Scorpions: Músicas marcantes, refrões grudentos e baladas

Resenha - Blackout - Scorpions

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gustavo Debastiani
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O momento vivido pelos Scorpions no começo da década de 80 era ótimo: Vinha de dois grandes álbuns (Lovedrive, de 1979, e Animal Magnetism, de 1980) e de um sucesso crescente em todas as partes do globo. Mas com o trabalho de 1982, intitulado de Blackout, o Scorpions ganha de vez fama mundial, com recordes de vendas e sucesso na terra do Rock n' Roll, os Estados Unidos. O álbum está cheio de músicas marcantes, refrões grudentos e baladas cheias de romantismo. Mas antes do lançamento do álbum que deu fez do Scorpions estrelas, um problema grave acontece. Klaus Meine, vocalista da banda perda a voz devido a nódulos na garganta. Mas graças a um longo tratamento na Áustria e ajuda e grande amizade entre os membros do Scorpions, Klaus se recupera totalmente, voltando ao estúdio com uma voz ainda melhor! Mas neste meio tempo entre tratamento e recuperação, a banda conta com a ajuda de Don Dokken (amigo da banda e futuro vocalista e guitarrista da banda de Hard Rock Dokken), que após a recuperação de Klaus provavelmente foram descartadas. Superado o obstáculo, este álbum veio para mostrar para o mundo a força que tem o Rock Alemão, em mais de 30 minutos de pura nostalgia!

Scorpions: veja o setlist que a banda vai tocar no Rock in RioFreddie Mercury: Características vocais do cantor

O álbum abre com a música título, Blackout. Com um ritmo verdadeiramente scorpiano (contagiante) a música abre, com um belo vocal de Klaus Meine, que impressionou a muita gente e com uma bela entrosação das guitarras. A bateria também é bem presente, em uma das melhores música do disco. O refrão é o melhor do disco, contagiante e grudento. Uma música muito Hard Rock no estilo do Scorpions. Os guitarristas mostram sua virtuosidade e arrebentam. O solo é um dos melhores da carreira do Scorpions. A letra de Blackout não fala de um específico apagão, mas sim de uma pessoa à beira do colapso nervoso que eventualmente torna-se louco.

A próxima música abre com um ritmo bom e a marca registrada desta música, o "One... Two... One... Two... One, Two, Three, Four!". A voz de Klaus está perfeita, onde a letra aborda o tema dos fãs, como uma volta triunfal de Klaus Meine ao problema sofrido com a voz. O refrão, sinceramente, é a parte de Can't Live Without You que menos gosto, acho que faltou criatividade. O solo também é bom, Jabs arrebenta de novo.

A música que vem na sequência é o maior hit do álbum, No One Like You. O ritmo de gênio, a introdução matadora e a música acalma, e Klaus começa a cantar. O refrão é marcante e grudento. A letra foi inspirada na mulher do vocalista Klaus Meine, por passar pouco tempo com ela devido a agenda lotada. Os arranjos de Jabs no meio da música são o ingrediente perfeito momentos antes do solo genial! Um dos melhores solos do Scorpions, uns comparam-lo como um esboço do maior hit do Scorpions, Rock You Like A Hurricane, do álbum seguinte. A música termina com Klaus cantando o refrão repetidamente, lindo!

Na sequência vem You Give Me All I Need. Uma música que no começo é lenta, mas ganha força após alguns segundos e tem uma bela introdução, que, depois da mesma, fica calma de novo. Uma letra romântica, onde explode no refrão que é energético. O solo é muito bom, com alternando em rápido e calmo, mas sem perder a empolgação.


Now! é também um dos destaques do álbum. Com seu ritmo empolgante, Klaus Meine detona. Nesta música Klaus impressiona pelos altos tons alcançados, pois passou por uma cirurgia na garganta em menos de um ano. O refrão é, sem dúvida, fantástico, com poucas frases, Klaus Meine o torna eterno. O solo é grande, grande como o álbum e como o talento de Jabs. Now! foi lançado como single, mas não alcançou uma grande repercussão, é uma pena, pois a música é excelente.

