Agathocles/Preguh/Archagathus: Brasileiros em split com ícones

Resenha - 3 Times Tortured... ...but Still Alive - Agathocles/Preguh/Archagathus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os brasileiros do Preguh, banda oriunda de Santos/SP, se juntaram à clássica banda de Grindcore Agathocles e com os canadenses do Archagathus para soltar este split atípico, já que cada uma segue um direcionamento. O resultado é interessante e chega até a surpreender.

David Coverdale e a palavra "Love" - Parte IAs regras do Power Metal - Parte I

Abrindo o trabalho, os belgas do Agathocles trazem seu Grindcore maléfico como sempre fez. A banda (talvez uma das mais prolíficas do mundo) exagera na 'tosquice', mas no final sua sonoridade sempre parece ser interessante. As faixas do split foram retiradas de outros splits, sendo que duas telas foram gravadas ao vivo durante a turnê que a banda fez no Brasil em 2007. Sem dúvidas Cellar Throne é a composição que mais se destaca com seu teor sarcástico.

Da décima faixa até a a 18ª é a vez dos brasileiros do Preguh deixar sua mensagem. Cantando em português, o grupo destila um Thrash Metal com um pé no Crossover e cheio de energia. Com uma sonoridade veloz a banda destila uma música suja e sem escrúpulos, tendo grande influência Punk. A banda é praticamente um D.R.I. brasileiro, diante das devidas proporções.

Importante ressaltar que a banda é formada por membros conhecidos do underground como o baterista Luiz Carlos (Vulcano, Chemical Disaster, entre outros) e o guitarrista Arthur Justo (ex-baterista do Chemical Disaster e Vulcano), além do vocalista Osvaldo (Repulsão Explícita) e do baixista Adair Jr (No Sense).

Fechando o trabalho, os canadenses do Archagathus trazem um Grind/Gore mais brutal, podre e com pegadas Death Metal. A maior influência, sem dúvidas, é o Mortician, mas obviamente que a banda possui suas particularidades, como ter um baterista 'humano', por exemplo.

Um split interessante, mas que sofre, por exemplo, com a produção sonora. Quem se sai melhor nesse quesito são os brasileiros do Preguh, porém ainda faltou mais peso no som. De qualquer forma, trata-se de um trabalho extremamente undeground!

Agathocles:
https://www.facebook.com/pages/Agathocles/110986205589727
Preguh:
https://myspace.com/preguh
Archagathus:
https://www.facebook.com/archagathus.mince?fref=ts



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Agathocles"Todas as matérias sobre "Preguh"Todas as matérias sobre "Archagathus"


David Coverdale e a palavra Love - Parte IDavid Coverdale e a palavra "Love" - Parte I
David Coverdale e a palavra "Love" - Parte I

As regras do Power Metal - Parte IAs regras do Power Metal - Parte I
As regras do Power Metal - Parte I

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992South Park: Aparições de estrelas do rock no desenhoVan do Halen: Melhores discos de 2017

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.