Iron Maiden: resenha de Maiden England '88 pela Classic Rock

Resenha - Maiden England '88 - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


“Screeeeam for me, Birmingham!”, berra um jovem BRUCE DICKINSON enquanto ele se desloca pelo palco como um pirata de calças justas interpretado por Errol Flynn, agitando o público como o showman habilidoso que ele é. O suor cai, a pirotecnia cospe, e as linhas de baixo lhe prendem numa grata submissão.

1104 acessosIron Maiden: Mais uma cerveja da banda sai em fevereiro5000 acessosCapas clássicas: os locais onde foram feitas nos dias de hoje

Por Essei Berelian para a Classic Rock Magazine/Abril 2013

Você tem que tirar o chapéu pro Maiden: quando eles lançam um pacote desses, você com certeza é recompensado pelo que pagou. Escavado do assombroso arquivo de material da banda, esse filme de duas noites no NEC tem implorado pra ser lançado em DVD faz tempo e finalmente rolou – com bis matadores do naipe de 'Running Free', 'Run To The Hills' e 'Sanctuary' pra completar o set list. E praqueles que querem estar no meio da ação, há uma nova mixagem em áudio 5:1 autorada por Kevin Shirley para reforçar o mix original em estéreo de Martin Birch.

Dirigido e editado por Steve Harris, seu desejo de criar um filme pela perspectiva dos olhos de um fã como um antídoto para os excessos abundantes de 'Live After Death' é altamente bem-sucedido, com um forte foco no palco e nas primeiras fileiras da plateia enquanto a maior parte de 'Seventh Son Of A Seventh Son' rola forte, em meio ao que é basicamente um set sustentado por pontos altos, especialmente a boa e velha 'Number Of The Beast', com Bruce carregando Dave Murray nos ombros enquando Adrian Amith arregaça em seu solo. É sucinta síntese de como o Maiden é quando todas as engrenagens estão rodando juntas.

No geral, esse é um baita testamento de uma banda oriunda da classe operária em seu auge – apesar das crescentes tensões entre os membros. As cândidas lembranças daqueles sentimentos turbulentos são verbalizadas no disco Dois e são uma deixa para o fascinante terceiro capítulo na história da banda- em especial pelo guitarrista Adrian Smith, que estava ficando cada vez mais desconfortável com [entre outras coisas] a velocidade das músicas na época. Ele é cabal: “Um ano depois, eu não estava mais na banda”.

Na sequência do documentário, o excelente '12 Wasted Years', gravado originalmente em 1987, finalmente sai em DVD, com sua copiosa duração de 90 minutos abrangendo também cinco vídeos promocionais lançados entre 1986-1988 – o vídeo de 'Clarvoyant' celebra o triunfo da banda quebrando recorde de público no topo do casting do festival de Donington.

Demorou pra sair, mas como já dissemos, quando se trata de criar algo para agradar aos fãs, ninguém o faz com tanta atenção como o Iron Maiden.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Maiden England '88 - Iron Maiden

5000 acessosIron Maiden: terceira parte da história da banda chega às lojas5000 acessosIron Maiden: para os fãs antigos, Maiden England '88 é histórico


Judas PriestJudas Priest
Bruce Dickinson deve participar de novo álbum, diz site

1104 acessosIron Maiden: Mais uma cerveja da banda sai em fevereiro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Quando tudo começa bemQuando tudo começa bem
Dez fantásticas canções que abrem álbuns

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Bruce Dickinson em entrevista ao Fantástico

British LionBritish Lion
Steve diz que é como voltar ao início do Iron Maiden

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Capas clássicasCapas clássicas
Os locais onde foram feitas nos dias de hoje

Sociedade AlternativaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

KissKiss
"Peter e Ace foram chutados por serem drogados e alcoólatras!"

5000 acessosSlayer: cronologia de Hanneman, da picada da aranha até a morte5000 acessosRodolfo: "O rock brasileiro entrou numa crise desde o começo dos anos 2000"5000 acessosCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"5000 acessosAC/DC: segurança mostra o espírito de um verdadeiro fã5000 acessosDavid Coverdale: Puto com intransigência de Ritchie Blackmore4080 acessosTr00 Black Metal From Hell: os mandamentos e dogmas sacro-profanos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de abril de 2013


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.