Matérias Mais Lidas

Steve Vai: Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como eleSteve Vai: "Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como ele"

Bruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atençãoBruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atenção

Malas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citaçõesMalas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citações

A opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano BrownA opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano Brown

John Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com YokoJohn Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com Yoko

Vocalista do Saxon acha um pouco maluco Judas Priest tocar como um quartetoVocalista do Saxon acha "um pouco maluco" Judas Priest tocar como um quarteto

A opinião de Chester Bennington e Travis Barker sobre o MetallicaA opinião de Chester Bennington e Travis Barker sobre o Metallica

Capital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do ViperCapital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do Viper

Raul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositorRaul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositor

O sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitidoO sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitido

Homem rouba guitarra de R$ 43 mil enfiando-a nas calças; veja vídeoHomem rouba guitarra de R$ 43 mil enfiando-a nas calças; veja vídeo

Lemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do RockLemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do Rock

Capital Inicial: quem é a pessoa que inspirou o sucesso NatashaCapital Inicial: quem é a pessoa que inspirou o sucesso "Natasha"

COVID: nunca mais vamos nos livrar disso, diz Ian Anderson do Jethro TullCOVID: nunca mais vamos nos livrar disso, diz Ian Anderson do Jethro Tull

Por que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos TrilhaPor que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos Trilha


Stamp

Deliverance: Escute o que eles tem a dizer!

Resenha - Hear What I Say! - Deliverance

Por Márllon Matos
Em 24/12/13

Desde o lançamento de As Above, So Below em 2007, o Deliverance acabou, retornou, planejou um álbum com a formação do primeiro álbum, acabou novamente e, enfim ressurgiu com este Hear What I Say ! que promete ser o derradeiro álbum da banda formada em 1985.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ano passado foi anunciado que Jimmy Brown II (vocal/guitarra) estava se reunindo com Mike Phillips (guitarra – JOIN THE DEAD,THE SACRIFICED, Ex- FASEDOWN), Manny Morales (baixo) e Jayson Sherlock (bateria – MORTIFICATION, PARAMAENCIUM, HORDE, entre outros) para a gravação deste álbum e mais ou menos do meio do ano, o programa de web rádio Metal Pulse, tocou uma versão demo não finalizada de "The Annals Of Subterfuge" (nome cogitado para ser título do álbum anteriormente) e com isso, despertou o interesse de todos os admiradores do grupo, pois o som remota fácilmente aos álbuns clássicos. Mas, infelizmente o álbum não supriu as expectativas de todos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançado no dia 10 de dezembro deste ano, Hear What I Say! está muito mais para uma espécie de "Best of" da carreira do Deliverance do que um retorno às raízes. Há elementos de Speed, Thrash, Prog e Heavy Metal além de Industrial e até mesmo uma balada acústica, ou seja, tudo que o Big D já fez em seus 28 anos de estrada. É de todo ruim? Não, mas certamente a expectativa era muito maior do que foi apresentado aqui.

O álbum começa, logo depois da intro Liber 111, com a já citada "The Annals Of Subterfuge", que é de longe a melhor faixa do álbum. Riffs e peso em profusão, solos melódicos e bem elaborados (nada de barulinhos desconexos) e uma atuação marcante de Jayson Sherlock, certamente fica entre as melhores gravações deste excelente batera !

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Angst lembra também um pouco da fase clássica e poderia estar facilmente no primeiro álbum. Hopes Lie Beyond carrega elementos dos álbuns Learn, Camelot... e um pouco de As Above So Below. Boa, mas nada demais.

Detox, tem uma levada um pouco "Hard Rock" e bastante influencias de industrial, mas sem a presença de elementos eletrônicos. Ainda bem, pois a faixa é fantástica com uma estrutura musical e refrão cativantes e fáceis de serem cantados, e essas adições certamente a estragaria. Vale também conferir Entgiftung, no final do álbum, que é uma versão da música, porém com letras em alemão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nude e Passing possuem bons momentos, mas abusam um pouco das influencias modernosas e acabam por passarem meio batidas na audição.

A Perfect Sky PE uma balada acústica muito bem elaborada e que conta somente com a presença de violões. Muito bonita e serve como um acalmar da alma para o ataque final com a maravilhosa versa de Where Eagles Dare, de um certo IRON MAIDEN. Claro que não supera a original, mas serve pra mostrar as boas influências que os ingleses deixaram na banda americana. Ah, aqueles que conhecem a música Desperate Cries do Deliverence talvez notem algumas influencias da faixa do IRON MAIDEN na faixa citada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum é bom, mas fica aquela sensação de que poderia ser bem melhor, mas de todo modo é uma bela e honrosa "carta de despedida". Jimmy Brown está cantando como nunca e ainda mostra que sabe fazer ótimos riffs. Mike Phillips é o guitarrista que toda banda queria ter. Sola como ninguém e segura muito bem as bases. Manny Morales faz um trabalho correto e eficiente no baixo, que, se não chama muito a atenção, pelo menos também não joga tudo a perder. Pena que o Jason Sherlock não foi melhor utilizado. Ele é um baterista excepcional, mas somente em The Annals Of Subterfuge que temos a demonstração de sua criatividade musical, nas outras músicas os arranjos são bons, mas simplórios em nível do que ele pode fazer.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No mais, obrigado Deliverance por tantos anos de bom serviço prestado em prol do Metal!

Roxx Records/ 3 Frogz Records
Line – up :
Jimmy Brown II - Vocal/Guitarra
Mike Phillips – Guitarra
Manny Morales – Baixo
Jayson Sherlock – Bateria

Track list :
1. Liber 111 (Intro)
2. The Annals of Subterfuge
3. Angst
4. Hope Lies Beyond
5. Detox
6. Nude
7. Passing
8. A Perfect Sky
9. Where Eagles Dare (Iron Maiden Cover)
10. Entgiftung (German Version of Detox)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos


Sobre Márllon Matos

Nascido em 1990, despertou para o rock em 2002 e desde lá vem sendo o terror dos vizinhos, seja tocando bateria ou ouvindo Metal no mais alto volume. Cristão convicto, curte de Palavrantiga a Crimson Moonlight, e o seu sonho é conseguir ir para a Austrália ver algum show do Mortification.

Mais matérias de Márllon Matos.