Faceless: um disco que beira a perfeição

Resenha - Autotheism - Faceless

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

9


Sim, meus amigos, o metal extremo chegou em um nível de evolução absurdo, seja em termos de versatilidade técnica de seus músicos, ou em relação à própria brutalidade e extremismo sonoro atingido. Cada vez mais vemos surgir no mercado ótimas bandas praticantes do chamado brutal technical death metal, seguindo a linha de bandas como NILE e CANNIBAL CORPSE, mas com ainda mais variações. E uma das melhores bandas dessa atual safra é o THE FACELESS, que chega agora a esse seu fantástico terceiro disco de estúdio.

A banda, formada na cidade californiana de Encino, e que está na estrada desde 2003 (quando ainda se chama "The Faithless"), com "Autotheism", chega ao ápice de sua carreira até aqui, com um disco que beira a perfeição. Todas as nove faixas apresentadas são ótimas e intensas, variando com maestria entre o technical death metal, o metal progressivo e até com algo de doom metal, dentre outras influências, tudo de forma coesa e muito visceral.

publicidade

Nota-se também uma maior preocupação dos músicos com os arranjos das canções, seja nos momentos mais brutais (com várias quebradas bruscas de andamento), seja nos mais melodiosos e ambientais, com estruturas complexas, mas que agradam de imediato o ouvinte.

Outro importante destaque do material são as linhas vocais do novo membro Geoffrey Ficco, que em alguns momentos chega até a lembrar o grande Gerge "Corpsegrinder", do CANNIBAL CORPSE, passando uma fúria descomunal, que contrasta de forma "sublime" com os vocais limpos do líder Michael Keene, que transmite muita emoção em suas interpretações. Quanto ao instrumental, a banda continua afiadíssima e técnica ao extremo, com destaque para o baixista Evan Brewer, um verdadeiro monstro no instrumento (quem ainda não viu, vale a pena conferir os vídeos disponíveis do baixista no Youtube).

publicidade

Até pela qualidade extrema do material, não vou citar faixas de destaque, pois cada uma apresenta características peculiares, e levarão o ouvinte a novas experiências sonoras a cada audição.

As letras e os temas abordados também são bem interessantes e introspectivas, fugindo dos clichês do estilo, em especia a trinca de abertura, denominada "Autotheist Movement", que tratam das formas de se chegar ao Autoteismo. Destaque também para a belíssima capa do disco, mais um trabalho fascinante de Marcelo Vasco.

publicidade

Assim, com "Autotheism", o THE FACELESS finca de vez seu nome entre as maiores bandas de metal extremo da atualidade, pronta para destruir pescoços nos quatro cantos do planeta. Sem dúvida um dos melhores (quiça o melhor) discos de metal extremo do ano.

Autotheism – The Faceless
(2012- Sumerian Records -Importado)

Geoffrey Ficco — lead vocals
Michael Keene — guitar, clean vocals, keyboards
Wes Hauch — guitar
Evan Brewer — bass guitar
Lyle Cooper — drums

publicidade

Track List:
01 – Autotheist Movement I Create
02 – Autotheist Movement II Emancipate
03 – Autotheist Movement III Deconsecrate
04 – Accelerated Evolution
05 – The Eidolon Reality
06 – Ten Billion Years
07 – Hail Science
08 – Hymn Of Sanity
09 – In Solitude




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Eddie Van Halen: Eruption foi um acidenteEddie Van Halen
"Eruption foi um acidente"

Guitarristas e vocalistas: os 10 melhores casamentosGuitarristas e vocalistas
Os 10 melhores "casamentos"


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin