Geoff Tate: músicas menos pesadas e mais intimistas

Resenha - Kings & Thieves - Geoff Tate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Logo após a separação do QUEENSRYCHE (até agora ainda não explicada satisfatoriamente), o vocalista Geoff Tate se apressou em se juntar ao guitarrista e produtor e Kelly Gray (ex-Queensryche), além de Greg Gilmore (bateria) e Chris Zukas (baixo) para gravar esse seu segundo disco solo, que acaba de sair no mercado nacional via Hellion Records.
3601 acessosTim "Ripper" Owens: "Não vou mais trabalhar com Geoff Tate"5000 acessosBin Laden: possível sucessor era músico de Death Metal

Em primeiro lugar, uma coisa deve ser dita: é fato que, desde o clássico "Empire" (1990), que o QUEENSRYCHE, salvo alguns lampejos de criatividade, não lança nenhum material inédito relevante, digno do estupendo começo de sua carreira. Tal fato, sem dúvida, contribuiu para essa divisão trágica da banda.

Mas, deixando de lado os motivos que levaram a tal divisão, e sem entrar no mérito acerca do fato de quem tem a razão nessa confusão toda, fica claro nessa nova empreitada solo de Geoff que muitas das características musicais do QUEENSRYCHE atual se devem à influência do vocalista, pois as faixas aqui apresentadas seguem o padrão das faixas atuais de sua ex-banda, ou seja, menos pesadas e mais intimistas.

Contudo, fica claro também que, mesmo seguindo essa linha, aqui há muito mais qualidade do que no últimos registros do QUEENSRYCHE, com Geoff e sua trupe investindo mais em momentos voltados ao classic rock e até em algo de new age, jazz e blues, com climas carregados e soturnos, sempre de forma direta e, como dito, bem intimista. Alias, esse clima mais melancólico certamente tem referência a todos esses problemas enfrentados pelo vocalista nos últimos tempos.

E assim, o disco tem vários bons momentos, como na abertura "She Slipped Away" e na sua sequência, com "Take a Bullet", além de outros mais viajados, como em "Say U Luv It" (com uma letra bem forte sobre violência sexual) e "Change", com ótimos arranjos. Contudo, no decorrer de todo o disco, em alguns momentos a audição se torna um pouco cansativa e entediante, apesar do talento do vocalista, que continua com sua voz privilegiada em plena forma, sendo, como não poderia deixar de ser, o grande destaque do disco.

Assim, "Kings & Thieves" não é um disco de fácil assimilação, e certamente não deverá agradar a todos, até porque se trata de uma sonoridade bem mais soturna e menos acessível do que os fãs do cantor (principalmente aqueles que apreciam os primeiros registros de sua ex-banda) estão acostumados. Mas se você aprecia algo diferente e mais experimental, ou mesmo os discos da banda na fase pós "Empire", vale a aquisição, até porque, como dito, a voz de Geoff continua fantástica, e é um grande atrativo para se ouvir o álbum.

Kings & Thieves – Geoff Tate
(2013 – Hellion Records - Nacional)

1. She Slipped Away
2. Take a Bullet
3. In the Dirt
4. Say U Luv It
5. The Way I Roll
6. Tomorrow
7. Evil
8. Dark Money
9. These Glory Days
10. Change
11. Waiting

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ripper OwensRipper Owens
"Não vou mais trabalhar com Geoff Tate"

733 acessosGeoff Tate: "No palco com minha nova música, eu corro riscos"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Geoff Tate"

Mike PortnoyMike Portnoy
Baterista não quer guardar mágoas de Geoff Tate

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Geoff Tate"

Bin LadenBin Laden
Possível sucessor era músico de Death Metal

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta5000 acessosMacarrão Black Metal: alimento de todo headbanger from hell5000 acessosRegis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro5000 acessosMosh Pits: você sabe como eles começaram?

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online