Matérias Mais Lidas

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemRick Wakeman relembra época em que o Yes abria show para o Black Sabbath

imagemRolling Stones: Keith Richards compara tocar com Brian Jones, Mick Taylor e Ron Wood

imagemTestament está confirmado na edição brasileira do Summer Breeze, segundo jornalista

imagemA dura bronca dos Titãs em Nando Reis durante gravação de "Titanomaquia"

imagemShow do Dream Theater em São Paulo não será mais realizado no Pavilhão Pacaembu

imagem4 hits do Deep Purple cujos riffs Ritchie Blackmore já confessou ter copiado

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemRob Trujillo presta tributo ao Rage Against The Machine após shows em Nova Iorque

imagemCinquenta grandes músicas lançadas por bandas de rock e heavy metal em 2022


Evergrey: Autenticidade e intensidade são as palavras de ordem

Resenha - Hymns For The Broken - Evergrey

Por Felipe Cipriani Ávila
Em 07/10/14

Se há uma banda dentro do atual cenário Heavy Metal que pode ser considerada autêntica e única, esta é a sueca Evergrey. Já totalizando nove álbuns de estúdio em dezenove anos de carreira, "Hymns For The Broken" é o mais recente e foi lançado no dia 26 de setembro via AFM Records. Com doze temas que alternam entre momentos mais pesados a outros mais sombrios e soturnos, se mostra um trabalho muito dinâmico, versátil e, acima de tudo, bastante intenso, emocionante e bonito. O álbum marca o retorno de Henrik Danhage e Jonas Ekdahl, guitarrista e baterista, respectivamente, desde a saída amigável de ambos em 2010.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Emergente da respeitável cena de Gotemburgo, o Evergrey é uma banda que já coleciona registros memoráveis. A sua sonoridade é bem característica e foi ficando cada vez mais intensa, bem trabalhada e lapidada no decorrer dos anos.

A diversidade e versatilidade do disco é um dos seus grandes trunfos assim como da carreira do conjunto como um todo. Tudo foi feito com muito esmero e bom gosto, o que se nota prontamente da primeira até a última nota tocada. "Hymns For The Broken" é um trabalho repleto de predicados e atributos e há uma porção de razões para elogiá-lo. Difícil mesmo é não soar redundante e repetitivo no processo. Peço perdão antecipado ao (a) caro (a) leitor (a) se assim o fizer uma porção de vezes. É inevitável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O principal desafio do grupo era manter o alto nível de qualidade do álbum predecessor, "Glorious Collision" (2012), que foi muito bem recebido pelos fãs e crítica especializada. Apesar da ausência à época de Henrik Danhage e Jonas Ekdahl, Marcus Jidell (Avatarium, ex-Royal Hunt) e Hannes Van Dahl (Downthrust, Sabaton) os substituíram de forma muito digna, apresentando um ótimo trabalho no disco em questão. Por outro lado, Henrik e Jonas gravaram nesse meio tempo um EP e dois álbuns completos com o Death Destruction, formado em 2004, e que inicialmente era um projeto paralelo ao Evergrey. Pode-se dizer que, sem sombra de dúvidas, o desafio foi cumprido com êxito e naturalidade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após uma breve e climática faixa de abertura, "The Awakening", logo somos bombardeados pelo primeiro single e videoclipe oficial do trabalho. "King Of Errors" impressiona prontamente pela intensidade e beleza. A voz de Tom S. Englund é muito própria, de uma imponência e sensibilidade ímpares. As camadas de teclado se mostram muito bem encaixadas, não apenas na música em questão, mas durante toda a audição. Os solos de guitarra são um espetáculo à parte, mostrando que a incrível química entre a dupla Englund/Danhage perdura, mesmo após a separação de quatro anos. Não poderia haver início mais impactante!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O terceiro tema, "A New Dawn", se mostra um dos mais interessantes e aprazíveis do álbum. Com introdução bonita e muito cativante, este logo fica mais encorpado, com ótimos riffs de guitarra e camadas de teclado novamente muito bem encaixadas. O refrão é simples, porém repleto de emotividade e paixão. Tom S. Englund nos brinda com mais uma atuação brilhante. Incrível como ele canta com o coração! Os solos de guitarra são muito marcantes e inspirados. Em suma, temos aqui a junção de peso e riffs de guitarra bem "na cara" a momentos repletos de intensidade e sentimento. Enquanto que a próxima, "Wake A Change", já é mais soturna e obscura. Os elementos eletrônicos são muito bem dosados e se encaixam "como uma luva" nessa proposta mais sombria. A interpretação de Tom S. Englund é outra vez magistral, fazendo o ouvinte sentir a emoção de cada palavra cantada. Outro mais do que digno de menção e elogio é o tecladista Rikard Zander, que mostra muita sensibilidade e criatividade ao executar o seu instrumento. Para alguns esta pode até ser considerada uma canção com viés mais experimental. Independente do modo como cada um pode interpretá-la, ela é de fato muito característica, envolvente e contêm "brilho próprio".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Archaic Rage" tem introdução bem particular e que vai "crescendo" no seu desenvolvimento. Os riffs de guitarra são muito fortes, a cozinha é muito precisa e as linhas vocais são deveras memoráveis. Quem já teve o prazer de ver a banda em solos tupiniquins sabe que Tom S. Englund as reproduz com extrema fidelidade e perfeição, dando tudo de si. O refrão desta é belíssimo, acrescido a outro grande e diferenciado trabalho de Rikard Zander.

