RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger


Stamp

Damn Yankees: 25 anos do ótimo disco de estreia

Resenha - Damn Yankees - Damn Yankees

Por Igor Miranda
Fonte: IgorMiranda.com.br
Postado em 24 de fevereiro de 2015

Nem todo supergrupo é super de verdade. Às vezes, a simples presença de músicos consagrados em uma mesma banda não faz com que role química.

Não é o caso do Damn Yankees, que casou perfeitamente logo de início. Talvez a ocasião tenha sido essencial, pois, com exceção do relativamente novato baterista Michael Cartellone, os outros músicos não estavam fazendo tanto sucesso com seus projetos anteriores.

Jack Blades (Night Ranger), Tommy Shaw (Styx) e Ted Nugent se uniram ao já mencionado Michael Cartellone para uma banda com um foco claro: mergulhar no hard rock oitentista, de tanto sucesso à época. No entanto, isso foi feito de forma cuidadosa, sem se render a visuais exagerados ou abordagens excessivamente pop. Não espere encontrar teclados e sintetizadores abusivos no disco de estreia do quarteto, nem clichês mal trabalhados - há clichês, como 99% dos trabalhos de rock, mas praticados com excelência - ou passagens de encaixe duvidoso. O hard do debut dos Yankees é direto e conciso.

O álbum de estreia do Damn Yankees é fora de série justamente por trazer a vivacidade dos hits oitentistas com a preocupação instrumental que havia nas bandas setentistas. Música feita com o olhar de quem entende. A pegada comercial de Shaw e Blades, dois hitmakers, aliada ao instrumental rústico especialmente de Nugent e Cartellone, foi o ponto de equilíbrio. E deu certo.

A aposta na evolução do que se chama de "arena rock" foi bem reconhecida. O álbum de estreia do quarteto chegou à 13ª posição das paradas gerais dos Estados Unidos, conquistou disco duplo de platina e emplacou cinco singles em charts do país, com destaque à "High Enough", que atingiu o 3° lugar na Billboard Hot 100. Foi sucesso também no Japão. O grupo se deu bem e ainda lançou um segundo disco, "Don't Tread", de menor repercussão, até que o projeto se desfez.

Leia a análise faixa-a-faixa completa no link:
http://www.igormiranda.com.br/2015/02/damn-yankees-25-anos-do-disco-de-estreia.html

Damn Yankees: "Damn Yankees"
(Lançado em 22 de fevereiro de 1990)

Tommy Shaw (vocal, guitarra, violão)
Jack Blades (vocal, baixo)
Ted Nugent (guitarra, vocal em 10)
Michael Cartellone (bateria)

Músicos adicionais:
Steve Freeman (teclados)
Alan Pasqua (órgão Hammond)
Neverleave Brothers (backing vocals)
B.J. Ingram (violino)
David Niwa (violino)
Marion Pinhiero (violino)
Marti Sweet (violino)
Gerlad Tarack (violino)
Sarah Carter (violoncelo)
Jesse Levy (violoncelo)
Charles McCracken (violoncelo)
Ron Raffio (baixo adicional)
Danny Cahn (trompete)
Steve Guttman (trompete)
Richard Centalonza (palhetas)
Lawrence Feldman (palhetas)
William Meade (palhetas)
Roger Rosenberg (palhetas)
Nancy Wolfe (palhetas)
Dale Kirkland (trombone)
Keith O'Quinn (trombone)
Jack Schatz (trombone)
Katharine Easter (trompa)
Ann Yarbrough (trompa)
Ian Finkle (percussão)
Clfton Hardison (percussão)
Ray Marchica (bateria adicional)

01. Coming Of Age
02. Bad Reputation
03. Runaway
04. High Enough
05. Damn Yankees
06. Come Again
07. Mystified
08. Rock City
09. Tell Me How You Want It
10. Piledriver

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



AOR: dez álbuns essenciais dos anos noventa


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.