Blind Guardian: Épico, mas alicerçado nas raízes

Resenha - Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Junior Pontes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Desde o álbum "Somewhere Far Beyond (1992)" o BLIND GUARDIAN tem lançados álbuns no mínimo "bons" e foi também a partir deste álbum que a banda começou a ter intervalos maiores entre um lançamento e outro. Agora em 2015, os bardos chegam ao 10º álbum de estúdio, depois de um hiato de 5 anos, temos o sucessor do ótimo "At the Edge of Time (2010)", denominado de "Beyond the Red Mirror". O álbum traz inovações como de praxe da banda, mas ainda assim não perde as raízes que a tornou um dos maiores nomes do power metal.
3944 acessos2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados5000 acessosHeavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

O álbum é conceitual e continua a estória de onde terminou o álbum lançado o clássico absoluto "Imaginations From the Other Side" de 1995, que talvez seja o mais bem sucedido da banda. Além árduo fardo de continuar essa estória, traz a grandiosidade de ter o envolvimento das orquestras de Praga e Budapeste e seus respectivos corais, juntamente com um coral de Boston. Massividade essa que pode ser ouvida logo de cara na primeira faixa a épica e pomposa "The Ninth Wave" com seus quase 10 minutos de duração. A audição passa que nem se percebe, belos vocais de Hansi e corais bombásticos, mostrando o cartão visitas desse novo petardo da banda.

Na sequência temos a música que foi o primeiro single do álbum: "Twilight of the Gods". Como não poderia ser diferente, é uma música típica da banda, com suas principais características, com um ritmo acelerado, excelentes backing vocals e um excelente refrão, certamente fará a alegria dos fãs ao vivo. A terceira faixa é a profética "Prophecies" talvez uma das mais belas desse play, tem uma letra incrível, é progressiva, tem belas melodias que deixam a audição tranquila, destaques para a dupla André e Marcus nas guitarras, enormes chances dessa fazer parte do set list.

"At the Edge of Time" curiosamente é o título do ábum anterior, mas aqui trata-se da quarta faixa, tem passagens orquestradas e coros grandiosos, destaque para a Hansi novamente, que sabe encaixar sua voz perfeitamente para aquilo que a música pede. Após temos "Ashes of Eternity", talvez a menos empolgante desse trabalho, não que a música seja ruim, mas destoa das demais. Mas colocando tudo nos eixos novamente temos a pesada "The Holy Grail" com sua pegada tradicional, com belas linhas de bateria de Frederik, belo refrão e riffs de guitarra e novamente a precisão dos vocais de Hansi.

A sétima faixa trata-se de "The Throne", na minha opinião a melhor música do disco, bombástica, vocais dos mais belos feitos por Hansi, uma bela letra, é uma viagem épica de quase 8 minutos, mas que se tivessem 20 não ia fazer a menor diferença, dado a grandiosidade e a beleza da música, progressiva sim, mas com todos os elementos que a banda passou a dar mais enfasê a partir do álbum "A Night at the Opera (2002)". Seria empolgante ver a execução dessa obra de arte ao vivo, vamos esperar para ver se acontece. Após tomarmos fôlego novamente, vamos para a "Sacred Mind" que começa cadenciada, com vocais graves de Hansi e um coral, vai crescendo e ficando pesada, o destaque fica por conta novamente de Hansi com vocais mais rasgados do que no restante do álbum.

"Miracle Machine" é o momento "light" do disco, porém não menos grandioso. Essa música que foi composta por Hansi e o pianista Michael Schüren, que atua como músico convidado desde 1997 na banda, seria heresia comparar ao Queen, mas o som lembra muito o trabalho da banda britânica, é com certeza outra música que se destaca no álbum.

Finalizando o disco temos "Grand Parade" que é sinfônica, mas na medida certa. Outra faixa épica com refrão belíssimo. No geral o disco é excelente, pronto para estar ao lado dos clássicos da banda, destaque novamente para Hansi que novamente foi brilhante, tanto nas linhas vocais quanto nas letras criadas para o disco, Marcus e André sempre competentes e Frederik que não parece, mas faz 10 anos que se juntou a banda. Saliento ainda que foi oficializado como membro o baixista Barend Curbois, que já vinha dando suporte ao vivo para a banda. O BLIND GUARDIAN já passou dos 30 anos de carreira, e se a banda continuar com a maturidade que sempre teve e a vontade de se renovar a cada lançamento, durará muitos mais.

Beyond the Red Mirror - BLIND GUARDIAN
(Nuclear Blast, 2015)

1 - The Ninth Wave
2 - Twilight of the Gods
3- Prophecies
4- At the Edge of Time
5- Ashes of Eternity
6- The Holy Grail
7- The Throne
8- Sacred Mind
9 - Miracle Machine
10- Grand Parade

Line-up
Hansi Kürsch - Vocal
André Olbrich - Guitarra
Marcus Siepen - Guitarra
Barend Curbois - Baixo
Frederik Ehmke - Bateria

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

5000 acessosBlind Guardian: Triste ver a banda favorita seguir ladeira abaixo2475 acessosBlind Guardian: Um disco de power metal sinfônico de respeito

2000 a 20022000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Blind Guardian"

Stephen KingStephen King
As 12 melhores canções inspiradas em sua obra

Kai HansenKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Power MetalPower Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Blind Guardian"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

BehemothBehemoth
Ser cristão e curtir metal é louco

Skid RowSkid Row
Impressionante versão por uma única pessoa

5000 acessosAerosmith: Tyler tem o maior "instrumento" do Rock?5000 acessosMarilyn Manson: "Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"5000 acessosSlipknot: Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreira3461 acessosRhapsody Of Fire: por onde anda o baterista original?5000 acessosPhil Anselmo: "Pessoalmente, eu odeio rockstars!"5000 acessosLed Zeppelin: Perguntas e Respostas sobre a banda

Sobre Junior Pontes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online