B'z: Um retorno aos anos de ouro

Resenha - Epic Day - B'z

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar Correções  

8


A música do B'z tem, basicamente, quatro fases: a inicial, quando faziam um pop bem anos 80/90 com guitarra proeminente; a fase intermediária, em que incorporaram o rock de vez ao seu som e viraram um grupo de pop rock; o auge em termos de qualidade musical, quando se entregaram ao hard rock e chegaram a dividir o palco até com Aerosmith; e a fase atual, que parecia percorrer o caminho inverso, indo do hard para o pop rock novamente.

Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsAC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os três álbuns anteriores soavam meio insossos, embora todos contivessem louváveis destaques. Muitas baladas e um hard rock com menos energia que o normal. Mas com Epic Day, a banda parece querer pegar de volta alguns elementos perdidos ao longo dos últimos anos.

Epic Day é 8 ou 80: ou você ouvirá baladas melódicas, ou ouvirá porradas do melhor rock nipônico. Todas as fases do universo B'z pós-Risky estão bem representadas aqui. Nas músicas lentas, temos exemplos como "Exit to the Sun", que combina uma balada guiada no piano com um belo solo no melhor estilo "Kon'ya Tsuki no Mieru Okani"; ou "Classmate", uma balada mais leve e sem distorção nas guitarras. Quanto aos momentos de peso, vemos um muito bem-vindo retorno à fase Big Machine, The Circle e Monster. Algumas flertam com o pop rock ("Uchōten", "No Excuse"), já outras vão mais na linha do hard rock cru ("Epic Day" e "Black Coffee").

Um sinal de volta ao passado que, diga-se de passagem, já havia sido evidenciado no ótimo single de 2012 "Go for It, Baby - Kioku no Sanmyaku". Pode ser o início de uma fase inteira, ou talvez só um lampejo de felicidade. Mas uma coisa que não muda nunca é o vigor e a qualidade musical deste que é um dos expoentes do rock japonês.

Abaixo, um trecho do vídeo de "Uchōten":

Track-list:
1. "Las Vegas"
2. "Uchōten"
3. "Exit to the Sun"
4. "No Excuse"
5. "Amari ni mo"
6. "Epic Day"
7. "Classmate"
8. "Black Coffee"
9. "Kimi wo Ki ni Shinai Hi Nado"
10. "Man of the Match"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil RuddAC/DC
Prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor