Big 4: uma noite para entrar na história no metal

Resenha - Live from Sofia, Bulgária - BIG 4

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Noé de Souza
Enviar Correções  

10


O que era impossível, para a maioria dos mortais, concretizou-se quando, em 2009, foi oficializado que as quatro principais bandas de Thrash Metal reuniriam suas forças e fizessem a maior turnê que se tem notícia. Embora os fãs tenham se questionado o que iria acontecer se Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax encontrassem e causassem alguma confusão, nada mais foi impedido e, em 2010, o mercado do Metal movimentou-se e, finalmente, o BIG 4 virou realidade.

Metallica: veja show completo de 2017 filmado profissionalmenteGuns N' Roses: a história da saída de cada integrante

O que iria acontecer se as bandas se reunissem? Será que as picuinhas entre eles acabaram? Pois saibam que as bandas tiveram rixas uma entre a outra. a principal delas é a briga entre Dave mustaine e o Metallica (quem acompanhou sabe do que estou falando!). Outra banda desafeta do líder do Megadeth foi o Slayer (Kerry King tocou no Megadeth no início da carreira).

A expectativa para a realização desse evento era enorme, apesar das polêmicas sobre a não inclusão de outras bandas do thrash Metal, como Exodus, Testament e/ou Overkill (compartilho na mesma opinião!). Mesmo assim, o dia 22 de junho de 2010 prometia em Sofia (Bulgária).

Antecipando o lançamento, foi exibido nos cinemas de todo o globo (Brasil incluso) um resumo da apresentação, realizado nesse data e local mencionado. E no DVD, tem mais de 5 horas, em som digital e imagem de cinema, tudo o que ocorreu no Sonisphere Festival.

O primeiro disco é o que seria o Clash Of Titans 2010: Anthrax, Megadeth e Slayer, com uma hora cada. A primeira sobe ao palco com a formação quase clássica: Scott Ian (g/bv) e Rob Caggiano (g), Frank Bello (bx/bv), Charlie Benante (bt) e Joey Belladonna (v). A expectativa era alta, pois o vocalista voltou após uma série de polêmicas que custavam o futuro do Anthrax.

Foi só soar os acordes de Caught In A Mosh que o público foi à loucura. Comentar a performance dos músicos é desnecessário, mas Charlie mostrou-se preciso e técnico como sempre. Frank é um alucinado no palco. Scott é uma figura com seu cavanhaque grisalho, mas continua furioso com sua rifferama. Belladonna parece mais o Roberto Carlos saindo do manicômio. Aproveitando o momento, durante a Indians, eles homenageiam Ronnie James Dio (falecido naquele mesmo ano) com um trecho de Heaven And Hell.

Quando o Megadeth entrou em cena, uma chuva forte lavou a alma dos headbangers. Contando com o parceiro David Ellefson (bx) de volta, Mustaine e cia despejam seus riffs com Holy Wars. Baseando nos vinte anos de Rust In Peace, o Megadeth deu continuidade com Hangar 18 e, a partir daí, foi só um desfile de clássicos (a então nova Headcrusher merece destaque).

Shawn Drover parece um relogio suíço, pois sua pegada merece destaque. Já Chris Broderick não deve nada à Marty Friedman (sem falar que ele se parece com Pepeu Gomes!). Ao tocarem Symphony Of Destruction, o público gritou o nome da banda inúmeras vezes.

Quando a fumaça vermelha se espalhou, a banda mais maldita da história surge do inferno para maltratar os mais cálidos mortais. O Slayer provou que não mostrou piedade e, mesmo sem se mexer devído à uma cirugia na coluna, Tom Araya (v/bx) segurou o público na mão com seu carisma e classe de sempre, trajando a camisa da seleção chilena.

Kerry King e Jeff Hanneman (g) possuem a mesma ligação quando tocam suas notas. Agora, uma coisa tenho certeza: Dave Lombardo (bt) só pode ser de outra encarnação. Sua técnica apurada e presença de palco é um caso para os irmãos Winchester, do Sobrenatural.

O segundo disco mereceria um capítulo à parte. Quando as cenas de O Bom, O Mau e O Feio entrou no ar, com o som de The Ectasy Of Gold, a platéia fez coro para Lars Ulrich (bt) subir no seu kit e executar Creeping Death para a alegria dos presentes.

Não tem jeito, o Metallica tomou conta de todo o palco, com direito a vários microfones instalados em suas rampas, para que James Hetfield (v/g) possa cantar em toda parte. E, em se tratando de voz, presença de palco e uma habilidade ímpar de tocar sua guitarra, ele é nota 1000. Outro que também possui uma interação com o público é o baixista Rob Trujillo (bx), remetendo aos tempos em que tocava no Suicidal Tendencies e Infectious Grooves. O palco virou uma pista de fogo, ao som de One, com direito a chuvas de fogos de artifício.

Mas o melhor estava por vir, quando Hetfield chamou todas as bandas (Só o Lombardo participou) para homenagearem diamond Head, ao som de Am I Evil?, emocionando até mesmo o mais radical fã. Isso, sim, foi uma noite para entrar na história do Metal.

O bônus do segundo disco contém um documentário sobre os bastidores da apresentação, além dos diálogos entre os integrantes, o encontro com os fãs, a montagem e o local da apresentação.

Disco Um:

Tracklist – Anthrax:

1-Caught in A Mosh
2-Got the time
3-Madhouse
4-Be All, End All
5-Antisocial
6-Indians/Heaven And Hell
7-Medusa
8-Only
9-Metal Thrashing Mad
10-I Am The Law

Tracklist – Megadeth:

1-Holy Wars... The Punishment Due
2-Hangar 18
3-Wake Up Dead
4-Headcrusher
5-In My darkest Hour
6-Skin O’ My teeth
7-A Tout Le Monde
8-Hook In Mouth
9-Trust
10-Sweating Bullets
11-Symphony Of Destruction
12-Peace Sells/Holy Wars Reprise

Tracklist – Slayer:

1-World Painted Blood
2-Jihad
3-War Ensemble
4-Hate Worldwide
5-Seasons In The Abyss
6-Angel Of Death
7-Beauty Through Order
8-Disciple
9-Mandatory Suicide
10-Chemical Warfare
11-South Of Heaven
12-Rainning Blood

Disco 2:

Tracklist – Metallica:

1-Creeping Death
2-For Whom The Bell Tolls
3-Fuel
4-Harvester of Sorrow
5-Fade to black
6-That Was Just Your Life
7-Cyanide
8-Sad But True
9-Welcome Home (Sanitarium)
10-All nightmare Long
11-One
12-Master of Puppets
13-Blackned
14-Nothing Else Matters
15-Enter Sandman
16-Am I Evil?
17-Hit The Lights
18-Seek and Destroy

Documentário sobre os bastidores do show, encontros das bandas com os fãs, ensaio de Am I Evil?, brincadeiras entre os integrantes, entre outros.

Confiram o vídeo do Big 4 ao som de Am I Evil?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: veja show completo de 2017 filmado profissionalmenteMetallica
Veja show completo de 2017 filmado profissionalmente

UFO: Kirk Hammett lamenta morte de Paul ChapmanUFO
Kirk Hammett lamenta morte de Paul Chapman

Metallica: Lars mostra novo box da banda e presenteia enfermeira superfãMetallica
Lars mostra novo box da banda e presenteia enfermeira superfã

Metallica: Show no Mapfre Stadium em 2017 na íntegra em nova série online sobre músicaMetallica
Show no Mapfre Stadium em 2017 na íntegra em nova série online sobre música

Metallica: James Hetfield construindo mesas para doaçãoMetallica
James Hetfield construindo mesas para doação

Metallica e Guns N' Roses: as lembranças de Lars Ulrich da turnê conjunta de 1992Metallica e Guns N' Roses
As lembranças de Lars Ulrich da turnê conjunta de 1992

Metallica: qual o cover que Kirk Hammett mais gosta de tocar com a bandaMetallica
Qual o cover que Kirk Hammett mais gosta de tocar com a banda

Thrash metal: os 40 melhores discos de estreia segundo o LoudwireThrash metal
Os 40 melhores discos de estreia segundo o Loudwire

Metallica: as expectativas para o lançamento do Black AlbumMetallica
As expectativas para o lançamento do Black Album

Metallica: assista show completo de 2019 realizado em ManchesterMetallica
Assista show completo de 2019 realizado em Manchester


Metallica: Lars concorda quando Bruce diz que Maiden é superiorMetallica
Lars concorda quando Bruce diz que Maiden é superior

Metallica: Lucas Salles, CQC, testa conhecimento dos fãs no RiRMetallica
Lucas Salles, CQC, testa conhecimento dos fãs no RiR


Guns N' Roses: a história da saída de cada integranteGuns N' Roses
A história da saída de cada integrante

Rock, Revolução e SatanismoRock, Revolução e Satanismo


Sobre Rodrigo Noé de Souza

Nasci em 1984. Esse ano não é só o início de uma nova democracia, mas também é o ano em que vários discos foram lançados, como Powerslave (IRON MAIDEN), Stay Hungry (TWISTED SISTER), W.A.S.P., Don't Break The Oath (Mercyful Fate), Slide It In (WHITESNAKE), 1984 (VAN HALEN), The Last In Line (DIO) e, o meu favorito de todos, Ride the Lightning (METALLICA). Sou um aficcionado por Metal, desde AC/DC e ZZ Top, até Anaal Nathrakh e Krisiun.

Mais matérias de Rodrigo Noé de Souza no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin