clássico do Crossover Thrash

Resenha - Money Talks - Cryptic Slaughter

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Torres
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após terem gravado uma “demo” em 1985 e um clássico registro de estúdio em 1986, “Convicted”, os californianos do Cryptic Slaughter retornaram no ano seguinte com mais um grande feito. Produzido por Bill Metoyer (D.R.I., Dark Angel, Corrosion of Conformity, Hirax e muitos outros) e contando com uma capa engajada e ilustrada por Jeff Harp, “Money Talks” foi lançado em 15 de maio de 1987 sob o selo da Metal Blade Records e nesse mês, completou o seu 28° aniversário. Nesse mês de maio, diversas obras extremamente relevantes da história do Metal estão ficando mais velhas e para esse grande trabalho do Cryptic Slaughter, não foi nada diferente.
5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosMotley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

Uma “cozinha” de bateria e baixo completamente fora de sério inicia os primeiros acordes da esmagadora faixa título “Money Talks”. Os vocais esgoelados e rasgados de Bill Crooks entram em cena e a música ganha mais peso e agressividade. Os andamentos são totalmente entusiasmados e exalam toda o clima Hardcore Punk que há no som do grupo. É humanamente impossível para um admirador dessa sonoridade ficar indiferente. A desgraceira continua com a explosiva “Set Your Own Pace”, que já surge arregaçando tudo e todos com toda a sua fúria descontrolada. É uma faixa bem curta e que em sua metade fica mais cadenciada e divertida, para depois retomar a loucura que a iniciou.

Os “riffs” arrastados e pegajosos de Les Evans apresentam a terceira faixa, “Could Be Worse”. Mais um grande som para “banguear” e “moshar” à vontade. Novamente temos variações de andamento bem conduzidas, alternando de trechos cadenciados para outros completamente dementes. As quatro cordas pulsantes de Rob “Blasko” Nicholson dão espaço para “Wake Up”, mais uma pancadaria para nenhum ouvinte botar defeito. O baterista Scott Peterson detona em suas baquetas e seu instrumento demonstra-se sempre bem encaixado em meio aos demais integrantes, que também não desapontam por um milésimo de segundo que seja!

Baixo e guitarra apresentam os primeiros e grudentos acordes de “Freedom of Expression?”, o quinto ataque desse registro implacável. Nela, temos um solo de guitarra bem inserido e com melodias que contrastam perfeitamente com a sonoridade irônica do grupo. O “riff” de abertura da faixa seguinte, “Menace to Mankind”, é mais uma vez de fácil assimilação e não demora muito para que os nossos tímpanos voltem a ser golpeados por mais uma porrada certeira e extremamente eficaz. Assim como na música anterior, há também um breve e bem encaixado solo de guitarra de Les Evans. O final dessa composição também é épico e marcante, graças aos berros proferidos por Bill Crooks, que se repetem até o volume ser reduzido gradativamente, finalizando a faixa.

Curta e esmagadora, “Too Much, Too Little” é mais uma agressão sonora desmedida que metralha o ouvinte de modo insano. Nela temos quebras de ritmo assustadoras, além de um harmônico solo de guitarra que se incumbe de encerrar a música. Sem perder tempo, a banda continua a sua devastação com “Human Contrast”. O que temos aqui? Uma guitarra insana, baixo e bateria belicosos e vocais coléricos e totalmente esbravejados. Um arroz com feijão bem cozinhado e conduzido.

“Tables Are Turned” já começa com mais “riffs” viciantes e perfeitos. Em questão de segundos, descamba em mais um delicioso Crossover/Hardcore, perfeito para “banguear” e promover “mosh” e “slam dances” destrutivos, desses que devastam completamente o ambiente. Na sequência, surge “Positively”. O chimbal da bateria de Scott Peterson anuncia mais um “riff” portentoso e pouco depois, a selvageria é reiniciada.

Essa preciosidade primitiva se encerra com as igualmente sensacionais “All Wrong” e “American Heroes”, ambas tão energéticas e furiosas quanto às faixas anteriores, pondo fim a essa obra de maneira coesa e 100% satisfatória. Em poucas palavras, “Money Talks” é um clássico do gênero devido a toda sua crueza e simplicidade. Ainda que conte com uma produção mais limpa do que o igualmente clássico registro de estreia da banda, a sonoridade permanece desconcertante e ríspida. Uma obra obrigatória para todo apreciador de Crossover e Hardcore!

Escrito por David Torres

01. Money Talks
02. Set Your Own Pace
03. Could Be Worse
04. Wake Up
05. Freedom of Expression?
06. Menace to Mankind
07. Too Much, Too Little
08. Human Contrast
09. Tables Are Turned
10. Positively
11. All Wrong
12. American Heroes

Bill Crooks (Vocal)
Les Evans (Guitarra)
Rob “Blasko” Nicholson (Baixo / “Backing Vocals”)
Scott Peterson (Bateria)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cryptic Slaughter"

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Motley CrueMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

The OsbournesThe Osbournes
Sharon conta como Ozzy tentou assassiná-la

5000 acessosMetallica: a lista de exigências da banda em 19835000 acessosTradução - The Wall - Pink Floyd5000 acessosFotos de Infância: Skid Row3833 acessosRed Pony & Captain Marryat: o incurável vício da garimpagem de raridades5000 acessosRock in Rio: veja lista que desmente a picuinha de "não ter rock"5000 acessosMike Portnoy: os dez filmes mais perturbadores de todos os tempos

Sobre David Torres

Moderador e criador nas páginas Mundo Metal e The Old Thrash Metal, tem como estilo predileto o bom e velho Thrash Metal e procura sempre conhecer mais e mais acerca do estilo, assim como do Rock/Metal como um todo e as suas mais variadas vertentes e subgêneros.

Mais matérias de David Torres no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online