Thin Lizzy: entra pra lista dos clássicos da banda

Resenha - Johnny the Fox - Thin Lizzy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois do grande sucesso de "jailbreak" (março de 1976), o THIN LIZZY ficou com um grande desafio a cumprir, criar um álbum que pelo menos igualasse a sua musicalidade. Mas a turma de PHIL LYNOTT não se intimidou com isso. Aquele foi um ano de grande inspiração para os músicos, pois sete meses depois já estavam lançando o seu sucessor, "Johnny the Fox" (outubro de 1976). Como haveria de se esperar ele entra para a lista de clássicos da banda e ainda explora novos horizontes em sua música. É até difícil de acreditar que esse "tesouro" foi concebido enquanto LYNOTT se recuperava de uma hepatite que havia contraído durante a turnê do último LP, mas o vocalista/baixista de maneira alguma se deixou vencer, pelo menos nessa época.
457 acessosThin Lizzy: Lynott ganhará filme; produtora busca protagonista5000 acessosDoors - Perguntas e Respostas

"Johnny" abre o play com o "gingado" característico do THIN LIZZY e mostra uma banda com uma proposta mais evoluída na sua música. BRIAN DOWNEY com seu estilo único trata o seu kit com um "carinho paterno" sem se exaltar nas viradas e mantendo sempre uma pegada boa de ouvir.

A segunda, "Rocky", mostra o lado mais pesado do grupo. É carregada de energia principalmente na voz de LYNOTT e nos solos das guitarras gêmeas de SCOTT GORHAM e BRIAN ROBERTSON, ingredientes fundamentais que resultaram na formação do movimento britânico NWOBHM.

O primeiro momento 'light' do álbum é a faixa "Borderline" que quebra totalmente o clima 'Hard' da música anterior, mas que leva o ouvinte a uma viagem muito agradável ofuscando um pouco as tensões vividas por PHIL e BRIAN naquela época.

E por falar em tensão, a quarta faixa, "Don't Believe a Word", causou certo "furor" entre esses dois artistas, pois o vocalista a tinha composto num formato 'Blues' deixando o guitarrista bem descontente. Depois de receber duras críticas de ROBERTSON, LYNOTT passou alguns dias sumido, o tempo foi oportuno para o guitarrista recriar o seu riff com um ritmo mais rápido de DOWNEY. Em fim, a música é uma das principais do álbum.

A canção que fechava o lado 1 do LP é "Fools Gold", uma ótima música carregada de bastante 'feeling' e competência na harmonia, perfeita com belos riffs e solos.

O THIN LYZZY colocou pra fora toda a sua influência da 'Black Music' e deu um show de interpretação na faixa "Johnny the Fox Meets Jimmy the Weed". Ela traz aquele "Swing Funk" que te convida a balançar pela batida da bateria e o ritmo marcante do baixo.

"Old Flame" é rica em melodia, as guitarras tocam as mesmas notas praticamente a canção inteira se separando apenas na hora do solo. A linha de baixo sai perfeita com um acompanhamento linear aos riffs. Obra de mestres.

A faixa de número oito nada mais é que um dos principais hinos da banda, "Massacre". LYNOTT e seu baixo se superam mais uma vez, mas BRIAN DOWNEY também vive um de seus melhores momentos aqui mostrando garra e talento com sua bateria. O que deixa esse clássico mais poderoso ainda são os solos dos parceiros SCOTT GORHAM e BRIAN ROBERTSON. Acertaram no alvo!

Mais uma vez o clima "festivo" do CD é quebrado para dar lugar a mais uma balada, "Sweet Marie", ela vem com solo hipnotizante de GORHAM que, aliás, também assina a composição ao lado do vocalista mentor.

A última é a "inquietante" "Boogie Woogie Dance", seu riff é intenso e as partes de baixo e bateria ajudam a construir uma sonoridade perfeita para o seu tema. Destaque para o refrão poderoso que lhe caiu muito bem.

Em janeiro de 2011 "Johnny the Fox" foi relançado como álbum duplo, sendo que o CD1 traz as canções nas versões originais remasterizadas na edição lançada em 1996 e o CD2 traz as mesmas remasterizadas em 2010. Aproveitem!

Lançamento:
'Vertigo Records' (Reino Unido);
'Mercury Records' (EUA).

Line Up:
PHIL LYNOTT – baixo, guitarra, guitarra acústica, vocal;
SCOTT GORHAM – guitarra, violão;
BRIAN ROBERTSON – guitarra, violão;
BRIAN DOWNEY – bateria, percussão;
FIACHRA TRENCH – arranjos de cordas, baixo (Convidado);
PHIL COLLINS – percussão (convidado);
KIM BEACON – backing vocal (convidado).

Track List:
01 - Johnny
02 - Rocky
03 - Borderline
04 - Don't Believe a Word
05 - Fools Gold
06 - Johnny the Fox Meets Jimmy the Weed
07 - Old Flame
08 - Massacre
09 - Sweet Marie
10 - Boogie Woogie Dance

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de dezembro de 2012

457 acessosThin Lizzy: Lynott ganhará filme; produtora busca protagonista1538 acessosBlend Guitar: em vídeo, os dez melhores duelos de guitarra0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Thin Lizzy"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
A bizarra semelhança de Phil Lynott e Tiririca

Black Sabbath e Thin LizzyBlack Sabbath e Thin Lizzy
As semelhanças entre dois clássicos

MudançasMudanças
5 bandas que seguem sem membros da formação original

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Thin Lizzy"

DoorsDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

SlayerSlayer
As preferências do guitarrista Kerry King

Bon ScottBon Scott
Em 1980, um dos dias mais tristes do rock n' roll

5000 acessosQuais são os rockstars mais chatos do mundo?5000 acessosSílvio Santos: "The Number Of The Beast" em ritmo de festa5000 acessosAC/DC: as 10 melhores músicas da banda com Bon Scott5000 acessosDavid Lee Roth: Cocaína, putaria e mais cocaína5000 acessosSteven Adler: memórias perdidas com Lars Ulrich e John 55000 acessosAC/DC e Guns: Incontinência urinária de Slash bêbado ajudou na escolha de restaurante

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online