Aí vem Dynamite, a música mais empolgante do álbum. Cheia de energia, Dynamite é um clássico dos anos 80 e do Hard Rock mundial. A música já começa com tudo, o ritmo rápido e os versos cantados com velocidade dão energia a música, que é comparado por alguns como uma resposta a TNT, do AC/DC. O refrão é grudento, e Klaus detona. A letra também parece em homenagem aos fãs. O solo é rápido e grande, grande como Matthias Jabs na melhor fase de sua carreira. Rudolf e Herman também detonam, simplesmente uma das melhores músicas do álbum e da banda.


Arizona tem um bom ritmo e um vocal perfeito, com uma letra romântica. O refrão é mais comprido do que todos os do álbum, mas também fica na cabeça. Ela é uma das músicas que menos ganharam atenção, mas não deixa de ser boa. Tem uma grande aparição de Jabs, faz um solo curto de introdução, com mais solos bons no meio da música, que ainda conta com arranjos.

China White aposta em uma letra mais pacíficas, sendo a melhor letra do álbum. A música abre com a bateria, que em poucos segundos ganha um bom ritmo com a guitarra, a propósito, um dos melhores trabalhos e entrosamento de guitarras do álbum. A voz de Klaus também está perfeita, na música de maior duração do álbum. Esta música também tem uma das melhores aparições de Herman. O refrão não é grudento, mas não deixa de ser bom. O solo é comprido, bom, muito bom.

O álbum fecha com When The Smoke Is Going Down. Ela foi incluída ao álbum como uma homenagem à Klaus Meine, e se tornou a música que fecha as apresentações do grupo, hoje em dia com menos frequência. Uma das mais belas baladas do Scorpions, ganhou até um clipe. O solo é calmo, mas genial. o refrão é legal, e no final Klaus repete "When The Smoke Is Going Down... When The Smoke Is Going Down... When The Smoke Is Going Down", lindo.

Curiosidades:

* O single No One Like You ficou em #1 na Mainstream Rock, tornando-se o primeiro e único single da banda a atingir tal posição;

* Blackout foi eleito o "Melhor Álbum de Hard Rock do Ano" (1982);

* O álbum Blackout ficou na #10 da Billboard Hot 100.

Lançamento: 10/04/1982

Gênero: Hard Rock

Duração: 34 minutos e 5 segundos

Gravadora: EMI Music e Mercury Records

Produção: Dieter Dierks

Premiações: 4 discos de ouro e 1 disco de platina.

Faixas:

1. Blackout - 3:49
(Schenker/Meine/Rarebell)
2. Can't Live Without You - 3:47
(Schenker/Meine)
3. No One Like You - 3:57
(Schenker/Meine)
4. You Give Me All I Need - 3:39
(Schenker/Meine)
5. Now! - 2:35
(Schenker/Meine/Rarebell)
6. Dynamite - 4:12
(Schenker/Meine/Rarebell)
7. Arizona - 3:56
(Schenker/Rarebell)
8. China White - 6:59
(Schenker/Meine)
9. When The Smoke Is Going Down - 3:51
(Schenker/Meine)

Créditos:

Vocal: Klaus Meine
Guitarra Rítmica: Rudolf Schenker
Guitarra Solo: Matthias Jabs
Baixo: Francis Buchholz
Bateria: Herman Rarebell

No One Like You ao vivo do Wacken Open Air 2006

Blackout do DVD ao vivo World Wide Live

Dynamite ao vivo


Outras resenhas de Blackout - Scorpions

Scorpions: 35 anos de Blackout, para quem tem saudade do bom pesoScorpions: Muitos dizem que é o melhor trabalho da discografiaScorpions: Em 1982, sem baladas impróprias para diabéticos




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Scorpions"


Scorpions: veja o setlist que a banda vai tocar no Rock in RioScorpions
Veja o setlist que a banda vai tocar no Rock in Rio

Rock Ao Vivo: fotos e resenha dos shows de Scorpions,WWhitesnake e Helloween em POAScorpions: Amazonia Part.4, mais um vídeo registrado em RecifeRock In Rio 1985: História & Bastidores - Parte 1 (vídeo)Scorpions: Klaus & Matthias em "Wind Of Change" contra racismo e violência

Rock in Rio 2019: horários do dia do metal passam por pequena alteraçãoRock in Rio 2019
Horários do "dia do metal" passam por pequena alteração

Scorpions: Dust In The Wind, Wind Of Change e 321 em RecifeScorpions
"Dust In The Wind", "Wind Of Change" e "321" em Recife

Regis Tadeu: por dentro do Scorpions, com Paulo BaronRegis Tadeu
Por dentro do Scorpions, com Paulo Baron

Rockfest: A velha guarda mostrando como se faz Rock N' RollRockfest
A velha guarda mostrando como se faz Rock N' Roll

Rockfest SP: veja vídeos e repertórios de Scorpions, Whitesnake, Helloween e EuropeRockfest SP
Veja vídeos e repertórios de Scorpions, Whitesnake, Helloween e Europe

Whitesnake: David Coverdale comemora aniversário com Scorpions em São PauloWhitesnake
David Coverdale comemora aniversário com Scorpions em São Paulo

Michael Schenker Fest: projeto do lendário guitarrista lança o álbum Revelation

Scorpions: vídeo oficial de No Pain, Always e Holiday em RecifeScorpions
Vídeo oficial de "No Pain", "Always" e "Holiday" em Recife

Europe: Com tempestade, show não contou com seu maior clássico pela primeira vezEurope
Com tempestade, show não contou com seu maior clássico pela primeira vez

Scorpions, Whitesnake e Europe: veja o repertório das bandas no show em CuritibaScorpions, Whitesnake e Europe
Veja o repertório das bandas no show em Curitiba

Scorpions: James Kottak admite que é um alcoólatra em recuperaçãoScorpions
James Kottak admite que é um "alcoólatra em recuperação"

Scorpions: Kottak fala da vida fora da banda e planos para 2018Scorpions
Kottak fala da vida fora da banda e planos para 2018

Sabbath e Scorpions: coincidências nas capas de álbum e singleSabbath e Scorpions
Coincidências nas capas de álbum e single


Freddie Mercury: Características vocais do cantorFreddie Mercury
Características vocais do cantor

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Metallica: a capa do Death Magnetic lembra uma vagina?Metallica
A capa do "Death Magnetic" lembra uma vagina?

Roqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar umRoqueiro poser
100 regras essenciais para se tornar um

Meshuggah: A linda tatuagem nas costas da modelo russa Olga BellemorMeshuggah
A linda tatuagem nas costas da modelo russa Olga Bellemor

Nirvana: Duff Mckagan relembra última vez que viu Kurt CobainNirvana
Duff Mckagan relembra última vez que viu Kurt Cobain


Sobre Gustavo Debastiani

Conheceu o Rock n' Roll com 11 anos de idade, com a música Wind of Change, do Scorpions, que tocou no rádio do carro do seu amigo, imediatamente ele pediu o nome da música e banda pra seu amigo que o respondeu. Quando chegou em casa, a primeira coisa que fez foi procurar Wind of Change no youtube e se apaixonou pela banda, que é sua preferida. É fanático pelo Hard Rock oitentista, tendo como bandas mais preferidas além de Scorpions, Twisted Sister, KISS, Aerosmith, Whitesnake, Journey, Skid Row e Rush, curte também Heavy Metal e Psicodélico, tendo como preferidas Judas Priest, Iron Maiden, Black Sabbath, Accept, Yes e Pink Floyd.

Mais matérias de Gustavo Debastiani no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336