RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso


Blind Guardian: Triste ver a banda favorita seguir ladeira abaixo

Resenha - Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Por Thiago Barcellos
Postado em 28 de janeiro de 2015

Nota: 5

Nunca pensei que fosse um dia escrever uma resenha falando mal da minha banda favorita, os alemães do Blind Guardian. Talvez eu nem seja a pessoa mais adequada para resenhar este disco, mas vamos lá.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Beyond The Red Mirror surge após um hiato de 5 anos, o que é comum se tratando de Blind Guardian. Porém a espera por um disco novo sempre foi recompensada, mas não desta vez. Quando ouvi o Nightfall pela primeira vez não gostei, mas após ouvir mais e mais ele se tornou rapidamente meu álbum favorito do BG. Este, ao contrário, conseguiu me desagradar mais e mais a cada nova ouvida.

Beyond é um disco fraco, muito fraco para o que o BG pode produzir, ainda mais após 5 anos de espera. As principais referências do som da banda ainda estão presentes: os coros, partes orquestradas, uma vaga lembrança do Speed Metal praticado pela banda no início, tudo no seu devido lugar. Só que tudo soa refeito, requentado. Não existe ousadia nem tampouco inspiração neste CD. Consegue ser mais insosso que o Twist in The Myth, que até então era considerado por mim o disco mais fraco da discografia da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The Ninth Wave é uma música chata, péssima escolha para abertura do CD. Levadas sem peso algum, muitos coros bonitos (lembram muito mais Therion que BG) e bem executados, alguns samples aqui e ali, mas uma música que você esquece logo após que ela acaba de tocar. Vazia e genérica.

Twilight of the Gods foi o single, e eu a achei razoável quando ouvi antes do CD sair, mas como o single dificilmente representa todo o disco não fiquei completamente desanimado (alguém disse Fly?). Mas ouvindo o CD todo, descobri que esta é uma das melhores. E é pouco, muito pouco para o que a banda sempre produziu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Prophecies é até legal, mas é uma daquelas músicas que passaria batida num bom CD da banda, a que você pula pra ouvir as favoritas. Mas perto do resto do CD, é uma boa música, com alguma inspiração.

At The Edge of Time poderia estar perfeitamente no A Night of The Opera, mas seria mais uma a ouvir uma vez e pular pra favorita. Boas melodias de guitarra e só.

Ashes of Eternity com um riff legalzinho e percussão, dando uma ilusão de que viria uma música pesada. Apesar da afinação baixa, não tem nada de peso, só aquele riff no início. Destaque nessa música para os solos de guitarra de André que, ao contrário do resto do disco, estão muito bons.

Holy Grail se tornou uma das minhas favoritas e - coincidência ou não- é a que mais chega perto do passado Speed Metal da banda. Poderia ser mil vezes melhor, mas eles insistem em abrir mão de peso e velocidade, mesmo quando a música pede por isso. Se estivesse no Imaginations ou no At The Edge of Time passaria despercebida. Mas ainda assim é a melhor do CD.

The Throne é mais uma a cair no que parece ser a nova zona de conforto da banda: Levada lenta, muitos e muitos coros sem nenhum feeling, muitas orquestrações e nenhum peso. Destaque mais uma vez pros solos.
Sacred Mind tem um começo digno de bocejos, aí entra num arranjo foda de coros e emenda numa sessão que você acha que vem uma porradaria a la I’m Alive, mas não, eles voltam pro mid-tempo genérico com muito pedal duplo, coros e orquestração. Mas tudo inofensivo, insosso e sem nenhum "punch". A música tem alguns trechos legais, mas é muito pouco.
Miracle Machine é uma balada completamente inspirada em Queen, essa sim vale a pena ouvir com atenção, e foi a única – repito – a ÚNICA música do CD que tive vontade de ouvir de novo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Grand Parade fecha o CD com muita pompa, com a orquestração mais evidente de todo o CD em seus intermináveis quase dez minutos de duração.

De fato as partes de orquestras estão muito bonitas, assim como o vocal de Hansi que, ao menos em estúdio, permanece inalterável. E a guitarra de André Olbrich está quase falando, de tão lindos que os solos estão. Mas é muito pouco. Blind Guardian significa qualidade. Grandiosidade. Entupir o álbum de coros e orquestras sem inspiração não o torna grandioso. Abaixar a afinação das guitarras não é garantia de peso.

Quem me conhece, sabe o quanto sou fã de BG. Consigo ver qualidade em toda a discografia da banda. Mas os caras lançaram um CD sem NENHUMA música que dê vontade de ver ao vivo, principalmente com as latentes limitações vocais de Hansi ao vivo. É muito triste para um fã como eu ver a banda favorita começar o processo de decomposição viva. Tomara que em um próximo CD eu queime minha língua, mas visto os últimos três discos, acredito que agora seja ladeira abaixo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E também não prego que uma banda fique gravando o mesmo CD sempre, acho ridículo um artista ficar na zona de conforto apenas para garantir o seu. Mas não é sempre que se acerta a mão ao aplicar mudanças. Até porque, tirando as afinações baixas não há absolutamente nada neste novo CD que já não tenha sido usado/aproveitado anteriormente pela banda. É mais ou menos o que ela já vinha fazendo, só que desta vez, com pouca ou nenhuma inspiração.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Resenha - Beyond The Red Mirror - Blind Guardian

Resenha - Beyond the Red Mirror - Blind Guardian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Fotos de Infância: Blind Guardian

Stephen King: Top 5 das canções inspiradas em sua obra

Para entender: o que é power metal?

Fabio Lima: mais dez músicas famosas do Rock que usam violão


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Thiago Barcellos

Analista de TI, músico multi-instrumentista e ainda compra CDs das suas bandas favoritas até hoje.
Mais matérias de Thiago Barcellos.