Gathering: mantendo o alto nível no novo álbum

Resenha - Disclosure - Gathering

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luís Fernando Amâncio, Fonte: World Wide Suicide
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando, em augusto de 2007, a vocalista Anneke van Giersbergen deixou o The Gathering, o chão se abriu para os raros fãs da banda. Pois não era uma simples troca de integrante. A entrada de Anneke marcou a mudança no som do grupo, que progressivamente foi abandonando estilos mais pesados (doom/ gothic metal) para sonoridades mais atmosféricas, que a banda denominou trip rock (alusão ao trip hop de grupos como o Portishead).

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?

Mais do que esse marco simbólico, Anneke se tornou a "cara" do The Gathering. Com sua bela voz e o assombroso carisma, a cantora não poderia ocupar lugar diferente. Foi tão protagonista na banda que resolveu dar seu vôo solo. Ser seu próprio rosto.

E agora, cinco anos depois, podemos ver que o rompimento, embora dolorido aos entusiastas do grupo, foi honesto. "Everything is Changing", terceiro álbum solo de Anneke (os dois anteriores usaram o nome Agua de Anique como transição) indica que a cantora está convicta em flertar com o pop. Vide o clipe de "Take me Home" -

Já o The Gathering lançou nesse mês seu segundo trabalho pós-Anneke, "Disclosure". Esse álbum teve maior participação de Silje Wergeland (ex-Octavia Sperati), norueguesa que assumiu os vocais. O anterior, West Pole (2009), ela encontrou praticamente pronto. E Disclosure é um atestado de que o The Gathering segue fiel ao seu trip rock, sem soar repetitivo no caminho que escolheram.

No álbum novo, os holandeses liderados pelos irmãos Hans e René Rutten incorporam mais características do rock progressivo, outro rótulo que costuma ser utilizado para definir sua sonoridade. Não o progressivo de intermináveis solos virtuoses, é bem verdade, mas na exploração da capacidade sensorial da música.

"Paper Waves", apresentada ao público brasileiro no show da banda em julho de 2011, abre o disco. É uma faixa eficaz como abertura do disco, mostra que o que virá a seguir é promissor. Os saudosistas podem até sentir falta de Anneke, mas Silje cumpre bem a árdua tarefa de substituí-la. Sobretudo por soar bem e em seu próprio estilo.

"Meltdown", em seguida, é a música mais ousada do cd. Além do vocal masculino (estreia do tecladista Frank Boeijen na função), algo que não ocorria desde "All My Life", do "Souvenirs" (2003), a música inicia com uma dinâmica bastante moderna. Porém, pela metade, ela toma rumo mais introspectivo. De fato, "Disclosure" é um álbum de músicas longas e com variações internas. "Heroes For Ghosts", quarta faixa, que teve um clipe lançado no ano passado, dura mais de dez minutos. Épica, mostra uma banda entrosada.

"Paralyzed", terceira música, é a que mais se aproxima de uma balada no disco e, de fato, tem potencial para single. Conta com uma bela melodia vocal e um acompanhamento bem digno.
"Disclosure" tem também uma faixa dividida, "Gemini I" e "Gemini II", essa encerrando o cd. "Missing Seasons" talvez seja a canção que menos chama a atenção no cd. "I Can See Four Miles" reforça que, mais do que faixas grandes, temos músicas grandiosas no décimo álbum de inéditas do The Gathering.

O supracitado show dos holandeses em São Paulo, no ano passado, mostrou que o impacto gerado pela saída da ex-vocalista afetou o número de seguidores do grupo. O público que compareceu naquele domingo foi consideravelmente menor que aquele do outro show da banda no Brasil, em 2006, ainda com Anneke - o tamanho do local onde os eventos ocorreram também transmite essa realidade, do Via Funchal para o Hangar 110.

"Disclosure" nos faz concluir que, junto da separação entre os integrantes, também ocorreu uma entre seus seguidores: foram-se os(as) tietes de Anneke, ficando os verdadeiros fãs da banda. Pois musicalmente é inegável que o The Gathering mantém sua identidade. Com mudanças, claro, pois trata-se de uma característica de sua trajetória. Mas eles seguem explorando as possibilidades do trip rock. Seus fãs da banda podem ser poucos, todavia são convictos de serem uns privilegiados.

Track-list:

1. Paper Waves
2. Meltdown
3. Gemini I
4. Heroes For Ghosts
5. Missing Seasons
6. See For Miles
7. Paralyzed
8. Gemini II

Formação atual:

Silje Wergeland - vocal
René Rutten - guitarra
Marjolein Kooijman - baixo
Hans Rutten - bateria
Frank Boeijen - teclado

Clip "Heroes for Ghosts" -




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gathering"Todas as matérias sobre "Anneke Van Giersbergen"


Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?Bandas
Por que ninguém está indo a seus shows?

Raul Seixas - Perguntas e RespostasRaul Seixas - Perguntas e Respostas
Raul Seixas - Perguntas e Respostas

U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaHomossexualidade: 5 nomes da cena rock/metal que assumiramJimmy Page: "não ouçam Led Zeppelin em MP3"Dream Theater: o vacilo na capa de "A Dramatic Turn of Events"

Sobre Luís Fernando Amâncio

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.