"Barricades" é uma típica canção do conjunto sueco. O seu início já é bem pesado e épico, culminando na ponte e refrão sensacionais. As camadas de teclado mais uma vez se fazem bem evidentes e presentes, abrilhantando tudo ainda mais. Os solos de guitarra são avassaladores e com "assinatura própria". Enfim, temos aqui todos os elementos que fizeram o Evergrey se tornar um nome de muito respeito não apenas na cena do seu país natal, mas mundo afora. Numa verve mais taciturna, temos "Black Undertow". O seu princípio contêm "gélidas" e sombrias camadas de teclado, com as linhas vocais mantendo essa atmosfera tensa e obscura. Entretanto, logo fica mais encorpada até atingir o refrão bem emocional e soturno. Os solos de guitarra chamam a atenção e são bem melodiosos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The Fire" é bem pesada e enérgica, intercalando momentos mais vigorosos a linhas vocais intensas e lindíssimas. Jonas Ekdahl executa a sua bateria com maestria, sem dó nem piedade. Johan Niemann (Mind’s Eye, ex-Therion) também apresenta desempenho bastante elogiável, com linhas de contrabaixo certeiras e bem evidentes. Os elementos eletrônicos se integram muito bem à proposta do tema, não soando em nenhum momento exagerados.

Se for possível citar destaques numa obra tão coesa e valorosa, um deles certamente é a faixa título. Tom S. Englund dá um show de interpretação, como já é de se esperar. O refrão, jungido a ótimos riffs de guitarra e camadas de teclado, é daqueles que "colam" na mente desde a primeira audição. Os solos de guitarra são melódicos e muito bonitos. Intensidade seria a palavra mais justa e autoexplicativa para descrever "Hymns For The Broken". Eis uma pérola que já nasceu clássica!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As três últimas faixas apenas reforçam o quão inspirado e mágico o conjunto soou até o momento. "Missing You" é uma belíssima e comovente balada, com atuação tocante de Tom S. Englund. Sendo a de maior duração do play, "The Grand Collapse", começa com camadas de teclado fascinantes e envolventes, logo dando espaço para riffs pesados de guitarra. Difícil explicar a atmosfera épica, sombria e intensa que permeia todo o tema, sem correr o risco de soar deveras simplista e clichê. Os já mencionados riffs de guitarra são muito fortes, culminando em uma parede sonora poderosa. Há belas camadas de teclado em todo o seu decorrer. Sim, caro (a) leitor (a), pode apertar o repeat do seu aparelho de som sem dó! A próxima e segunda mais longa, "The Aftermath", tem uma aura pink floydiana, o que faz sentido, já que Tom S. Englund descreve David Gilmour como a sua principal influência e inspiração. É aquela canção que fará com que os pelos do seu braço se arrepiem em vários momentos, tamanha a carga emocional e sentimentalidade. Que timbre vocal maravilhoso! As camadas de teclado são elegantes, para variar, dando um "tempero" a mais ao conjunto da obra. A faixa parece ter menos de dois minutos tamanha a sua intensidade e sensibilidade. Fecha com "chave de ouro" esse magnificente trabalho! Uma verdadeira e genuína obra-prima musical, sem sombra de dúvida!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A audição do álbum na íntegra é mais do que indicada e obrigatória, não apenas para os seguidores e fãs, mas para todos que apreciem bandas que se reinventam disco após disco, sem medo de arriscar e experimentar novos elementos e ares musicais! Vida longa a Tom S. Englund e a sua trupe e que continuem nos brindando com mais trabalhos dessa estirpe e classe por muitos e muitos anos! Altamente recomendado! Seguramente figurará na lista de melhores do ano!

Confira o videoclipe oficial do single "King Of Errors":

Formação atual:
Tom S. Englund – Vocal e guitarra
Rikard Zander - Teclado
Johan Niemann – Contrabaixo
Henrik Danhage – Guitarra
Jonas Ekdahl – Bateria

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixas:
1 – The Awakening
2 – King Of Errors
3 – A New Dawn
4 – Wake A Change
5 – Archaic Rage
6 – Barricades
7 – Black Undertow
8 – The Fire
9 – Hymns For The Broken
10 – Missing You
11 – The Grand Collapse
12 – The Aftermath


Outras resenhas de Hymns For The Broken - Evergrey

Resenha - Hymns For The Broken - Evergrey

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Resenha - A Heartless Portrait; The Orphean Testament - Evergrey

Dupla de guitarristas do Evergrey compartilha pérolas de suas playlists

Evergrey lança lindo visualizer do single "Call Out the Dark"

Evergrey divulga "A Heartless Portrait (The Orphean Testament)", novo álbum de estúdio

Evergrey divulga vídeo oficial de "Blindfolded", música do próximo álbum; confira

Tom Englund: os álbuns que marcaram o vocalista do Evergrey

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da Suécia

Suécia: 25 grandes bandas de metal que surgiram no país escandinavo

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

King Diamond: O que significa ser Satanista?


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila.