Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemTommy Lee postou uma foto com o "Dr. Feelgood" de fora

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemLutador Wanderlei Silva curte noite curitibana com Angra e Sons of Apollo

imagemKiko Loureiro exalta determinação de Mustaine; "Nada pode destruir esse cara"

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemSe não fosse o Queen, Max Cavalera provavelmente não existiria

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemComo foi a comovente despedida de Dado e Renato Russo, três dias antes da morte

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemRockstars se manifestam a favor da carta em defesa do estado democrático de direito


Stamp

Gamma Ray: "Heading for Tomorrow", um álbum de médio para ok

Resenha - Heading for Tomorrow - Gamma Ray

Por Ricardo Mazzo
Em 08/07/13

Nota: 6

Depois de gravar 3 dos maiores clássicos da história do Heavy Metal ("Walls of Jericho" de 1985, "Keepers Of The Seven Keys Part 1" de 1987 e "Keepers Of The Seven Keys Part 2" de 1988), o mestre Kai Hansen deixa o HELLOWEEN e funda aquela que viria a ser, na minha fanática opinião, a maior banda de Power Metal de todos os tempos, o GAMMA RAY. É fácil falar isso hoje depois que já ouvimos álbuns clássicos como "Land Of The Free", "Somewhere Out In Space" e "Power Plant", só para citar alguns. Para fazer justiça, comecemos pelo princípio, pelo álbum de estréia dessa banda que pertence ao meu Top 5 fixo de bandas de Heavy Metal, o "Heading For Tomorrow".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O ano era 1990 e o cenário para quem queria se destacar no mundo headbanger não era tão favorável, tendo em vista a concorrência altamente qualificada. O IRON MAIDEN vinha de uma seqüência de 5 álbuns espetaculares, o METALLICA, não muito atrás, preparava também sua 5ª obra-prima, enquanto que o riff lord Dave Mustaine e seu MEGADETH estavam prestes a lançar um dos maiores trabalhos que o Thrash Metal já presenciou. No entanto, uma banda que tinha o inventor do Power Metal e o maior compositor de Heavy Metal Melódico que se tem notícia só poderia lançar um álbum fantástico, certo? Nem tanto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O primeiro e principal problema que podemos apontar é o fato de que qualquer pessoa que fosse escolhida para o posto de vocalista da nova banda seria imediatamente comparada ao ícone do Heavy Metal Melódico e então vocalista do HELLOWEEN, Michael Kiske. Além disso, convenhamos que Kai Hansen não era um excepcional vocalista na época. O selecionado foi seu amigo Ralph Scheepers que junto com Uwe Wessel (baixo) e Mathias Burchardt (bateria) formaram o quarteto responsável pelas gravações desse primeiro trabalho.

E o álbum começa da maneira que eu sempre achei interessante, com a famosa faixa "Welcome" preparando o clima para uma provável pancada na seqüência. E é o que acontece. "Lust For Life" chega chutando tudo para os altos e mostrando que Power Metal é feito com o sangue de Kai Hansen. Sim, surge um certo estranhamento com a voz de Scheepers, mas isso só vai desaparecer em "Man On A Mission", primeira música do álbum "Land Of The Free" de 1995, quando ele já não está mais na banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Heaven Can Wait" é uma das melhores músicas dessa primeira fase do grupo. Apesar de ser um tanto quanto Pop, tem uma levada interessante e possui um refrão que realmente fica preso na cabeça por um bom tempo. No entanto, a 4ª faixa é bem esquisita. "Space Eater" parece não evoluir e fica na mesma batida o tempo todo. E tire as taças de cristal da sala, pois elas podem não agüentar os gritos de Ralph Scheepers. Não me agrada.

"Money" é interessante por ser rápida e apresentar um pedal duplo mais claro na bateria. Mas me incomoda o fato de parecer que cada música é de um estilo distinto, o que vou deixar passar por se tratar do primeiro álbum da banda. "The Silence" é a balada esperada do CD e agrada. Vocal adequado, instrumental diferenciado e os mais de 6 minutos são bem distribuídos por essa bela composição.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para quem já conhece GAMMA RAY, é bastante interessante perceber algumas sementes já sendo plantadas nesse primeiro trabalho. O baterista Mathias Burchardt, talvez por falta de talento ou por ordens do chefe, faz timidamente em "Hold Your Ground" o que o "drum hero" Dan Zimmermann deu show a partir 1997. Pedal duplo rules! "Free Time", a única composta por Scheepers, vem para entrar para o grupo das músicas mais comerciais do álbum. Refrão fácil e pegajoso, talvez seja um pouco maior do que o necessário, chegando aos 5 minutos de duração.

A música que dá título ao álbum chega a beirar os 15 minutos e agrada. Ralph Scheepers continua com seus gritos, mas, nesse caso, se encaixam muito bem. Há um certo exagero nas partes mais lentas e instrumentais, o que leva a música ao limite de se tornar repetitiva. Para fechar, a interessante "Look At Yourself", do URIAH HEEP, é o primeiro cover apresentado pela banda, de uma lista bastante interessante que estaria por vir nos anos seguintes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um álbum de médio para ok, ainda mais depois de sabermos do que Kai Hansen era capaz. Para a época, não se comparava ao que estava sendo lançado. Por outro lado, um álbum de estréia que tentava achar seu estilo. Não o julgo como fundamental para aqueles que querem entender de Heavy Metal, mas certamente faz parte da estrutura primária de muita coisa que escutamos hoje. Talvez seja por isso o nome do álbum. Kai Hansen for president!

"Heading for Tomorrow" - 1990 - GAMMA RAY

1. Welcome
2. Lust for Life
3. Heaven Can Wait
4. Space Eater
5. Money
6. The Silence
7. Hold Your Ground
8. Free Time
9. Heading for Tomorrow
10.Look at Yourself

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Heading for Tomorrow - Gamma Ray

Resenha - Heading For Tomorrow - Gamma Ray

Resenha - Heading for Tomorrow - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Regis Tadeu e as piores bandas de Power Metal de todos os tempos

Power Metal: os 25 maiores álbuns do estilo

Riffs parecidos: ZZ Top, Motorhead, Slayer, Metallica, A7X e outros

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Gibson: os 50 melhores covers da história do rock

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt Cobain


Sobre Ricardo Mazzo

Cresci ouvindo muito Punk Rock e Hardcore, mas migrei para o Heavy Metal há alguns anos. No entanto, não abro mão de um bom Bad Religion. Acredito piamente que se Pelé fosse um pouco melhor seria chamado de Kai Hansen ou teria composto a "The Trooper". Estudei guitarra, tive banda, freqüentei inúmeros shows e criei o blog #dicarock. Up the Irons!

Mais matérias de Ricardo Mazzo.