Black Laguna: Com ajustes, "metal cerveja" pode convencer mais

Resenha - Black Laguna - Black Laguna

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: IgorMiranda.com.br
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


As influências do Black Laguna são claras. A banda respira Pantera - e projetos complementares de envolvidos, como Down e Hellyeah - e transpira Black Label Society. Distorções pesadas, tonalidades graves e vozes rasgadas marcam o grupo de São Paulo, que dá um pouco de brasilidade ao southern metal nascido no sul dos Estados Unidos.
5000 acessosQueen: Uma das maiores coleções sobre a banda está no Brasil5000 acessosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja

O primeiro EP do grupo, lançado em 2013, foi apresentado a mim e aparece descrito nas redes sociais como "um fôlego discrepante no cenário underground brasileiro em meio a um turbilhão caótico de repetições, cópias e 'mais do mesmo'". Não é bem assim. Claramente são poucas bandas que praticam esse estilo de forma competente no Brasil - e, sem dúvidas, o Black Laguna é bom no que faz. Mas o "metal cerveja" que os paulistas tocam aqui já existe há um bom tempo e, ao menos na parte instrumental, não traz nada de novo. A roda não foi reinventada - e isso é bom em alguns momentos, mas ruim em outros.

A abertura "Inseto Asqueroso" é questionável em alguns pontos, mas mostra que a banda acertou em outros. A produção destoa positivamente das que são geralmente feitas no Brasil: o vocal não é colocado em tanta evidência com um volume muito mais alto do que o restante do instrumental, que ganha uma coerente potência. No entanto, as técnicas extremas de canto de Ryan Lopez - especialmente em momentos screamo - precisam ser melhor desenvolvidas.

Não que exista nada mal colocado ou desafinado. Pelo contrário: Lopez é o cantor ideal para o Black Laguna. Mas a pronúncia, em muitos momentos, é ruim. Mal dá para entender a letra em certos trechos. Se a composição é em português, pressuponho que a intenção é garantir maior proximidade com o público nacional. Mas como isso é feito se a compreensão dos versos é comprometida?

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Prova de que o screamo deve ser deixado de lado é a canção seguinte, "Resto do Lixo". Arrastada, a faixa deixa claro que a voz grave e rouca de Ryan Lopez é forte. A melhor opção, diria. Não há screamo nessa música. O instrumental permanece irretocável. As guitarras pesadas de Fabrício Pereira e a bateria precisa de Paulo Hipolito são essenciais para dar consistência.

"Aqui Jaz o Silêncio" traz a boa participação do vocalista Marcelo Smile (Tallene), que apresenta um senso melódico que contrasta com a agressividade de Ryan Lopez. Os riffs dessa música são os melhores do EP, mas acho que faltaram solos de guitarra.

"O Velho Beberrão" também conta com riffs sensacionais, sempre com o complemento da bateria, que alterna bem entre momentos mais ou menos arrastados. A letra temática é boa - e nem precisa explicar, mas é contada a história de um... velho beberrão. "Bem Vindos a Wolf Creek" traz variações de campo harmônico e, enfim, solo de guitarra. É um bom encerramento, mas que pouco muda em relação às canções anteriores.

Abandono do screamo, mais solos de guitarra e mais variações rítmicas. O Black Laguma é bom, promissor e pode evoluir muito se levar esses três elementos aconselhados em consideração. O EP é bom, pesado e divertido. Mas a audição pode ficar enjoativa em um futuro full-length se a fórmula aqui apresentada for seguida tão à risca.

Nota 7

Black Laguna: "Black Laguna" (2013)

Ryan Lopez (vocal)
Fabricio Pereira (guitarra, baixo)
Paulo Hipolito (bateria)
Diego Iastremski (guitarra - atual integrante, mas não toca no EP)

01. Inseto Asqueroso
02. Resto do Lixo
03. Aqui Jaz o Silêncio
04. O Velho Beberrão
05. Bem Vindos a Wolfcreek

Acesse:
http://www.facebook.com/blacklagunaband

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Laguna"

Collectors RoomCollectors Room
Uma das maiores coleções sobre o Queen está no Brasil

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Marc Ferr?Marc Ferr?
A música "Wasting Love", do Iron Maiden, é um Plágio?

5000 acessosRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos5000 acessosSlayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda5000 acessosMotley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee5000 acessosGuns N' Roses: formação atual é "100x" melhor que anterior, diz Fortus5000 acessosHugo Mariutti: "considero Reason o último disco do Shaman"5000 acessosMarilyn Manson: Corey Taylor fala sobre o cantor

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online