RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemOs 20 melhores álbuns lançados em 1993, segundo a Revolver Magazine


Os Playmobils: Paixão, humildade e estilo de vida rocker

Resenha - Quero Ver Até Onde Vocês Vão - Os Playmobils

Por Mário Orestes Silva
Postado em 03 de abril de 2015

A banda os Playmobils é um power trio amazonense, da capital Manaus, que escreve sua história no rock local desde o ano de 2001. E vem escrevendo muito bem, diga-se de passagem. Já possui em seu currículo um CD demo lançado em 2006, homônimo à banda, um EP oficial de 2011, chamado "3x4" (infelizmente esgotado, mas com previsão pra uma segunda edição em breve), um segundo EP oficial parido em 2013, com o nome "Quero Ver Até Onde Vocês Vão", e até mesmo um livro autobiográfico produzido em 2012 pela Editora Controle Gabiru da Bartlebee, escrito pelo baixista e vocalista da banda Albenízio Júnior e recebeu o título de "Recortes Ácidos – O Rock dos Playmobils". Aqui teremos uma sucinta resenha do segundo EP destes músicos que fazem parte de um grupo social rockeiro manauara conhecido como "Mama na Onça", que agita a cena musical autoral na cidade do Teatro Amazonas apoiando várias bandas como uma verdadeira irmandade, mas sem matar ninguém, apenas litros e litros de cerveja.

A bolachinha abre com a faixa que nomeia o disco "Quero Ver Até Onde Vocês Vão" é um petardo que resume bem o estilo punk rock do trio com uma direta para uma outra banda homônima que teimou em roubar o nome "Playmobils", mas afundou em sua medíocre falta de criatividade. A segunda faixa "Banda de Mentira" também pode ser dita como mais uma direta a outra banda sem muitos escrúpulos. Seu refrão é pegajoso e sua pegada bem marcada.

Em terceiro lugar vem "Ode e Cirrose" que já tem uma levada mais cadenciada e mais uma vez traz uma letra que parece ter sido feita para alguns pseudo artistas da cidade de Manaus que usam seus nomes e seus coleguismos para conseguir serviços gratuitos e se promoverem em eventos culturais de quinta categoria com estrutura precária. Alguns detalhezinhos nos instrumentos de cordas dão um certo diferencial na faixa.

Na quarta posição está "A Outra" que, diferente das anteriores, possui letra focada em uma crise de relacionamento. Esta já recebeu um tratamento mais atencioso em vocais dobrados e backings.

Pra fechar o disquinho vem "Fim Por Fim" que expressa em sua letra a influência ramoníaca de relacionamentos protagonizados por personagens que apresentam resquícios psicóticos. Ótimo refrão.

A sonoridade crua sem uma produção muito virtuosa pode até ser usada como argumento pra acusação de amadorismo iniciante, mas o que os Playmobils demonstram neste grande EP "Quero Ver Até Onde Vocês Vão" é uma sinceridade fria, direta, sarcástica e digna de quem faz a coisa com paixão, humildade e rocker em seu estilo de vida.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.