RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Black Laguna: Com ajustes, "metal cerveja" pode convencer mais

Resenha - Black Laguna - Black Laguna

Por Igor Miranda
Fonte: IgorMiranda.com.br
Postado em 28 de agosto de 2014

Nota: 7

As influências do Black Laguna são claras. A banda respira Pantera - e projetos complementares de envolvidos, como Down e Hellyeah - e transpira Black Label Society. Distorções pesadas, tonalidades graves e vozes rasgadas marcam o grupo de São Paulo, que dá um pouco de brasilidade ao southern metal nascido no sul dos Estados Unidos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O primeiro EP do grupo, lançado em 2013, foi apresentado a mim e aparece descrito nas redes sociais como "um fôlego discrepante no cenário underground brasileiro em meio a um turbilhão caótico de repetições, cópias e 'mais do mesmo'". Não é bem assim. Claramente são poucas bandas que praticam esse estilo de forma competente no Brasil - e, sem dúvidas, o Black Laguna é bom no que faz. Mas o "metal cerveja" que os paulistas tocam aqui já existe há um bom tempo e, ao menos na parte instrumental, não traz nada de novo. A roda não foi reinventada - e isso é bom em alguns momentos, mas ruim em outros.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A abertura "Inseto Asqueroso" é questionável em alguns pontos, mas mostra que a banda acertou em outros. A produção destoa positivamente das que são geralmente feitas no Brasil: o vocal não é colocado em tanta evidência com um volume muito mais alto do que o restante do instrumental, que ganha uma coerente potência. No entanto, as técnicas extremas de canto de Ryan Lopez - especialmente em momentos screamo - precisam ser melhor desenvolvidas.

Não que exista nada mal colocado ou desafinado. Pelo contrário: Lopez é o cantor ideal para o Black Laguna. Mas a pronúncia, em muitos momentos, é ruim. Mal dá para entender a letra em certos trechos. Se a composição é em português, pressuponho que a intenção é garantir maior proximidade com o público nacional. Mas como isso é feito se a compreensão dos versos é comprometida?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Prova de que o screamo deve ser deixado de lado é a canção seguinte, "Resto do Lixo". Arrastada, a faixa deixa claro que a voz grave e rouca de Ryan Lopez é forte. A melhor opção, diria. Não há screamo nessa música. O instrumental permanece irretocável. As guitarras pesadas de Fabrício Pereira e a bateria precisa de Paulo Hipolito são essenciais para dar consistência.

"Aqui Jaz o Silêncio" traz a boa participação do vocalista Marcelo Smile (Tallene), que apresenta um senso melódico que contrasta com a agressividade de Ryan Lopez. Os riffs dessa música são os melhores do EP, mas acho que faltaram solos de guitarra.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"O Velho Beberrão" também conta com riffs sensacionais, sempre com o complemento da bateria, que alterna bem entre momentos mais ou menos arrastados. A letra temática é boa - e nem precisa explicar, mas é contada a história de um... velho beberrão. "Bem Vindos a Wolf Creek" traz variações de campo harmônico e, enfim, solo de guitarra. É um bom encerramento, mas que pouco muda em relação às canções anteriores.

Abandono do screamo, mais solos de guitarra e mais variações rítmicas. O Black Laguma é bom, promissor e pode evoluir muito se levar esses três elementos aconselhados em consideração. O EP é bom, pesado e divertido. Mas a audição pode ficar enjoativa em um futuro full-length se a fórmula aqui apresentada for seguida tão à risca.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

Nota 7

Black Laguna: "Black Laguna" (2013)

Ryan Lopez (vocal)
Fabricio Pereira (guitarra, baixo)
Paulo Hipolito (bateria)
Diego Iastremski (guitarra - atual integrante, mas não toca no EP)

01. Inseto Asqueroso
02. Resto do Lixo
03. Aqui Jaz o Silêncio
04. O Velho Beberrão
05. Bem Vindos a Wolfcreek

Acesse:
http://www.facebook.com/blacklagunaband

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.